A Desconcertante Realidade: Dados do Reino Unido revela pandemia dos vacinados de 2021 a 2023

Analisando as chocantes 1 milhão de mortes vacinadas da Inglaterra em comparação com apenas 61 mil mortes não vacinadas

Coletividade EvolutivaCoronavírusA Desconcertante Realidade: Dados do Reino Unido revela pandemia dos vacinados de 2021 a 2023

A Desconcertante Realidade: Dados do Reino Unido revela pandemia dos Vacinados de 2021 a 2023

Em um cenário onde passaportes de vacina e status de imunização eram requisitos para exercer liberdades básicas, uma reviravolta chocante está sendo revelada pelos dados da Agência de Segurança da Saúde do Reino Unido (UKHSA). Contrariando as expectativas, a pandemia dos vacinados, de 2021 a 2023, está emergindo como uma narrativa sombria nos registros de mortalidade.

Segundo a Agência de Segurança da Saúde do Reino Unido, aproximadamente 61.000 mortes foram registradas entre os não vacinados, enquanto o grupo dos vacinados enfrentou um número assustador de cerca de um milhão de mortes durante o mesmo período. 

Esses dados, inicialmente chocantes, estão provocando uma reflexão profunda sobre o que se conhecia até agora sobre a suposta eficácia das vacinas. O Office for National Statistics (ONS) fornece um panorama detalhado por meio do conjunto de dados "Mortes por Status de Vacinação". 

Em julho de 2022, 18,9 milhões de pessoas no Reino Unido recusaram a primeira dose da vacina, e mais 2,6 milhões recusaram a segunda dose devido a problemas de saúde. Somando a recusa à terceira dose, chegamos a um total de 30,4 milhões de pessoas não totalmente vacinadas.

Surpreendentemente, a decisão de não se vacinar pareceu ser sábia para muitos. De janeiro a maio de 2023, os não vacinados representaram apenas cinco por cento das mortes por COVID-19, enquanto os vacinados, de maneira alarmante, respondiam por 95% de todas as mortes pela doença. 

Intrigantemente, a maioria das mortes entre os vacinados ocorreu em indivíduos que receberam quatro doses, representando 80% de todas as mortes por COVID-19 nesse grupo.

Nos Estados Unidos há uma tendência semelhante, cerca de 90% dos norte-americanos estão dizendo NÃO às vacinas COVID. Isso devido ao boca a boca de familiares umas com as outras relatando que seus parentes morreram ou tiveram algum dano grave após vacinação, relata o renomado DR. Peter:

Analisando o excesso de mortalidade de pessoas vacinadas


O conjunto de dados "Mortes por Status de Vacinação" do Office for National Statistics (ONS) é revelador. Em 3 de julho de 2022, 18,9 milhões de pessoas do Reino Unido recusaram a primeira dose da vacina contra a COVID-19. Outras 2,6 milhões de pessoas, com problemas de saúde com a primeira dose, recusaram a segunda dose da vacina contra a covid-19. 

Ao todo, foram 21,5 pessoas que não estavam "totalmente vacinadas", segundo a definição inicial em 2021. Quando a terceira dose foi introduzida, outras 8,9 milhões de pessoas que antes tomavam a segunda dose acabaram recusando a terceira. Com a introdução de cada novo reforço, a hesitação vacinal aumentou. Foram 30,4 milhões de pessoas não vacinadas após a terceira dose.

Cerca de 50% das pessoas elegíveis para três doses acabaram recusando as doses. Em julho de 2022, aproximadamente 30% da população da Inglaterra permanecia completamente não vacinada. Apesar de toda a manipulação, coerção e coação, esta acabou por ser a decisão mais sábia. 

Em janeiro de 2023, a coorte não vacinada estava mais bem adaptada para lidar com a covid-19. De janeiro a maio de 2023, os não vacinados representaram apenas cinco por cento das mortes por covid-19. A população vacinada como um todo foi responsável por 95% de todas as mortes por COVID-19!

A maioria das mortes entre os vacinados veio daqueles que foram vacinados quatro vezes. Os indivíduos que tomaram quatro injeções COVID-19 representaram 80% de todas as mortes COVID-19, e 83% de todas as mortes COVID-19 entre os vacinados.

A Persistência das Tendências Mortais para os Vacinados


Ao analisar as tendências ao longo do tempo, os dados revelam um quadro perturbador. 
Se essas estatísticas não fossem convincentes o suficiente, há dados ainda mais aterrorizantes retirados de vários períodos de tempo ao longo dos experimentos da vacina COVID-19. De 1º de julho de 2021 a 31 de maio de 2023, as mortes por todas as causas foram maiores para os vacinados do que para os não vacinados, em todas as faixas etárias. 

O mesmo ocorreu nos períodos de 1º de outubro a 31 de dezembro de 2021 e de 1º de janeiro a 31 de março de 2022. A tendência mortal para os vacinados continuou em todos os trimestres de 2022. Em meados de 2023, as tendências de mortalidade só pioram para os vacinados, e o quádruplo vacinado se saiu pior.

Essa tendência persistiu trimestre após trimestre, com o período de julho a setembro de 2022 revelando que os vacinados de 80 a 89 anos foram particularmente afetados, com 14.286 mortes registradas.

Essas estatísticas desafiadoras questionam a narrativa convencional sobre a eficácia das vacinas e levantam preocupações sérias sobre as consequências reais da vacinação em massa. À medida que os dados continuam a se acumular, crimes contra a humanidade são mencionados em meio à perplexidade gerada por essas descobertas.

A Reflexão Urgente


À luz dessas revelações, torna-se imperativo uma análise mais profunda e imparcial dos dados de mortalidade e dos protocolos de vacinação. As consequências dessas descobertas transcendem a esfera médica, lançando dúvidas significativas sobre as políticas de saúde pública e a confiança depositada nas estratégias de vacinação em larga escala.

O apelo à consciência crítica e à revisão transparente dos dados é essencial para que a sociedade possa tomar decisões informadas sobre sua saúde e bem-estar.  
A verdade, mesmo que desconfortável, deve ser buscada para garantir a integridade dos sistemas de saúde e a confiança do público.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Siga-nos: | | e | Nos Apoie: Doar

OBTENHA aqui o Extrato de Própolis Verde com essa combinação: Vitamina B, E, C, D3, A, Selênio e Zinco. Aumente suas defesas naturais! Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui. Fortalece o sistema imunológico, Poderosa ação antioxidante (antienvelhecimento), Atua contra o processo de inflamação do organismo - anti-inflamatório, Combate problemas de saúde ocasionados nas vias respiratórias e Tem poderosa ação antifúngica, antibiótica, acelerando a cicatrização
Fechar Menu
Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco, Imunidade e Proteção, Fortalvit, 60 Cápsulas

VER

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR