Colapso: A disparada da dívida global e o Grande Reset Global do WEF - tire seu dinheiro dos bancos antes que seja levado

A disparada da dívida global prepara o terreno para uma crise financeira cataclísmica


Colapso: A disparada da dívida global e o Grande Reset Global do WEF - tire seu dinheiro dos bancos antes que seja levado

O mundo acumulou níveis recordes de endividamento, e crescem as preocupações sobre a capacidade da economia global de continuar diante das altas taxas de juros. Isso é exatamente que o Fórum Econômico Mundial (WEF) quer, para implementar seu grande reset/ reconfiguração, financeiro, onde será um tipo de moeda digital global que oligarcas controlará a todos e não haverá privacidade ou como acumular renda - retire seu dinheiro dos bancos antes que seja levado.

Políticas de dinheiro fácil nos últimos anos que forneceram incentivos para tomar dinheiro emprestado na esperança de estimular a economia levaram a níveis recordes de endividamento. Embora isso possa ter sido um desenvolvimento positivo quando as taxas de juros eram muito baixas, os bancos centrais aumentaram drasticamente as taxas de juros desde então para lidar com a inflação de preços, e agora o mundo está sentindo os efeitos.

Projeções do Fundo Monetário Internacional indicam que a dívida pública global chegará a US$ 97,1 trilhões este ano, o que representa um aumento de 40% desde 2019.

Além disso, eles projetam que a dívida pública mundial ultrapassará 100% do PIB global até 2028. Esse nível de dívida global em relação ao PIB não era visto desde o auge dos lockdowns durante a pandemia de COVID-19.

Quando divididos por país, os EUA respondem por 34,21% do total da dívida pública global. A China representa 15,13% da dívida global, com grande parte de sua dívida sendo emitida por governos locais para cobrir projetos de infraestrutura. O Japão não fica muito atrás, com 11,12%. A relação dívida/PIB do país cresceu nos últimos anos e chegou a 255%. Países como Índia, Itália, Reino Unido, França e Alemanha estão na faixa de 3% a 4%.

A dívida pública bruta do Brasil atingiu 74,4% do PIB em setembro de 2023, superando a expectativa de 74,3%. O rombo primário do setor público consolidado também ficou acima do esperado, chegando a R$ 18,07 bilhões. Por outro lado, a dívida líquida ficou em 60%, abaixo da expectativa de 60,2%. De acordo com as novas regras fiscais sancionadas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva no fim de agosto, a meta para 2023 é de déficit primário de 0,5% do PIB. No acumulado de janeiro a setembro, as contas públicas registraram déficit primário de R$ 97,08 bilhões. 

O Falso presidente Lula já insinua confiscar ativos:


Esse resultado vai na contramão das promessas de redução da dívida feitas pelo governo.


Infelizmente, é improvável que essa situação melhore se os governos não controlarem seus gastos – e quem sabe alguma coisa sobre governo sabe que quase não há chance de qualquer tipo de redução significativa dos gastos do governo ocorrer. Aumentar impostos é outra opção, mas viria com seu próprio conjunto de problemas. Com as taxas de juros persistindo em seus atuais níveis altos, a espiral da dívida só vai crescer.

As tensões geopolíticas que estão sendo vistas atualmente em todo o mundo também terão uma grande influência sobre a dívida, especialmente porque os EUA, que já estão em apuros, continuam a dar esmolas a lugares como Ucrânia e Israel para combater suas guerras.

Economistas alertam que mudanças são necessárias para evitar crise


O ex-economista-chefe do Banco Central Europeu, Peter Praet, acredita que as perspectivas de longo prazo são preocupantes. Ele disse à Reuters: "Você pode pegar muitos, muitos países hoje, e verá que não estamos longe de uma crise de finanças públicas".

"Se você tem um acidente, ou uma combinação de eventos, então você entra em um tipo de processo dinâmico não linear adverso. Isso é algo que é uma possibilidade real", acrescentou. 

Muitos economistas acreditam que não tomar medidas agora para conter o problema impedirá os governos de lidar com choques futuros. O economista-chefe do LBBW, Moritz Kraemer, alertou: "Se continuarmos como temos agora, veremos uma crise na próxima década".

O golpe perfeito do WEF: Colapsar as economias das nações para implementar o reset global


Klaus Schwab já havia se gabado de ter instalado agentes do WEF nos altos escalões dos governos do mundo para fazer sua licitação. Em um vídeo de 2017, Schwab é visto se gabando orgulhosamente diante das câmeras sobre como ele "penetra nos gabinetes" da maioria dos principais governos mundiais - portanto, meus caros leitores, a onda dos governantes que segue a agenda do WEF é colapsar a economia da nação, para a reconstrução/reset / reconfiguração nos moldes do WEF - controle.

O golpe global do WEF fará com que cidadãos de todo o mundo sejam despojados de suas liberdades, privacidade e todos os bens para "o bem comum". Só para contexto, Klaus Schwab instruiu os chefes de governos – quase todos oriundos do programa Jovens Líderes Globais para o Amanhã do Fórum Econômico Mundial – sobre os passos futuros a serem dados com vistas ao estabelecimento de um governo mundial.

A ameaça é iminente e grave, uma vez que o Fórum Econômico Mundial é capaz de realizar seu projeto subversivo e aqueles que governam as nações tornaram-se escravizados ou chantageados por essa máfia internacional.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.