O golpe climático revelado pela COP28

A COP28: A eliminação gradual do carvão, petróleo e gás levaria o mundo "de volta às cavernas", afirma o sultão Al Jaber


O golpe climático revelado pela COP28
O golpe climático revelado pela COP28 - Artigo republicado -  por Peter Koenig

Para quem ainda não sabe, COP significa Conferência das Partes; 28 significa que é o 28ésimo Conferência das Partes, referente às Conferências das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, realizadas todos os anos no contexto da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC).

A atual COP28 é organizada pelos Emirados Árabes Unidos (EAU). Está a decorrer no Dubai de 30 de novembro a 12 de dezembro de 2023.

As COPs começaram com a (in)famosa Cúpula da Terra, em 1992, no Rio de Janeiro, Brasil. Foi quando começou o golpe de vários trilhões de dólares. Na verdade, o precursor dessa fraude é o relatório do Clube de Roma "Limites ao Crescimento", que continua sendo o modelo para grande parte da Agenda 2030 da ONU e do Grande Reset.

As COPs são um estelionato mundial que se estende por todos os 193 países membros da ONU, de forma semelhante ao golpe COVID que começou à meia-noite de 31 de dezembro de 2019 – e marcou o início da Agenda 2030 da ONU, conhecida como o Grande Reinício do WEF.

Caso você não saiba, o Fórum Econômico Mundial (WEF), uma mera ONG registrada em um subúrbio exuberante em Genebra, na Suíça, e o organismo mundial chamado Nações Unidas, firmaram um acordo em 2019, sob o qual suas agendas são emparelhadas e devem ser implementadas de mãos dadas.

A Agenda 2030 da ONU e o Great Reset do WEF são 2 em 1, um conjunto de planos monstruosos para reduzir massivamente a população mundial, robotizar e digitalizar os sobreviventes para controle total e usar a tecnologia multifacetada de geoengenharia artificial para induzir "mudanças climáticas".

Isso nos leva de volta ao tema em questão – um golpe de proporções inéditas, mantendo até hoje cerca de 90% da população mundial encantada e doutrinada por uma mentira monumental lançada sobre a humanidade para controle total e escravidão por uma pequena, totalmente doente, insanamente rica e poderosa elite do "Big Money".

O presidente da COP28 é o sultão dos Emirados Árabes Unidos Al Jaber, também CEO da Abu Dhabi National Oil Company (ADNOC), que é totalmente estatal dos Emirados Árabes Unidos. São os 12 do mundoésimo maior empresa de petróleo em produção. Em 2021, a empresa tinha uma capacidade de produção de petróleo superior a 4 milhões de bpd (barris por dia), com planos de aumentar para 5 milhões de bpd até 2030.


A entrada para a COP28 com as bandeiras de todas as nações (Licenciado sob CC BY-SA 4.0)

A COP28 UAE acontece de 30 de novembro a 12 de dezembro de 2023 na Expo City, em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.

Além disso, o sultão Al Jaber também é membro do Conselho Supremo de Abu Dhabi para Assuntos Financeiros e Econômicos. Ele é presidente do Emirates Development Bank e do conselho de curadores da Mohamed bin Zayed University of Artificial Intelligence.

A ADNOC se orgulha de tomar medidas transformadoras para tornar a energia de hoje mais limpa, enquanto investe em "energias limpas de amanhã".

Como sinônimo da consciência climática que antecede eventos como a COP28, poucas semanas antes do início da COP28, a ADNOC anunciou a adjudicação de contratos para um enorme projeto de produção de gás natural. A empresa investirá nos campos de gás offshore de Hail e Ghasha na costa dos Emirados. Os dois contratos valem um total de US$ 16,9 bilhões.

Uma joint venture entre a Abu Dhabi National Petroleum Construction Company (NPCC) e duas empresas italianas são responsáveis pela infraestrutura no continente. Tanto para o fanatismo climático oficial da Europa.

O plano é produzir quase 42,5 milhões de metros cúbicos de gás até 2030. O projeto é o primeiro no mundo que pretende ser "neutro para o clima", segundo a ADNOC.

Pergunta – o que é "neutro para o clima" ao produzir mais de 40 milhões de metros cúbicos de gás? A neutralidade climática é um mero slogan que foi injetado sob a pele das pessoas comuns, então elas não devem pensar mais. O pensamento foi feito para eles. "Clima Neutro" é igual a tudo é bom.

Convenhamos, o sultão Al Jabar não está levando a COP28 a eliminar gradualmente o uso de energia de hidrocarbonetos, como os loucos pelo clima podem sonhar. Claro que não.

Portanto, vamos dar a todos os fanáticos pelo clima – incluindo aqueles que se colam nas rodovias e nas pistas de aeroportos na Europa e nos EUA de A em protesto contra carros e aviões movidos a combustíveis fósseis – uma imagem do que a realidade lhes reserva.

Imagine que a COP28, praticamente como a COP27, realizada em Sharm El Sheikh, no Egito, em novembro de 2022, conta com a presença de cerca de 70 mil pessoas, ou "participantes". Milhares são de ONGs e empresas que estão usando o evento para networking. Cerca de 2.000 deles – talvez mais – são lobistas de empresas petrolíferas ou governos, ou corporações, dependendo dos combustíveis fósseis para suas economias, produção e para seu futuro.

Não estão a fazer lobby para eliminar progressivamente a fonte de energia mais importante do mundo. Cerca de 85% de toda a energia utilizada no mundo provém de hidrocarbonetos.

Esses lobistas estão em Dubai na COP28 para fazer acordos de petróleo e gás com fins lucrativos.

Imagem: Presidente da COP 28, Dr. Sultan Al Jaber: Discurso de Posse (Fonte)


Este ano mais do que nunca. E o sultão Al Jabar os conectará aos negociadores da ADNOC, bem como aos gerentes comerciais de outras grandes empresas de petróleo e gás presentes na COP28 – e anteriormente na COP27, e anteriormente na... bem, você tem a imagem.

Imagine, desde a cúpula da Terra, em 1992, no Rio, todos os anos o mesmo – só que maior – circo – enquanto o consumo de combustíveis fósseis aumenta.

Agora, como então, do consumo total de energia do mundo, cerca de 85% provém de combustíveis fósseis. Não houve mudança no uso de energia de hidrocarbonetos em 30 anos de promessas de "boas ações" e redução de temperatura e emissões de CO2 – e o que não é bobagem.

O número de lobistas e os negócios crescem – e o público em geral continua dormindo, e o número de participantes da COP cresce a cada ano.

Que nível de emissão de CO2 uma cúpula de 2 semanas com a presença de 70.000 pessoas, muitas delas figurões e grandes gastadores, geraria? Provavelmente milhares de toneladas – ou mais – de CO2.

Basta pensar no tráfego aéreo para os participantes, indo e voltando, muitos dos VIPs vêm em seus jatos particulares – não muito diferente dos figurões que vão às reuniões anuais do WEF em Davos.

Além disso, a comida e a bebida – produção, transporte, consumo, o conforto climatizado dos quartos de hotel dos participantes – e muito mais. Você entendeu.

Ou alguém se atreveu a calcular as emissões de CO2 das guerras e conflitos atualmente ativos, persistentes e intermináveis em todo o mundo? Impulsionado, é claro, pelas forças obscuras por trás da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), chamá-lo de Complexo Financeiro-Militar-TI-Media-Pharma (FMIMP)?

Falar sobre emissões de CO2 e outros "gases de efeito estufa" provenientes de guerras é um tema estritamente proibido para as COPs. Caso contrário, você pode colocar em risco o enorme conceito de lucro do Complexo FMIMP.

Afinal, eles dão as cartas e puxam as cordas na doutrinação e emburrecimento das pessoas para que acreditem nas mudanças climáticas – que são tão severas, diz-se, que afetam a vida na Terra no período de uma vida humana de cerca de 80 anos.

Com certeza, o clima muda o tempo todo. Mas, de longe, o principal motor das mudanças climáticas reais é o sol. Os movimentos solares são responsáveis por cerca de 97% do clima da Mãe Terra. Isso acontecia desde que a Terra existe.

Grandes mudanças climáticas podem ocorrer dentro de 20.000 a 30.000 anos com ciclos mais curtos entre eles, mas sempre em um ritmo, para que a vida na Terra possa se adaptar. Essa tem sido a história até agora, e a ciência real nos diz, essa história continua seu curso pelos previsíveis bilhões de anos que restam para a Mãe Terra.

Tome isso – ninguém presta a menor atenção ao CO2 e outros eventos geradores de "gases de efeito estufa" como esses GOPs e as guerras intermináveis impulsionadas pelo Ocidente. Mas o governo holandês planeja forçar o fechamento de até 3.000 fazendas, um terço das terras agrícolas holandesas a ficarem ociosas, por causa – literalmente – de vacas fartas e outras emissões de metano propenso à agricultura, supostamente afetando nosso clima.

A pequena Holanda, com apenas 42.000 km2 e cerca de 18 milhões de habitantes, é o segundo maior exportador de produtos agrícolas do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos. Poderia haver outra agenda de Bill Gates – miséria e morte por fome – por trás dessa empreitada ridícula?

Também vale a pena mencionar essa pequena anedota de zoom inocente há poucos dias, entre Mary Robinson, ex-presidente irlandesa, e Sultan Al Jaber, o chefe da COP28.

A Sra. Robinson diz ao Sultão:

"Estamos em uma crise absoluta que afeta particularmente mulheres e crianças (...) uma vez que ainda não nos comprometemos com a eliminação gradual dos combustíveis fósseis... Você, como presidente da COP28, poderia agora dizer com muita credibilidade como é o CEO da ADNOC.... "Devemos eliminar gradualmente os combustíveis fósseis e converter as economias mundiais em energias acessíveis, renováveis e limpas. Não vai acontecer da noite para o dia, mas é urgente. É isso que eu gostaria de ouvir, sua palavra "urgente"."

O sultão Al Jaber, com muita paciência, responde –

"Não há ciência por trás do que você está me pedindo para fazer, que é eliminar gradualmente os combustíveis fósseis, petróleo, gás, carvão... você está mentindo sobre isso e quer que eu minta sobre isso em seu nome".

O presidente da ADNOC acrescenta que a eliminação gradual do carvão, petróleo e gás levaria o mundo "de volta às cavernas". Veja vídeo 
A COP28 terminará como todas as COPs anteriores – sem conclusões firmes.


Os "acordos" da COP21 de Paris ainda não foram cumpridos; fala-se, mas não se cumpre. Os governos dos países continuarão pensando nos acordos de Paris, e considerando soluções, e as apresentarão e debaterão na próxima COP e na próxima...

______
_______________________

Artigo republicado -  por Peter Koenig é analista geopolítico e ex-economista sênior do Banco Mundial e da Organização Mundial da Saúde (OMS), onde trabalhou por mais de 30 anos em todo o mundo. Ele é autor de Implosão – Um Thriller Econômico sobre Guerra, Destruição Ambiental e Ganância Corporativa, e coautor do livro de Cynthia McKinney "When China Sneezes: From the Coronavirus Lockdown to the Global Politico-Economic Crisis" (Clarity Press – 1º de novembro de 2020).
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.