Mulheres abandonam torneio de Jiu-Jitsu após serem obrigadas a lutar contra homens transfigurados de mulher

Ansleigh Wilk e Jayden Alexander tiveram que competir contra um homem em um torneio de jiu-jitsu em julho de 2023.


Ansleigh Wilk e Jayden Alexander tiveram que competir contra um homem em um torneio de jiu-jitsu em julho de 2023. (Cortesia da Sra. Wilk e Sra. Alexander)
Ansleigh Wilk e Jayden Alexander tiveram que competir contra um homem em um torneio de jiu-jitsu em julho de 2023. (Cortesia da Sra. Wilk e Sra. Alexander) - Epoch Times

Categorias femininas inteiras em uma grande associação de Luta foram assumidas por homens que se dizem "mulheres" transgêneros. Os transfigurados de mulher estão tomando os direitos das mulheres reais e, portanto, a única coisa que um homem tem que fazer para competir com as mulheres é "se identificar" transgênero - LGBTQ+

A (Associação Norte-Americana de Grappling) (NAGA), a maior associação de Luta do mundo que facilita padrões e torneios em várias artes marciais, como o Jiu-Jitsu Brasileiro, permitiu a entrada de uma série de competidoras "trans", incluindo Corissa Griffith, um homem biológico que levou para casa quatro medalhas de ouro na categoria feminina em um torneio na Geórgia em 21 de outubro.

Desde a sua criação em 1995, a NAGA fornece categorias de competição para homens e mulheres. Só recentemente, porém, a NAGA decidiu permitir que homens biológicos transfigurados de mulher, conhecido popularmente de "mulheres Trans", se juntassem ao lado feminino das competições.

O assunto chamou a atenção pela primeira vez em setembro, quando uma atleta brasileira de jiu-jitsu chamada Taelor Moore participou de um evento, mas não foi informada anteriormente, que teria que competir contra James "Alice" McPike, um homem, que estava 65 quilos mais pesado que ela na época – confira as fotos abaixo:

A North American Grappling Association revisou sua política de identidade de gênero depois que uma atleta feminina de jiu-jitsu de 135 libras foi escolhida para competir contra um homem identificado como trans de 200 libras. James “Alice” McPike levou para casa a prata na categoria feminina.

Em 28 de outubro, a NAGA declarou: “Teremos divisões apenas para mulheres biológicas. Mulheres transexuais não serão incluídas nessas divisões.”

Para os homens que acreditam que são mulheres, a NAGA disse: “As mulheres transexuais devem competir na divisão masculina. Esperamos que a simplicidade dessa política revista ajude a evitar quaisquer ocorrências futuras em que mulheres transexuais entrem em divisões femininas. Se a equipe da NAGA for informada de que uma mulher transexual está em uma divisão feminina, eles terão a opção de ir para a divisão masculina ou receberão um reembolso.”

A única coisa que um homem tem que fazer para competir com as mulheres é "se identificar" como uma mulher-trans


Depois que o vídeo do desencontro viralizou, a NAGA emitiu um comunicado esclarecendo suas políticas sobre permitir que homens trans competissem na categoria feminina:

"O NAGA não exige que as mulheres biológicas concorram contra as mulheres transgênero. Em vez disso, damos a escolha às mulheres biológicas e, se elas declinarem, elas competem em uma divisão apenas com outras mulheres biológicas."

Junto com essa declaração, a NAGA forneceu um link para sua política oficial, que afirma:

"Para aqueles que optaram por não competir com a mulher transgênero, vamos perguntar se eles têm interesse em entrar em uma divisão separada que inclua a mulher transgênero. Esta divisão adicional será oferecida sem custos para esses concorrentes. No entanto, se os indivíduos recusarem essa oportunidade, a mulher transgênero será direcionada para competir com os homens em sua respectiva categoria de peso e nível de habilidade."

Apesar da política afirmar que as atletas femininas devem primeiro ser informadas antes de serem emparelhadas com atletas "trans", a NAGA não disse a Moore com antecedência que ela teria que lutar contra McPike.

Outras lutadoras marciais profissionais como Jayden Alexander e Ansleigh Wilk também tiveram que lutar contra homens sem aviso prévio.


"Honestamente, nunca pensei que isso realmente aconteceria em um esporte de contato, especialmente no meu esporte de contato", disse Alexander, que é faixa azul de Jiu-Jitsu. "Quando o vi, fiquei tão chocado que não soube responder."

Tanto Alexander quanto Wilk tiveram que lutar contra Cordelia Gregory, da Academia Temporal de Jiu-Jitsu Brasileiro, que é um dos muitos homens trans que atualmente participam de torneios femininos NAGA.

"Eu não tinha sido notificada", diz Wilk sobre sua experiência. "A única coisa que me chamou a atenção foram meus companheiros de equipe. Eles ficavam me perguntando 'você está lutando contra um homem' e eu honestamente estava muito focado em treinar o resto da equipe para realmente prestar atenção no meu oponente."

"Percebi muito rapidamente que não conseguia musculá-las como a maioria das meninas. Bem, obviamente, porque não era uma menina! Então, pouco tempo depois, tive que fazer uma segunda partida da qual Cordelia fez uma birra dizendo que [ele] 'não tocou [para fora]'. Eu estava sinceramente com medo de [ele] me dar um soco quando eu coloquei a mão para fora para apertar [a dele]."

As últimas notícias sobre a trans- podem ser encontradas em Transhumanism.news.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Fechar Menu