Coletividade Evolutiva , EUA: Congresso examina reformas e o impacto do tratado pandêmico da OMS na soberania , Coronavírus , Covid-19 , Pandemias , saúde ,

EUA: Congresso examina reformas e o impacto do tratado pandêmico da OMS na soberania

A ditadura sanitária que os globalistas que usam a OMS quer impor as nações do mundo pode conceder plenos poderes sobre as políticas nacionais


EUA: Congresso examina reformas da OMS e aborda preocupações de soberania em torno de tratado pandêmico
EUA: Congresso examina reformas da OMS e aborda preocupações de soberania em torno de tratado pandêmico - republicação: Life Site News

A OMS já enfrenta sérias reações de indivíduos e nações preocupados se o novo tratado lhe concederá poderes reforçados para controlar a política nacional em caso de futuras pandemias. A ditadura sanitária que os globalistas que usam a OMS quer impor as nações do mundo pode conceder plenos poderes sobre as políticas internas das nações e implementar imposições semelhantes a do partido Comunista Chinês.

A OMS já enfrenta sérias críticas daqueles preocupados se o novo tratado lhe concederá poderes reforçados para controlar a política nacional em caso de futuras pandemias. Como o LifeSiteNews noticiou anteriormente, a Estônia já rejeitou o tratado proposto e a Nova Zelândia está pisando no freio devido a preocupações com seus direitos nacionais. Políticos eslovacos também se manifestaram contra o tratado.

Nos Estados Unidos, um subcomitê da Câmara dos Representantes abordou na semana passada preocupações sobre a transparência da Organização Mundial da Saúde e sua aparente "parcialidade" para o Partido Comunista Chinês. 

Também abordou as preocupações contínuas sobre a preservação da soberania nacional no contexto do tratado global de pandemia da OMS e das regulamentações sanitárias propostas, embora o tratamento da questão pelo subcomitê tenha sido criticado por não ir longe o suficiente.

O deputado republicano Brad Wenstrup, de Ohio, presidente do Subcomitê Seleto sobre a Pandemia de Coronavírus, anunciou a audiência em um comunicado à imprensa em 6 de dezembro, argumentando que a OMS falhou em priorizar "honestidade, transparência e saúde dos cidadãos em todo o mundo" em sua resposta à pandemia de COVID-19, em vez de sucumbir à "influência indevida do Partido Comunista Chinês".

"Quando a OMS deveria estar conduzindo investigações independentes sobre as origens da COVID-19 e apresentando à comunidade global informações verificadas para ajudar a mantê-los seguros, vimos que eles ignoraram alguns fatos e papaguearam declarações que vieram do Partido Comunista Chinês", disse o deputado Wenstrup, de acordo com o The Defender.

Na audiência, os legisladores falaram sobre a prevenção da "próxima pandemia" e a potencial implementação de reformas dentro da OMS para garantir a preparação futura.

Discutindo propostas de emendas ao Regulamento Sanitário Internacional (RSI) da OMS, bem como o próximo acordo da OMS sobre a pandemia, que agora está em forma de rascunho, mas deve ser concluído para consideração na 77ª Assembleia Mundial da Saúde, em 2024, os congressistas disseram que quaisquer novos acordos com o órgão global devem respeitar a soberania nacional.

Como o LifeSiteNews relatou, os críticos do tratado e das emendas do RSI levantaram sérias preocupações sobre as disposições, incluindo o impacto dos controles de saúde pública globalizados na soberania de seus 194 países membros. 

No ano passado, o governador republicano da Flórida e candidato presidencial do Partido Republicano em 2024, Ron DeSantis, rejeitou o tratado proposto, argumentando que "elites" defenderam "políticas perniciosas" durante a pandemia de COVID-19 e que "não há como" a Flórida "apoiar" o acordo global. O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, argumentou que a oposição ao tratado é baseada em "desinformação" e que as preocupações com a perda de soberania nacional são "absurdas".

Durante a reunião do subcomitê de quarta-feira, Loyce Pace, secretária adjunta para assuntos globais do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA (HHS), elogiou o envolvimento dos Estados Unidos no processo ao lado da OMS.

Pace enfatizou a necessidade do "mais alto e melhor nível de prevenção, preparação e resposta", o que, segundo ele, foi "uma das razões pelas quais os EUA realmente assumiram um papel de liderança ao pedir as revisões do Regulamento Sanitário Internacional e introduziram as 13 ou poucas emendas originais".

Por sua vez, o deputado Wenstrup disse que as emendas e o tratado da OMS "não devem violar a soberania internacional e devem responsabilizar a China e outros", ao mesmo tempo em que garantem que "os interesses americanos sejam protegidos".

"Além disso, qualquer acordo ou tratado deve ser apresentado ao Congresso para aprovação", disse.

A deputada republicana de Iowa Marianette Miller-Meeks foi além, argumentando que os EUA não apenas "querem" respeito por sua soberania, mas "exigem" isso.

No entanto, Meeks não chegou a pedir que os EUA se retirassem da OMS, argumentando que "é vital que os Estados Unidos e outros países membros não deixem que maus atores sequestrem o processo de revisão".

As declarações feitas pelos legisladores receberam resistência de um especialista preocupado em preservar a liberdade médica após a pandemia de COVID-19 e o potencial para um futuro surto da doença.

Valerie Borek, diretora associada e analista-chefe de políticas da Stand for Health Freedom, argumentou que "todo o objetivo do processo" das emendas do RSI "é transformar opções 'não vinculativas' em obrigações".

Como o LifeSiteNews noticiou, rascunhos de documentos da OMS divulgados no início deste ano parecem reafirmar a soberania nacional durante pandemias. E a esquerdista Human Rights Watch disse (desaprovando) que o atual rascunho do tratado da pandemia diz que as regras da OMS estariam sujeitas às leis nacionais e que "as partes parecem ser meramente 'encorajadas' a 'adotar políticas, estratégias e/ou medidas', mas não a 'cumprir' 'leis' específicas".

No entanto, legisladores e outros preocupados em defender a liberdade pessoal argumentam que as regras da OMS ainda podem ceder importante autoridade de tomada de decisão à OMS não eleita, pedindo revisão do Congresso antes da adoção.

Nos comentários de Borek, ela disse que as emendas do RSI "poderiam mudar a natureza fundamental do documento, a relação dos EUA com outras nações, ditar gastos domésticos e formulação de políticas e potencialmente entrar em conflito com os poderes de polícia do Estado".

"Essas emendas devem ser vistas pelo Congresso antes que os EUA cheguem perto de adotá-las", disse ela.

Erik Kaliňák, conselheiro do recém-eleito primeiro-ministro eslovaco Robert Fico, disse que o tratado da OMS sobre a pandemia é "mais um dos esforços dos globalistas para enfraquecer o poder dos Estados-nação e transferir competências e poderes das mãos de políticos que respondem aos cidadãos para as mãos de funcionários eleitos por ninguém".

Artigo original: Congresso examina reformas da OMS e aborda preocupações de soberania em torno de tratado pandêmico - Republicado do: Life Site News

Obtenha o Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco para melhor Imunidade e Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui


Siga-nos: | | e | Inscreva-se na nossa | Nos Apoie: Doar
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR