Coma insetos para salvar o planeta: Nações Unidas pretende recomendar limites ao consumo de carne no "plano Net Zero" dos alimentos

Espera-se que a (FAO) lance sua orientação alimentar para países do primeiro mundo em um esforço para reduzir as emissões de carbono.


Coma insetos para salvar o planeta: Nações Unidas dizem a países do primeiro mundo para limitar o consumo de carne no primeiro "plano Net Zero" dos alimentos

Coma insetos para salvar o planeta é o que muitos agora estão promovendo. Os fanáticos das mudanças climáticas (comunistas) não querem apenas remover o direito a propriedades privadas e veículos movidos a constituível, eles querem destruir a pecuária e a indústria agrícola sob o pretexto de reduzir as emissões de carbono com um "plano net zero".

Os globalistas e aberrações da mídia de esquerda estão tentando convencer as pessoas a comer insetos. Comer insetos é degradante e é por isso que os elitistas os estão empurrando como uma fonte "sustentável" de proteína para os camponeses.

Os globalistas estão pressionando para que os plebeus comam insetos, ervas daninhas e "carne" sintética porque os insetos "consomem menos recursos do que o gado tradicional"

Espera-se que a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) lance sua orientação alimentar para países do primeiro mundo em um esforço para reduzir as emissões de carbono.

A mensagem para os países "ricos"? Consuma menos carne. O novo sistema alimentar deve ser revelado na cúpula COP28, no próximo mês, em Dubai.

"As nações que consomem carne em excesso serão aconselhadas a limitar sua ingestão, enquanto os países em desenvolvimento - onde o subconsumo de carne aumenta um desafio nutricional prevalente - precisarão melhorar sua criação de gado, de acordo com a FAO." Informou a Bloomberg.

Trecho da Bloomberg:

As nações mais desenvolvidas do mundo serão instruídas a reduzir seu apetite excessivo por carne como parte do primeiro plano abrangente para alinhar a indústria agroalimentar global com o acordo climático de Paris.

O roteiro global dos sistemas alimentares para 1,5ºC deve ser publicado pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura durante a cúpula COP28 no próximo mês. As nações que consomem carne em excesso serão aconselhadas a limitar sua ingestão, enquanto os países em desenvolvimento - onde o subconsumo de carne aumenta um desafio nutricional prevalente - precisarão melhorar sua pecuária, de acordo com a FAO.

O americano médio consome cerca de 127 quilos de carne por ano, em comparação com 7 quilos na Nigéria e apenas 3 quilos na República Democrática do Congo, de acordo com os dados da FAO. A Comissão Eat-Lancet recomenda que as pessoas consumam no máximo 15,7 quilos de carne por ano.

A agência da ONU, com sede em Roma, encarregada de melhorar o setor agrícola e a nutrição, busca encontrar um equilíbrio entre a transição climática e garantir a segurança alimentar da crescente população global. Assim, além de pedir menos consumo de carne para os mais bem alimentados do mundo, o plano também incentivaria os agricultores dos países em desenvolvimento a aumentar a produtividade de seus rebanhos e fornecer de forma mais sustentável.


O Fórum Económico Mundial promoveu recentemente o novo plano da UE para utilizar larvas de farinha nos alimentos na sua tentativa de reduzir o consumo de carne.

"A pecuária em todo o mundo é responsável por cerca de 14,5% de todas as emissões de gases de efeito estufa relacionadas à atividade humana. A necessidade de terra – seja para pastorear animais ou cultivar culturas para alimentar animais – é "o maior impulsionador do desmatamento, com grandes consequências para a perda de biodiversidade", diz o documento. Referência: The Gateway Pundit
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico



Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.