Herbicidas comuns ligados à diminuição da função cerebral em adultos jovens

A exposição a contaminantes ambientais neurotóxicos, como herbicidas e inseticidas, pode ajudar a explicar o aumento da incidência de muitas doenças


Herbicidas comuns ligados à diminuição da função cerebral em adultos jovens

O uso de herbicidas tornou-se comum em um mundo que busca constantemente maior produtividade nas lavouras, além de belos gramados e paisagismo. No entanto, um estudo recente da Universidade da Califórnia, San Diego (UCSD) encontrou perigos potenciais ligados ao uso de herbicidas comuns – particularmente seu impacto na função cerebral de adolescentes.

Estudos anteriores também ligaram a exposição a alguns dos inseticidas mais usados a desempenho neurocognitivo alterado, enquanto outros inseticidas demonstraram afetar o desenvolvimento cerebral e o humor.

A exposição a contaminantes ambientais neurotóxicos, como herbicidas e inseticidas, pode ajudar a explicar o aumento da incidência de muitas doenças crônicas e distúrbios de saúde mental em adolescentes e adultos jovens nos últimos 20 anos em todo o mundo, disse o autor sênior do estudo, Dr. José Ricardo Suarez.

Esta pesquisa da UCSD avaliou se herbicidas e repelentes de insetos estão associados ao desempenho neurocomportamental em adolescentes, bem como a compreensão dos efeitos da exposição a pesticidas no desenvolvimento de humanos desde a infância até a idade adulta.

Pesquisadores da Escola Herbert Wertheim de Saúde Pública e Ciência da Longevidade Humana da UCSD recrutaram um total de 519 participantes que vivem em comunidades agrícolas no Equador, com idades entre 11 e 17 anos.

Eles quantificaram as concentrações urinárias dos herbicidas glifosato e 2,4-D, bem como dos metabólitos repelentes de insetos DCBA [ácido 3-(dietilcarbamoil)benzoico], DEET (dois N,N-dietil-meta-toluamida) e ECBA [ácido 3-(etilcarbamoil)benzoico].

Por meio de nove subtestes, o desempenho neurocomportamental foi avaliado em cinco domínios: atenção e controle inibitório; memória e aprendizagem; Idioma; percepção social; e processamento visuoespacial.

As associações foram caracterizadas por meio de equações de estimação generalizadas e imputações múltiplas para metabólitos abaixo dos limites de detecção.

Os modelos também foram ajustados para características demográficas e antropométricas que definem medidas físicas de tamanho, forma e capacidade funcional dos participantes, maturação sexual e creatinina urinária para testar o funcionamento dos rins.

Por fim, a modelagem de equações estruturais foi utilizada para avaliar a mediação por cortisol salivar e hormônios, como dehidroepiandrosterona, estradiol e testosterona. Publicado na revista Environmental Health Perspectives, o estudo relatou a detecção dos seguintes pesticidas em amostras urinárias retiradas dos participantes. Não foi observada mediação por sexo e hormônios adrenais

Glifosato ligado à diminuição da percepção social


Concentrações mais altas de glifosato foram significativamente associadas apenas à diminuição da percepção social – a compreensão da comunicação social ou pistas – os sinais que as pessoas enviam por meio da linguagem corporal e expressões faciais.

Concentrações mais elevadas de 2,4-D foram negativamente associadas a todos os cinco domínios neurocomportamentais mencionados anteriormente. As dificuldades associadas ao declínio cognitivo incluem problemas de memória e demência de início mais jovem.

Os transtornos neuropsiquiátricos que também foram negativamente associados ao 2,4-D incluem neurastenia (um conjunto de sintomas, como depressão, dificuldade de concentração, fadiga, dor de cabeça e insônia), transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) e suicídio.

As descobertas do estudo são um alerta e um lembrete gritante dos perigos invisíveis no meio ambiente – particularmente nas práticas agrícolas que, em última análise, trazem comida à mesa.

Os autores pediram medidas proativas, já que 20% dos adolescentes e 26% dos jovens adultos agora enfrentam condições de saúde mental diagnosticáveis, como ansiedade, depressão e distúrbios de aprendizagem nas últimas duas décadas.

Suarez também destacou que, todos os anos, centenas de novos produtos químicos entram no mercado, com mais de 80.000 atualmente registrados para uso hoje, muitos dos quais não foram estudados exaustivamente para segurança por nenhuma agência.

O uso generalizado de herbicidas é uma preocupação global e este estudo destacou a necessidade urgente e convincente de entender os papéis e implicações dos neurotóxicos ambientais para a saúde cognitiva e o bem-estar mental dos adolescentes.

Visite Pollution.news para mais histórias como esta.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Fechar Menu