Coletividade Evolutiva , Contaminação de DNA em vacinas COVID-19 excede os limites da OMS: Professor , Coronavírus , Covid-19 , Vacina , Vacinação ,

Contaminação de DNA em vacinas COVID-19 excede os limites da OMS: Professor

Contaminação de DNA em vacinas contra a COVID-19 excede os limites da OMS: Professor


Contaminação de DNA em vacinas COVID-19 excede os limites da OMS: Professor
Contaminação de DNA em vacinas contra a COVID-19 excede os limites da OMS: Professor - republicação: Epoch Times Brasil

Um professor alemão que analisou lotes da vacina contra a COVID-19 da Pfizer descobriu que estavam contaminados pela presença de DNA exógeno “bem acima” do limite aprovado.

Brigitte Konig, professora externa da faculdade de medicina da Universidade de Magdeburg, Alemanha, conduziu uma investigação sobre as vacinas contra a COVID-19 e descobriu que as doses apresentaram contaminação de DNA 83 a 354 vezes acima do limite prescrito pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Do meu ponto de vista, o resultado alarmante é que todos os cinco lotes continham DNA exógeno significativo, que está bem acima do limite”, disse ela num programa transmitido pela Estação de TV alemã MDR em 12 de dezembro.

A OMS determinou que a contaminação por DNA nas vacinas não deve exceder 10 nanogramas por dose. Além deste limite, existe o risco de o DNA exógeno penetrar nas células humanas.

As vacinas contra a COVID-19 analisadas foram fabricadas pela Pfizer-BioNTech. Cinco lotes foram entregues ao laboratório de Magdeburg pelo biólogo Jurgen Kirchner após suspeita de contaminação.

Kirchner salientou que quando é encontrada contaminação de DNA em uma vacina ao nível identificado na análise da Sra. Konig, a lei exige que o produto seja retirado do mercado.

Em e-mail enviado ao meio de comunicação, o pesquisador norte-americano Philip Buckhaults afirmou que não estava confirmado se o DNA exógeno causa danos aos seres humanos. No entanto, existe um risco teórico de dano genético, disse ele.

Buckhaults descobriu a presença de resíduos de DNA na vacina Pfizer e explicou as consequências dessa contaminação ao Senado da Carolina do Sul.

A responsabilidade pela vigilância e garantia da segurança das vacinas na Alemanha recai sobre o Instituto Paul Ehrlich.

Quando contactado pelo MDR e questionado se tinha testado as vacinas quanto à contaminação de DNA, o instituto respondeu que parâmetros como DNA residual nas vacinas só são testados pelo fabricante. O instituto não realiza tais testes.

A Sra. Konig expressou choque com esta revelação. “Eu esperava, ou presumia, que as autoridades verificassem pelo menos aleatoriamente o produto final quanto à contaminação e pureza. Dependendo do produto ou se houver algo mais dentro. Como eu disse, as autoridades podem fazer isso. Especialmente o Instituto Paul Ehrlich tem o equipamento para isso.”

O Ministério Federal da Saúde da Alemanha questionou a análise da Sra. Konig, notificando o Sr. Kirchner de que alguns dos lotes de vacinas testados já estavam vencidos.

No entanto, a Sra. Konig disse que o prazo de validade da vacina é irrelevante, uma vez que o DNA nas partículas lipídicas não se multiplica e é provável que se decomponha com o tempo. Isto significa que se a vacina não tivesse expirado, poderia ter sido detectada uma maior contaminação de DNA.

O MDR observou que a Pfizer produziu as vacinas utilizadas nos ensaios clínicos sem utilizar microrganismos no processo de fabricação. Apenas muito poucos indivíduos no estudo de autorização foram injetados com vacinas produzidas a partir de bactérias geneticamente modificadas.

Num comunicado à estação de televisão, a BioNTech insistiu que a sua vacina contra a COVID-19 não está contaminada com DNA e que os lotes de vacinas estão sujeitos a um controle de qualidade abrangente. Eles se recusaram a responder se o processo de fabricação da vacina havia sido alterado.

Enquanto isso, Konig analisou mais lotes de vacinas da Pfizer e também identificou DNA exógeno neles.

Vacinas contaminadas com DNA


Os seres humanos carregam DNA exógeno em seus corpos, que pode vir de bactérias que entram nos pulmões ou através dos alimentos. No entanto, esse DNA exógeno é digerido no intestino.

Contudo, o DNA presente nas vacinas de mRNA é diferente. As vacinas contêm nanopartículas lipídicas usadas para contrabandear mRNA para as células do corpo. Essas nanopartículas não diferenciam se transportam DNA ou mRNA.

Várias agências de saúde admitiram contaminação de DNA nas vacinas de mRNA contra a COVID-19. Em um e-mail para o Epoch Times em outubro, a Health Canada confirmou a presença da sequência de DNA SV40 na vacina Pfizer, que a empresa não divulgou anteriormente.

Em outro email ao Epoch Times, a Agência Europeia de Medicamentos também confirmou que a vacina da Pfizer contém a sequência SV40, que a parceira da empresa BioNTech não destacou na sua aplicação.

Uma porta-voz da Food and Drug Administration (FDA) dos EUA disse ao Epoch Times que “nenhuma preocupação de segurança relacionada à sequência ou quantidade de DNA residual foi identificada” nas vacinas contra a COVID-19.

“No que diz respeito às vacinas de mRNA aprovadas pela FDA, as evidências científicas disponíveis apoiam a conclusão de que são seguras e eficazes.”

Um profissional de saúde prepara uma dose da vacina Pfizer/BioNTech COVID-19 no Instituto Michener em Toronto em 14 de dezembro de 2020 (Carlos Osorio/AFP via Getty Images)

Em uma postagem no Substack de 11 de novembro, o Dr. Robert Malone, o inventor das vacinas de mRNA e DNA, criticou as agências reguladoras de saúde por sua atitude negligente em relação à contaminação de DNA nas vacinas.

“Também está claro neste ponto, salvo prova em contrário, que nenhuma destas autoridades reguladoras obteve dados de um ou mais estudos rigorosos e bem controlados concebidos para abordar os riscos de genotoxicidade e mutagénese insercional”, apresentados pelo mRNA das vacinas da Pfizer e Moderna contra a COVID-19, disse ele.

Até que esses dados sejam fornecidos, a alegação da FDA de que “não há preocupações de segurança” relacionadas ao DNA residual não “reflete com precisão o conhecimento atual”, disse o Dr. Malone.

“A única conclusão objetiva a ser feita a respeito de tais declarações é que elas representam funcionalmente propaganda, e não fatos científicos e regulatórios comprovados.”

Um estudo intitulado “Fragmentos de DNA detectados em vacinas monovalentes e bivalentes da Pfizer/BioNTech e Moderna de modRNA COVID-19 de Ontário, Canadá”, publicado em outubro, encontrou bilhões de partículas residuais de DNA em frascos de mRNA COVID-19. David Speicher, o autor do estudo, disse ao Epoch Times que a equipe mediu cópias de DNA de proteínas spike, ori e genes potenciadores de SV40 presentes em 27 frascos de vacina – 19 da Moderna e oito da Pfizer.

A proteína spike é a sequência de DNA da proteína spike do vírus COVID-19. Os genes potenciadores Ori e SV40 ajudam na replicação do DNA do pico. “As cargas de promotor-intensificador SV40, ori e pico de vírus na Pfizer chegam a 186 bilhões de cópias por dose”, disse Speicher.

David Wiseman, outro autor do estudo, disse em um e-mail ao Epoch Times que era necessária documentação para verificar os números declarados pela Sra. Konig, mas parecia “consistente” com o estudo.

A pesquisa descobriu que “todas as vacinas excedem as diretrizes para DNA residual estabelecidas pela FDA e pela OMS de 10 ng/dose em 188–509 vezes”.

“Nossas descobertas ampliam as preocupações existentes sobre a segurança das vacinas e questionam a relevância das diretrizes concebidas antes da introdução da transfecção eficiente usando LNPs (nanopartículas lipídicas)”, afirmou o estudo. A transfecção refere-se à introdução de DNA estranho nas células.

“Com várias limitações óbvias, pedimos que o nosso trabalho seja replicado em condições forenses e que as diretrizes sejam revistas para ter em conta a transfecção de DNA altamente eficiente e a dosagem cumulativa.”
Falhas da vacina

Em um editorial convidado de inverno de 2023 no Jornal de Médicos e Cirurgiões Americanos, Jane Orient escreveu que se a contaminação por DNA das vacinas contra a COVID-19 for tão alta e perigosa que atenda ao padrão de “adulteração”, conforme definido pela lei dos EUA, “a vacina pode estar sujeita a recall, apreensão, banimento, etc.”

“Além disso, provar inequivocamente a adulteração das vacinas pode permitir romper o escudo da imunidade legal contra a responsabilidade concedida aos fabricantes de vacinas contra a COVID-19.”

No depoimento prestado por Buckhaults no Senado da Carolina do Sul, ele afirmou que a contaminação do DNA nas vacinas pode causar efeitos colaterais graves, como parada cardíaca ou doenças autoimunes, observou a Dra. Orient.

No entanto, “não nos foram fornecidos os detalhes, e isso faz com que as interpretações pareçam especulativas e sem provas diretas apresentáveis”, escreveu ela.

“Embora seja biologicamente plausível que o DNA exógeno se integre no genoma humano, a frequência e a eficiência de tais eventos, especialmente para os pequenos fragmentos mencionados, não parecem estar bem estabelecidas até agora no contexto específico das vacinas de mRNA. Contudo, tais possibilidades não foram descartadas. Claramente, estamos no início de um caminho novo e inexplorado – não no seu fim.”

Orient destacou que as plataformas de vacinas de mRNA são “relativamente novas”, com processos de fabricação em grande escala “ainda mais inovadores”.

Ela observou que a Pfizer utilizou “um processo mais limpo e elegante” para produzir vacinas para ensaios clínicos. Mas para a produção em massa, a empresa utilizou “um método mais rudimentar, mas mais rápido e mais barato”.

“A questão da mudança no processo de fabricação que poderia resultar na contaminação do DNA que não estava presente nos materiais dos ensaios clínicos é preocupante, significativa e merece uma investigação mais aprofundada”, escreveu ela.

Buckhaults recomendou que as células-tronco de pessoas que sofrem reações adversas às vacinas contra a COVID-19 sejam sequenciadas por DNA para verificar a integração de DNA estranho. Orient apoiou a proposta, afirmando que tais pesquisas “precisam ser incentivadas”.

Artigo republicado: Contaminação de DNA em vacinas contra a COVID-19 excede os limites da OMS: Professor - Epoch Times 

Obtenha o Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco para melhor Imunidade e Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui


Siga-nos: | | e | Inscreva-se na nossa | Nos Apoie: Doar
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR