Pesquisa revela sintomas crônicos perturbadores após vacinação COVID-19

O estudo da Universidade de Yale concentrou-se em pessoas com sintomas auto-relatados.


Estudo revela sintomas crônicos mais comuns após vacinação contra COVID-19
Estudo revela sintomas crônicos mais comuns após vacinação contra COVID-19 - republicação: Epoch Times

Um novo estudo 
financiado em parte pelos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA (NIH, na sigla em inglês), revela alguns dos sintomas crônicos agora considerados mais comuns entre pessoas que começaram a experimentar problemas após receber uma vacina contra a COVID-19.

Os sintomas perturbadores iniciais agora são considerados mais comuns, foi intolerância ao exercício, fadiga excessiva, dormência, confusão mental e neuropatia, conforme relatado pelos pesquisadores no artigo - [o que mais parece doença injetada.]

Insônia, palpitações, mialgia, zumbido nos ouvidos, dor de cabeça, sensações de queimação e tontura também foram experimentados por pelo menos metade dos participantes do estudo, que foi financiado em parte pelos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA (NIH, na sigla em inglês).

Os participantes relataram uma mediana de 22 sintomas, com um máximo de 35.


O estudo se concentrou em pessoas “que relatam uma condição crônica grave e debilitante após a vacinação contra a COVID-19” que “começou logo após a vacinação contra a COVID-19 e persistiu em muitas pessoas por um ano ou mais”, afirmaram os pesquisadores.

O estudo foi liderado pelo Dr. Harlan Krumholz, do Departamento de Medicina Interna da Escola de Medicina de Yale, e Yilun Wu, do Departamento de Bioestatística da Escola de Saúde Pública de Yale.

Foi publicado em 10 de novembro como um pré-print antes da revisão por pares.

Métodos

O artigo é parte da pesquisa Listen to Immune, Symptom and Treatment Experiences Now (LISTEN) da Yale, que examina tanto a chamada COVID longa quanto os eventos adversos pós-vacina. Os pesquisadores começaram a recrutar participantes em maio de 2022. Os participantes preencheram uma pesquisa, e os pesquisadores tiveram acesso aos seus prontuários médicos.

O estudo incluiu adultos que relataram problemas pós-vacinação de maio de 2022 a julho de 2023. Os 388 que também relataram a chamada COVID longa, ou sintomas persistentes após a infecção por COVID-19, foram excluídos. Outras 146 pessoas que não preencheram completamente a pesquisa também foram deixadas de fora.

A idade mediana dos participantes era de 46 anos, e 80% eram mulheres. Aproximadamente 88% viviam nos Estados Unidos.

O design do estudo significa que não se pode confirmar a causalidade, afirmaram os pesquisadores. Embora reconheçam que os sintomas crônicos podem ser causados pelas vacinas, alegam que também podem ser não relacionados e ter ocorrido por acaso, mas também afirmam que o agrupamento de sintomas logo após a vacinação “sugere uma relação potencial”.

Efeitos colaterais conhecidos das vacinas incluem inflamação cardíaca, choque alérgico grave e síndrome de Guillain-Barré.

Outros problemas foram ligados às vacinas por alguns, mas não são reconhecidos tão amplamente quanto os efeitos colaterais confirmados.

Os sintomas podem ser bastante dolorosos. Os participantes relataram uma mediana de 80 em uma escala de 100 ao serem questionados sobre a gravidade de seus sintomas em seus piores dias.

Influência persistente


Na semana anterior ao preenchimento da pesquisa, 93% dos participantes afirmaram ter sentido desconforto pelo menos uma vez.

Mais de oito em cada 10 relataram sentir medo, e 81% afirmaram sentir-se sobrecarregados por preocupações.

Sentimentos de impotência, depressão, desesperança e falta de valor também foram comumente relatados.

Quase todo o grupo disse sentir-se exausto, e 91% afirmaram sofrer de problemas de sono.

Por outro lado, metade dos participantes relatou estar em boa, muito boa ou excelente condição. Ainda assim, o restante relatou condição regular, ruim ou desconhecida.

Os sintomas começaram para muitas pessoas logo após a vacinação. O tempo médio de início dos sintomas foi de três dias. 77% das pessoas experimentaram os sintomas após a primeira ou segunda dose.

O estudo seguiu um artigo escrito pelo NIH que detalhou 23 pessoas que experimentaram sintomas persistentes após a vacinação contra a COVID-19.

Vários participantes do novo estudo receberam novos diagnósticos após receber a vacina, incluindo ansiedade, condições neurológicas, problemas gastrointestinais e síndrome de taquicardia postural ortostática.

Problemas pré-pandemia


Quase metade dos participantes tinha alergias antes da pandemia, de acordo com o estudo. Aproximadamente três quartos dos participantes tinham pelo menos uma comorbidade, como alergias.

Além das alergias, as comorbidades mais comuns foram problemas gastrointestinais, com refluxo ácido como exemplo; distúrbios de ansiedade; distúrbios depressivos; e asma.

Artrite, uma doença autoimune, colesterol alto, hipertensão ou pressão arterial elevada e enxaquecas também foram relatados por mais de duas dezenas de pessoas.

Tratamentos tentados


Muitos participantes tentaram vários tratamentos para seus sintomas. Quase todos tentaram probióticos, que ajudam a impulsionar as bactérias benéficas no corpo.

Vitaminas e suplementos também foram frequentemente utilizados, com as vitaminas B12, C e D e ibuprofeno sendo os mais populares.

Medicamentos anti-inflamatórios, incluindo ibuprofeno, foram usados pela maioria dos participantes.

Corticosteroides orais, como a dexametasona, foram usados por cerca da metade do grupo.

Mudanças no estilo de vida também foram comuns, com 51% limitando o exercício ou esforço, 44% reduzindo álcool ou cafeína e 44% aumentando ou diminuindo o consumo de sal. Outros aproximadamente quatro em cada 10 mudaram a dieta.

Artigo republicado do: Epoch Times
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Uma pequena pausa antes de continuar


Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.