Bill Gates: Edição genética, inteligência artificial e metas globais de saúde

Por que Bill Gates acha que edição genética e inteligência artificial podem salvar o mundo - Republicado do Yahoo News


Bill Gates: Edição genética e inteligência artificial podem nos ajudar alcançar metas globais de saúde mais rápido
Artigo original: Por que Bill Gates acha que edição genética e inteligência artificial podem salvar o mundo - Republicado do Yahoo News


O cofundador da Microsoft, Bill Gates, trabalha para melhorar o estado da saúde global por meio de sua fundação sem fins lucrativos há 20 anos, e hoje ele disse ao principal encontro científico do país que os avanços em inteligência artificial e edição de genes podem acelerar essas melhorias exponencialmente nos próximos anos.

"Temos uma oportunidade com o avanço de ferramentas como inteligência artificial e tecnologias de edição baseadas em genes para construir essa nova geração de soluções de saúde para que estejam disponíveis para todos no planeta. E estou muito animado com isso", disse Gates em Seattle, durante um discurso na reunião anual da Associação Americana para o Avanço da Ciência.

Tais ferramentas prometem ter um impacto dramático em vários dos maiores desafios da agenda da Fundação Bill Melinda Gates, criada pelo guru da tecnologia e sua esposa em 2000.

Quando se trata de combater a malária e outras doenças transmitidas por mosquitos, por exemplo, o CRISPR-Cas9 e outras ferramentas de edição genética estão sendo usadas para alterar o genoma dos insetos para garantir que eles não possam transmitir os parasitas que causam essas doenças. A Fundação Gates está investindo dezenas de milhões de dólares em tecnologias para espalhar essas mudanças genômicas rapidamente através das populações de mosquitos.

Outros milhões estão sendo gastos para encontrar novas maneiras de combater a doença falciforme e o HIV em humanos. Gates disse que as técnicas agora em desenvolvimento podem saltar além do atual estado da arte para tratamentos imunológicos, que exigem a extração dispendiosa de células para engenharia genética, seguida pela reinfusão dessas células modificadas na esperança de que elas se consolidem.

Para a doença falciforme, "a visão é ter técnicas de edição genética in vivo, que você faça apenas uma única injeção usando vetores que visam e editam essas células formadoras de sangue que estão na medula óssea, com eficiência muito alta e muito poucas edições fora do alvo", disse Gates. Uma terapia in vivo semelhante poderia fornecer uma "cura funcional" para pacientes com HIV, disse ele.


Bill Gates mostra como o aumento do poder computacional disponível para a inteligência artificial está ultrapassando a Lei de Moore. (Foto GeekWire / Todd Bishop)

A rápida ascensão da inteligência artificial dá a Gates mais motivos para esperança. Ele observou que o poder computacional disponível para aplicações de IA tem dobrado a cada três meses e meio, em média, melhorando drasticamente a taxa de duplicação de dois anos para densidade de chips descrita pela Lei de Moore.

Um projeto está usando IA para procurar ligações entre nutrição materna e peso ao nascer do bebê. Outros projetos se concentram em medir o equilíbrio de diferentes tipos de micróbios no intestino humano, usando sequenciamento genético de alto rendimento. Acredita-se que o microbioma intestinal desempenhe um papel em problemas de saúde que vão desde problemas digestivos até doenças autoimunes e condições neurológicas.

"Esta é uma área que precisava dessas ferramentas de sequenciamento e do processamento de dados em alta escala, incluindo IA, para poder encontrar os padrões", disse Gates. "Há muita coisa acontecendo lá se você tivesse que fazer isso, digamos, com papel e lápis para entender os 100 trilhões de organismos e a grande quantidade de material genético lá. Esta é uma aplicação fantástica para a mais recente tecnologia de IA."

Da mesma forma, "órgãos em um chip" poderia acelerar o ritmo da pesquisa biomédica sem colocar em risco sujeitos experimentais humanos.


"Em termos simples, a tecnologia permite a modelagem in vitro de órgãos humanos de uma forma que imita como eles funcionam no corpo humano", disse Gates. "Há algum grau de simplificação. A maioria desses sistemas são sistemas de órgão único. Eles não reproduzem tudo, mas alguns dos elementos-chave que vemos lá, incluindo alguns dos estados de doença - por exemplo, com o intestino, o fígado, o rim. Isso nos permite entender a cinética e a atividade da droga."


Bill Gates explica como a tecnologia de acionamento de genes pode fazer com que as alterações genéticas se espalhem rapidamente nas populações de mosquitos. (Foto GeekWire / Todd Bishop)

A Fundação Gates apoiou uma série de projetos de organ-on-a-chip ao longo dos anos, incluindo um experimento que está usando organoides de linfonodos para avaliar a segurança e eficácia das vacinas. Pelo menos um empreendimento de organ-on-a-chip com sede na área de Seattle, a Nortis, tornou-se comercial graças em parte ao apoio de Gates.

A pesquisa em saúde de alta tecnologia tende a ter um alto custo, mas Gates argumenta que essas tecnologias acabarão reduzindo o custo da inovação biomédica.

Ele também argumenta que o financiamento de governos e organizações sem fins lucrativos terá que desempenhar um papel nos países mais pobres do mundo, onde aqueles que precisam de tecnologias médicas avançadas "essencialmente não têm voz no mercado".

"Se a solução do país rico não diminuir... então há essa coisa horrível onde isso pode nunca acontecer", disse Gates durante uma sessão de perguntas e respostas com Margaret Hamburg, que preside o conselho de administração da AAAS.

Mas se a aceleração das tecnologias médicas conseguir acontecer em todo o mundo, Gates insiste que isso pode ter repercussões em outros grandes desafios do mundo, incluindo a crescente desigualdade entre ricos e pobres.

"A doença não é apenas um sintoma de desigualdade", disse ele, "mas é uma grande causa".

Outras dicas da palestra de Gates:

Quando se trata de agricultura, as mudanças climáticas estão tornando os desafios enfrentados pelos agricultores nos países em desenvolvimento ainda mais agudos, disse Gates. Condições climáticas mais extremas podem trazer mais inundações, mais secas e mais pragas e doenças de plantas capazes de acabar com as plantações. Gates apontou para os esforços do CGIAR para desenvolver variedades mais resilientes de milho, arroz e outras culturas, e da Universidade de Cambridge para construir solos mais saudáveis. A Fundação Gates criou uma iniciativa chamada Gates Ag One para apoiar essas inovações.

Gates disse estar preocupado com duas tendências na distribuição de informações de saúde. "Uma delas é que a informação falsa é mais envolvente do que a informação verdadeira", disse. A polêmica sobre a falsa ligação entre vacinas e autismo serve de exemplo disso, segundo ele. "E então há essa noção geral de, ei, se os especialistas dizem algo, eles são de alguma forma tendenciosos ou ingênuos?", observou. "Isso é uma luta. Vamos passar por um ciclo em que não seja tão agudo como é hoje? Eu não sei. No momento, não se sente assim."

Gates disse que subscreveu a visão do psicólogo Steven Pinker de que o mundo está melhorando. "Apesar disso, há muito com o que se preocupar... não devemos perder de vista que o progresso tem sido absolutamente fenomenal", disse. "Muitas pessoas são literalmente a-históricas para pensar que, em um sentido significativo, há 20 anos ou 40 anos atrás, a vida era melhor. Simplesmente não é o caso. Sim, há problemas enormes, mas se você é mulher, se é gay, se estava sujeito a certas doenças, se vivia em países em desenvolvimento, 40 anos atrás era dramaticamente pior do que é hoje."

Artigo republicado do Yahoo News em 2020
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Uma pequena pausa antes de continuar


Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.