Os efeitos das micro-ondas pulsadas e ondas eletromagnéticas de baixa frequência no cérebro humano que manipula o sistema nervoso humano

Governos rotineiramente "classificam informações" relativas à manipulação do sistema nervoso humano


Os efeitos das micro-ondas pulsadas e ondas eletromagnéticas de baixa frequência extra no cérebro humano que manipula o sistema nervoso humano

No ano de 1962, o cientista americano Allan H. Frey realizou experimentos com micro-ondas pulsadas, que produziam sons de cliques, zumbidos, sibilos ou batidas na cabeça das pessoas a uma distância de até vários milhares de metros. 

Em seu relatório, ele também escreveu que, com a mudança de parâmetros, pode produzir sensação de alfinetes e agulhas ou percepção de golpes severos na cabeça e afirmou que essa energia "poderia ser usada como uma ferramenta para explorar a codificação do sistema nervoso (...) e para estimular o sistema nervoso sem os danos causados pelos eléctrodos" (ver isto).

Em outras palavras, Allan Frey estava no caminho para encontrar a maneira de manipular o sistema nervoso humano à distância. Isso foi rapidamente compreendido pelo governo dos EUA. Nas duas décadas seguintes, Frey, financiado pelo Escritório de Pesquisa Naval e pelo Exército dos EUA, foi o pesquisador mais ativo sobre os bioefeitos da radiação de micro-ondas no país. Frey fez com que os ratos se tornassem dóceis, expondo-os à radiação a um nível médio de potência de apenas 50 microwatts por centímetro quadrado. 

Ele alterou comportamentos específicos de ratos a 8 microwatts por centímetro quadrado. Ele alterou a frequência cardíaca de rãs vivas em 3 microwatts por centímetro quadrado. Com apenas 0,6 microwatts por centímetro quadrado, ele fez com que corações isolados de rãs parassem de bater ao cronometrar os pulsos de micro-ondas em um ponto preciso durante o ritmo do coração (veja isso e isso).

Em 1975, Allan Frey publicou sua pesquisa sobre a barreira hematoencefálica nos Anais da Academia de Ciências de Nova York, onde a barreira hematoencefálica (protegendo o cérebro do veneno que entra junto com o sangue) de ratos, iluminada por radiofrequência pulsada, permitia que o corante penetrasse em seus cérebros. Seus achados foram confirmados por 13 laboratórios diferentes em 6 países e com o uso de diferentes animais.

Em 2012, Allan H. Frey escreveu um artigo onde descreveu como a Força Aérea Americana de Brooks falsificou seu experimento selecionando um empreiteiro, que injetou o corante nos intestinos em vez de no sangue e, dessa forma, garantiu que o corante não aparecesse no cérebro. Isso deveria ajudar a Força Aérea dos EUA a obter a aprovação de pessoas para construir radares em suas proximidades. De acordo com Frey, a mesma Base Aérea de Brooks mais tarde tentou "desacreditar pesquisas não classificadas na área de micro-ondas" para cobrir "um programa de armas biométricas de micro-ondas".

Allan Frey concluiu: "o financiamento para pesquisa aberta de bio de micro-ondas nos Estados Unidos foi essencialmente encerrado". Aliás, o público em geral (em todo o mundo) não sabe nada sobre a possibilidade de controlar sua atividade cerebral à distância pelos efeitos das micro-ondas pulsadas em seu sistema nervoso até agora.

Em março de 2021, o cientista americano James C. Lin escreveu um artigo sobre a síndrome de Havana, onde escreveu que esse problema causado a diplomatas americanos e agentes do governo em Cuba e em outros lugares, muito provavelmente foi produzido por micro-ondas pulsadas.

Em 5 de dezembro de 2020, a Academia de Ciências dos EUA publicou um estudo sobre a síndrome de Havana, onde afirmou:

"No geral, a energia de RF (radiofrequência) pulsada direcionada, especialmente naqueles com as distintas manifestações iniciais, parece ser o mecanismo mais plausível para explicar esses casos entre aqueles que o comitê considerou."

Mas em 2 de março de 2023 a televisão americana CNN publicou um artigo sobre o relatório das 7 agências de inteligência dos EUA. Disse que "não há evidências confiáveis de que um adversário estrangeiro tenha uma arma ou dispositivo de coleta capaz de causar os misteriosos incidentes" (síndrome de Havana). Dessa forma, as agências de inteligência dos EUA tentaram negar a validade do relatório científico da Academia de Ciências dos EUA e esconder do público mundial o fato de que micro-ondas pulsadas podem ser usadas para atacar suas mentes.

Há um grande corpo de experimentos científicos provando que frequências extrabaixas de radiação eletromagnética podem produzir efeitos no sistema nervoso humano. O que é comum às micro-ondas e ondas eletromagnéticas extralongas é que ambas carregam campos elétricos e magnéticos. Os neurônios estão cheios de íons e esse eletrólito pode facilmente funcionar como uma antena, na qual as ondas eletromagnéticas produzirão correntes elétricas, que são partes esetiais dos impulsos nervosos no cérebro.

Na Conferência Internacional sobre Eletrodinâmica Não Linear em Sistemas Biológicos em 1983, promovida, entre outros, pelo Escritório de Pesquisa Científica da Força Aérea dos EUA e pelo Escritório de Pesquisa Naval, Friedeman Kaiser, do Instituto de Física Teórica da Universidade de Stuttgart, lecionou sobre os efeitos de frequências extrabaixas de ondas eletromagnéticas no sistema nervoso humano ou "extrema alta sensibilidade de certos sistemas biológicos a sinais eletromagnéticos muito fracos". Ele afirmou:

"No modelo de ondas cerebrais... O estímulo externo pode servir apenas como gatilho para iniciar um sinal de resposta interna... O sistema obedece a unidade externa, oscila com a frequência externa... a lenta unidade externa leva a uma modulação crescente da amplitude com a frequência externa."

Ele chamou esse fenômeno de "arrastamento" e sugeriu que "excitações dos tipos propostos poderiam levar a mudanças no comportamento e na função dos biossistemas" (pg. 394). Não há melhor explicação para a palestra de Friedman Kaiser do que que as frequências eletromagnéticas ELF produzem correntes elétricas no eletrólito dentro do tecido nervoso. No discurso de encerramento dessa conferência, Samuel Koslov, uma das principais personalidades do projeto de controle mental Pandora, da Marinha Americana, declarou:

"Se muito do que ouvimos está de fato correto, talvez não seja menos significativo para a nação do que as perspectivas que a comunidade física enfrentava em 1939, quando a fissionabilidade prevista há muito tempo do núcleo foi realmente demonstrada. Você deve se lembrar da famosa carta de Albert Einstein ao Presidente Roosvelt. Quando estivermos em condições de fazê-lo em termos de nossas provas, proponho que seja necessária uma carta análoga" (pg. 596).

Já em 1980, John B. Alexander, ex-diretor do Laboratório Nacional de Los Alamos dos EUA, em seu artigo na Military Review sobre controle remoto da atividade do cérebro humano, escreveu:

"Quem fizer o primeiro grande avanço neste campo terá uma vantagem quântica sobre seu oponente, uma vantagem semelhante à posse exclusiva de armas nucleares."

Em 2014, cientistas chineses publicaram os resultados de um experimento em que buscaram a condutividade de micro-ondas de soluções eletrolíticas. Na introdução, eles destacaram que seu experimento "desempenha um papel importante na investigação da interação entre ondas eletromagnéticas e tecidos biológicos que têm alto teor de água e uma concentração significativa de íons". Para o experimento, eles usaram uma solução de sal. A fórmula química do sal é NaCl. Isso significa que contém átomos de sódio e cloreto. 

Os íons de ambos os átomos desempenham um papel importante no disparo de células nervosas. A experiência provou que este eletrólito é condutor para micro-ondas até à frequência de 20 GHz (ver isto). É altamente razoável esperar que, se essas micro-ondas forem pulsadas nas frequências das frequências de atividade dos neurônios no cérebro, elas serão "arrastadas" para oscilar com essas frequências.

A organização MCS America, que luta contra a poluição, confirma essa conclusão em seu estudo sobre Sensibilidade a Campos Eletromagnéticos. O estudo afirma:

"O corpo pode coletar o sinal e transformá-lo em correntes elétricas, assim como a antena de um aparelho de rádio ou de um celular. Essas correntes são transportadas por íons... fluindo através dos tecidos vivos e nos vasos sanguíneos (um sistema de tubos cheios de um fluido salgado condutor de eletricidade que conecta quase todas as partes do corpo) quando essas correntes colidem com as membranas celulares, que normalmente são eletricamente carregadas, elas tentam vibrar no tempo com a corrente" (observemos que um neurônio também é uma célula).

A veracidade dessas "especulações" ou "teorias da conspiração" é confirmada pelo experimento, onde 20 voluntários foram expostos aos pulsos de 217 Hz usados na telefonia de celulares e nas gravações de seus eletroencefalogramas foram encontrados potenciais evocados (ou simplesmente correntes elétricas na frequência) de 217 Hz (veja este) ou outro, onde micro-ondas de telefone celular pulsadas em 11 a 15 Hz produziram alterações no EEG durante o sono em 30 voluntários (veja isso). Além disso, os cientistas australianos descobriram que:

"Não só os sinais do telefone celular podiam alterar o comportamento de uma pessoa durante a chamada, os efeitos dos padrões de ondas cerebrais interrompidos continuaram muito depois que o telefone foi desligado (veja isso)."

Para completar essas informações é necessário dizer que o sistema nervoso funciona digitalmente e as ações nervosas diferem pela frequência e número de impulsos nervosos em que grande número de neurônios sincronizam sua ação. Desta forma, a atividade do cérebro humano pode ser completamente controlada, incluindo os pensamentos. 

Robert Becker, que foi duas vezes indicado ao Prêmio Nobel por sua pesquisa sobre potenciais elétricos em organismos, publicou em 1985 um livro "Body Electric", onde citou o experimento, que foi lançado voluntariamente com base na Lei de Liberdade de Informação. O autor do experimento J. F. Schapitz afirmou:

"Nesta investigação, será mostrado que a palavra falada do hipnotizador também pode ser transmitida por energia eletromagnética modulada diretamente para as partes subconscientes do cérebro humano – ou seja, sem empregar quaisquer dispositivos técnicos para receber ou transcodificar as mensagens e sem que a pessoa exposta a tal influência tenha a chance de controlar a entrada de informações conscientemente."

Em um dos quatro experimentos, os sujeitos deveriam ter recebido um teste de cem questões, variando de fáceis a técnicas. Mais tarde, sem saber que estavam sendo irradiados, seriam submetidos a feixes de informações sugerindo as respostas às perguntas que haviam deixado em branco, amnésia por algumas de suas respostas corretas e falsificação de memória de suas respostas corretas. 

Depois de 2 semanas, eles tiveram que passar no teste novamente. Os resultados desses experimentos nunca foram publicados. Mas evidentemente já nessa época os serviços secretos estavam trabalhando em tecnologias como impor pensamentos aos seres humanos com o uso de micro-ondas pulsadas para transmitir ao cérebro humano a fala humana em frequências de ultrassom, que o cérebro percebe, mas o ser humano não percebe isso já que não está ouvindo a fala.

Para os governos, não é difícil pulsar os sinais do telefone celular nas frequências cerebrais e, dessa forma, manipular os pensamentos de seus próprios cidadãos ou de cidadãos estrangeiros. A diferença entre micro-ondas pulsadas e ondas eletromagnéticas extralongas é que as micro-ondas pulsadas podem ser direcionadas a uma pessoa (ou a toda a nação se os sinais de telefone celular forem pulsados em frequências cerebrais), enquanto ondas eletromagnéticas extralongas, transmitidas em frequências cerebrais, com seu comprimento de até 300 mil quilômetros chegarão a cérebros em grandes áreas. 

Com certeza, até agora as legislações em todo o mundo (exceto o Chile e o Brasil) não proíbem tais ações aos governos ou a qualquer outra pessoa sobre cérebros humanos (por exemplo, Elon Musk está construindo um sistema de 20.000 satélites em todo o planeta e trabalhando em pesquisas de neuralink ao mesmo tempo).

Neurotecnólogos de todo o mundo, que não se atrevem a divulgar as informações de segurança nacional que tiveram que assinar, antes de iniciar pesquisas na área, pedem a criação de legislações que protejam as pessoas contra tais manipulações de suas mentes (veja isso).

A proposta de tal legislação apresentada à União Europeia, assinada por 11 organizações mundiais, pode ser encontrada no endereço (ver aqui).

________________________________________-
Artigo por: Mojmir Babacek nasceu em 1947 em Praga, República Tcheca. Formou-se em 1972 na Universidade Charles de Praga em filosofia e economia política. Em 1978 assinou o documento de defesa dos direitos humanos na Tchecoslováquia comunista "Carta 77". Desde 1981 até 1988 viveu na emigração nos EUA. Desde 1996 ele tem publicado artigos sobre diferentes assuntos, principalmente na mídia alternativa tcheca e internacional.

Em 2010, publicou um livro sobre os atentados de 9/11 em tcheco. Desde a década de 1990, ele tem se esforçado para ajudar a alcançar a proibição internacional do controle remoto da atividade do sistema nervoso humano e das mentes humanas com o uso da neurotecnologia.

A fonte original deste artigo é Global Research
Direitos autorais © Mojmir Babacek, Global Research, 2023
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Fechar Menu