CDC e Vacinas COVID-19: relatórios sobre problemas cardíacos foram elaborados, mas não divulgados

O CDC elaborou um relatório alertando sobre a inflamação cardíaca causada pelas vacinas COVID-19, mas NUNCA o divulgou


CDC e Vacinas COVID-19: Revelações sobre problemas cardíacos foram elaborados mas não divulgados

Recentemente, documentos descobertos indicam que os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA estavam cientes dos problemas cardíacos relacionados às vacinas COVID-19 em 2021. No entanto, a divulgação dessas informações ao público foi limitada, isso nos mostra o poder terrorista dessa organização criminosa, financiada em grande parte pelo eugenista da humanidade Bill Gates.

"A aparente decisão do CDC de não emitir imediatamente um alerta formal aos médicos alertando-os sobre o aumento do risco de miocardite e pericardite em indivíduos vacinados não é apenas imperdoável, é imperícia", respondeu o senador americano Ron Johnson.

No início deste mês, o Epoch Times informou que obteve um e-mail interno do Dr. Demetre Daskalakis, diretor da Divisão de Prevenção do HIV/AIDS no Centro Nacional de Prevenção de HIV/AIDS, Hepatites Virais, DST e TB. O e-mail revelou a existência de um "rascunho de alerta sobre vacinas de miocardite e mRNA". Mas, embora uma cópia do alerta tenha sido anexada ao e-mail, ele foi muito redigido para ser lido.

Em 25 de janeiro, a Epoch publicou um acompanhamento de e-mails adicionais entre representantes da indústria de vacinas e a Dra. Sara Oliver, da Divisão de Doenças Virais do CDC.

"Queria ter certeza de que você estava ciente antes de qualquer coisa ser tornada pública", escreveu Oliver em 21 de maio de 2021. "Você pode estar ciente, mas houve preocupações com a miocardite observada em adolescentes e adultos jovens após o recebimento das vacinas de mRNA. Felizmente, os casos parecem relativamente leves, mas há preocupação de que precisamos conscientizar os provedores sobre essa questão. O CDC está discutindo opções de comunicação e podemos ter mais informações amanhã."

Quatro dias depois, ela escreveu que as autoridades estavam avaliando os "prós e contras de um alerta oficial do HAN", ou CDC Health Alert Network, que ela pensou ser provavelmente devido ao procedimento padrão, mas acrescentou que "as pessoas também não querem parecer alarmistas".

Embora tenha havido tentativas de alertar sobre a miocardite após a vacinação, a divulgação foi redigida de forma a dificultar a compreensão. Essa falta de clareza suscita preocupações sobre a transparência do CDC e sua abordagem em relação às preocupações sobre as vacinações e a saúde humana.

E-mails entre representantes da indústria de vacinas e a Dra. Sara Oliver, do CDC, revelam receios sobre a comunicação pública. Houve hesitação em emitir um alerta oficial do CDC, com preocupações sobre a percepção pública e o risco de parecerem alarmistas.

Avaliação dos Riscos pela FDA


A FDA respondeu afirmando que continua a trabalhar em colaboração com o CDC para monitorar os riscos de segurança das vacinas COVID-19. A agência destaca a importância de uma avaliação completa antes de divulgar informações de segurança relevantes ao público.
5. Preocupações Legítimas e Transparência

Críticos, incluindo o senador Ron Johnson, destacam a aparente falta de transparência do CDC. Argumentam que a decisão de não emitir imediatamente um alerta formal é imperdoável, exigindo mais transparência diante de preocupações legítimas sobre os riscos associados às vacinas.

Os dados do Sistema Federal de Notificação de Eventos Adversos de Vacinas (VAERS) indicam casos de miocardite e pericardite, mas críticos apontam para a subnotificação e desafios na verificação desses relatos. Há chamados para uma investigação mais aprofundada.

O Project Veritas esclareceu algumas das razões em um vídeo secreto de 2021, que foi feito no Phoenix Indian Medical Center, no Arizona. No vídeo, a médica do pronto-socorro Dra. Maria Gonzales lamentou que os casos de miocardite não sejam notificados "porque querem enfiá-la debaixo do tapete".

A enfermeira Deanna Paris também atestou ter visto "muitas" pessoas que "adoeceram dos efeitos colaterais" das vacinas contra a Covid-19. Ela ressaltou, no entanto, que "ninguém" está relatando essas lesões da vacina ao VAERS "porque leva mais de meia hora para escrever a maldita coisa".

Desde 2021, houve um salto maciço nas mortes relacionadas à vacina como o mundo nunca viu antes. O CDC afirma que isso é por excesso de notificação, mas todos e seu irmão que já antenaram as notícias verdadeiras sobre vacinas sabem que as lesões e mortes induzidas pela vacina relatadas ao VAERS são amplamente subnotificadas, em até 540%, e aí está o problema. Houve (e ainda há) mais eventos adversos relatados para as vacinas de mRNA Covid do que para TODAS as outras vacinas na história combinadas.

Suprimiram tratamentos eficazes para impor vacinação global


O CDC, a OMS e a FDA enterraram esses tratamentos conhecidos [Hidroxicloroquina, Ivermectina, cloroquina, entre outros], censuraram-nos, proibiram-nos e perseguiram os médicos que os prescreviam ou mesmo apenas os recomendavam. A ivermectina é 90% eficaz na mitigação da Covid e com quase zero eventos adversos ou efeitos colaterais. Vai entender. 

Depois, há a vitamina D e o zinco. Não se esqueça da hidroxicloroquina também. É por isso que as pessoas nunca foram adequados para a situação, então milhares de pessoas em todo o mundo receberam pelo menos uma vacina tóxica da proteína spike que foi 100% experimental, perigosa, insegura e nunca comprovadamente eficaz para tratamento, mas eficaz para matar silenciosamente.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.