Coletividade Evolutiva , Não, 2023 NÃO foi o ano mais quente de todos os tempos , Meio ambiente ,

Não, 2023 NÃO foi o ano mais quente de todos os tempos

Todos os principais meios de comunicação estão gritando em coro, o mundo está entrando em ebolição global.


Não, 2023 NÃO foi o ano mais quente de todos os tempos

Lá vamos nós de novo; o céu está oficialmente caindo. "O aquecimento global em 2023 atingiu 1,48 grau Celsius (...) como o ano mais quente já registrado impulsionou o mundo a apenas centésimos de grau de distância de um limiar climático crítico", grita a CNN.

Todos os principais meios de comunicação estão gritando em coro, citando o Copernicus - o Serviço de Mudanças Climáticas da União Europeia - que publicou um relatório na terça-feira. Ele alerta que a Terra está perigosamente perto de um limite de aquecimento estabelecido pelos signatários do Acordo de Paris das Nações Unidas.

O presidente Barack Obama enredou os Estados Unidos nesse acordo na Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas de 2015 (COP21). O presidente Trump anunciou a retirada dos Estados Unidos em 2017, mas o presidente Joe Biden voltou à briga em 2021.

O objetivo do acordo é "manter o aumento da temperatura média global bem abaixo de 2°C acima dos níveis pré-industriais" e prosseguir os esforços "para limitar o aumento da temperatura a 1,5°C acima dos níveis pré-industriais".

Ele não especifica exatamente o que acontecerá se ultrapassarmos esse limite. Apenas adverte ameaçadoramente que 2023 "abre um precedente terrível".

O New American gastou barris de tinta evidenciando a inanidade de tal alarmismo climático. Por exemplo, nosso Relatório Especial de 29 de janeiro de 2024 apresenta artigos dos editores seniores Alex Newman e Steve Bonta, que participaram da COP28 de novembro, a mais recente iteração das conferências Chicken Little das Nações Unidas. Além disso, inclui um diário fotográfico ilustrando que as condições atuais estão bem dentro dos limites da variação climática natural ao longo da história.

Também revelamos os truques estatísticos que os climatologistas usam para promover sua agenda nefasta. Vale a pena notar também a explicação lógica da Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço dos EUA (NASA) sobre as temperaturas mais quentes do que a média de 2023: "uma erupção vulcânica subaquática pouco divulgada, mas maciça, que ocorreu no Pacífico Sul no ano passado". Ele jogou uma quantidade sem precedentes de água na estratosfera. A agência prevê um efeito de aquecimento temporário que "se dissipará quando o vapor de água extra se dissipar".

Simplificando, não há mudanças climáticas catastróficas ou aquecimento global fora de controle. Qual é, então, o sentido da histeria? Vamos deixar que alarmistas encorajados respondam a essa pergunta.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, abriu a COP28 admitindo que eles estão literalmente dispostos a destruir a vida como a conhecemos. "O limite de 1,5 grau só é possível se, em última análise, pararmos de queimar todos os combustíveis fósseis. Não reduzir. Não abrandar", disse. E ele quer que isso aconteça ao longo de apenas alguns anos.

"Realmente não deveria haver mais usinas a carvão permitidas em qualquer lugar do mundo", criticou o czar do clima do presidente Joe Biden e ex-secretário de Estado dos EUA, John Kerry.

Ironicamente, o presidente da COP28, Sultan Ahmed Al Jaber - que também atua como enviado especial dos Emirados Árabes Unidos (EAU) para Mudanças Climáticas e é o presidente-executivo da empresa estatal de petróleo dos Emirados Árabes Unidos, ADNOC - foi pego contradizendo Guterres e Kerry poucos dias antes da conferência. 

"Não há ciência lá fora, ou nenhum cenário lá fora, que diga que a eliminação gradual do combustível fóssil é o que vai alcançar 1,5ºC", disse ele durante um evento online ao vivo chamado "SHE Changes Climate". "Por favor, me ajudem, me mostrem o roteiro para uma eliminação gradual do combustível fóssil que permitirá o desenvolvimento socioeconômico sustentável, a menos que você queira levar o mundo de volta às cavernas."

É lamentável que ele não tenha usado sua posição de liderança na COP28 para enfatizar esses pontos, mas ele estava certo. A eliminação do uso de combustíveis fósseis "é literalmente impossível e destruiria a vida de bilhões de pessoas que dependem" dele diariamente.

É o que escreve Christopher Talgo, da American Thinker, que descreveu a "retórica da COP28" como "aterrorizante". Ele observa que 80% da energia do mundo vem de combustíveis fósseis, enquanto a eólica responde por apenas 2,2% e a solar, por míseros 1,1%.

Isto significa que, se fôssemos seguir o apelo de Guterres para a eliminação dos combustíveis fósseis, o mundo pararia e a vida como a conhecemos não poderia continuar.

Um mundo sem combustíveis fósseis seria um lugar muito diferente, completamente irreconhecível em comparação com o que nos acostumamos. Viajar seria quase impossível. A fabricação seria severamente prejudicada. Nosso cotidiano seria virado de cabeça para baixo. As tecnologias e quase tudo o que dependemos para tornar a vida confortável desapareceriam em um instante. Simplificando, voltaríamos literalmente a uma existência pré-industrial.

A vida antes do advento dos combustíveis fósseis é quase inconcebível para aqueles de nós na era moderna. Nosso sistema de saúde seria devastado. Nossa expectativa média de vida despencaria. A pura sobrevivência estaria na ordem do dia.

Esse quadro é aterrorizante, de fato, e ilustra a suprema hipocrisia dos fanáticos pelo clima. "Vamos destruir a humanidade para salvar a Terra", parece ser o mantra deles. Obrigado, mas não obrigado. Qual é a solução? Tirem os EUA da ONU.

(Artigo de Rebecca Terrell republicado de TheNewAmerican.com)

Obtenha o Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco para melhor Imunidade e Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui


Siga-nos: | | e | Inscreva-se na nossa | Nos Apoie: Doar
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR