Reino Unido permite que financiador chave do Hamas tenha base militar no norte da Inglaterra

Enquanto Gaza continua a enfrentar uma guerra total, os ministros do Reino Unido têm feito fila para dizer que "estão com Israel".


Reino Unido permite que financiador chave do Hamas tenha base militar no norte da Inglaterra
Imagem em destaque: Militares do Catar em sua base na RAF Leeming em Yorkshire, Inglaterra. (Foto: Ministério da Defesa do Reino Unido) 

Enquanto Gaza continua a enfrentar uma guerra total, os ministros do Reino Unido têm feito fila para dizer que "estão com Israel". Eles condenaram inequivocamente como terrorismo as ações do Hamas, cujos militantes se mudaram de Gaza para o sul de Israel no sábado.

O bombardeio maciço do exército israelense a Gaza, considerada por organismos internacionais como estando sob ocupação israelense, ameaça envolver Gaza em seu conflito mais brutal até agora.

O extenso apoio militar do Reino Unido a Israel foi praticamente apagado pela mídia britânica nos últimos anos – mas também a nova relação especial de Whitehall com um importante apoiador do Hamas, o regime autoritário do Golfo do Catar.

Embora o Irã seja o principal financiador do Hamas, o apoio financeiro do Qatar ao grupo remonta a pelo menos 2008 e envolveu centenas de milhões de dólares para as alas políticas e humanitárias do Hamas.

No passado, o Catar também financiou "militares" do Hamas, disse um dos líderes do grupo em 2016. O Reino Unido designa todo o Hamas, incluindo a sua ala militar, as Brigadas al-Qassam, que também é financiada principalmente pelo Irão, como uma organização terrorista.

No entanto, a RAF opera dois esquadrões conjuntos com o Catar, o primeiro com qualquer nação desde a Segunda Guerra Mundial, quando pilotos poloneses ajudaram a combater a Batalha da Grã-Bretanha.

Um esquadrão opera a partir da RAF Coningsby, em Lincolnshire, e foi acordado em 2017. Foi parte de um acordo de armas de £ 6 bilhões no qual o Reino Unido venderá 24 aviões de guerra Qatar Typhoon ao lado dos nove aviões Hawk, ambos fabricados pela empresa britânica BAE Systems. O Reino Unido também fornece um "pacote de suporte e treinamento sob medida".

O outro esquadrão é uma unidade de treinamento conjunto para o caça Hawk, baseado na RAF Leeming em Yorkshire.

"O Qatar e o Reino Unido partilham interesses mútuos em garantir a estabilidade no Médio Oriente", afirmou a RAF, tendo recentemente concordado em prolongar o esquadrão conjunto em Coningsby por mais dois anos.

Financiamento do Qatar


A Faixa de Gaza está sujeita a um brutal bloqueio israelense, considerado ilegal pela ONU, desde 2007. O Hamas controla Gaza desde que venceu as eleições em 2006.

Algumas estimativas são de que o Catar financia o Hamas em mais de US$ 360 milhões por ano, que o grupo usa para comprar combustível, apoiar famílias empobrecidas de Gaza e pagar os salários da burocracia do Hamas.

"Os gastos do Catar em Gaza podem parecer humanitários, mas, na realidade, Doha está financiando os cofres do Hamas por meio da venda de petróleo", escreve Hussain Abdul-Hussain, analista da Fundação para a Defesa das Democracias nos EUA, de direita.

"Sem o dinheiro do Catar, o governo de Gaza do Hamas teria se tornado insustentável e sua popularidade entre os palestinos teria colapsado", acrescenta.

Outra visão é que "a relação do Qatar com o Hamas foi submetida a desinformação e categorização errada", diz Sultan Al-Khulaifi, em um blog recente da London School of Economics.

Ele escreve que, longe de financiar o terrorismo, o apoio do Qatar ao Hamas se baseia no apoio à causa palestina, atuando como mediador para promover a estabilidade regional e enfrentar a catástrofe humanitária enfrentada pelo povo de Gaza.

Desde janeiro de 2020, o Catar recebe o líder do Hamas, Ismail Haniyeh, e antes disso ofereceu uma base a Khaled Meshaal, que atuou como líder do grupo de 2004 a 2017.
"Interoperabilidade" do Reino Unido no Qatar

O esquadrão conjunto da RAF Leeming, que foi acordado em 2021, treinará pilotos britânicos e qatarianos em caças Hawk e aumentará a "interoperabilidade e coordenação entre ambas as forças aéreas".

A base de Yorkshire abrigará permanentemente nove aeronaves Hawk que o Reino Unido está vendendo para os qataris. Esses jatos estão atualmente sendo construídos pela BAE em sua fábrica em Warton, Lancashire.

O esquadrão da RAF Coningsby começou a voar em junho de 2020, com atividades conjuntas, incluindo "treinamento de armas pesadas" e exercícios com a Marinha Real Britânica. O esquadrão também forneceu segurança para a Copa do Mundo de futebol no Catar no ano passado.

O Reino Unido também tem um pacto de segurança com o Catar para compartilhar informações confidenciais, envolvendo a GCHQ, a maior agência de espionagem do Reino Unido.

Uma pequena península rica em recursos adjacente à Arábia Saudita, com uma população de pouco mais de dois milhões, o Qatar é um dos principais fornecedores de gás natural para o Reino Unido.

Os ministros britânicos permitiram que o Qatar investisse mais de 40 mil milhões de libras no Reino Unido, em ativos como a Harrods e a Bolsa de Valores de Londres, principalmente através da estatal Qatar Investment Authority.

O Estado do Golfo é governado pela família al-Thani desde meados do século XIX. Seu atual emir, o xeque Tamim bin Hamad al-Thani, assumiu o lugar de seu pai em 2013.
Terrorismo

O governo do Qatar é mais amplamente acusado de financiar o terrorismo. "Pagou pedidos de resgate, enviou suprimentos e canalizou bilhões de dólares de financiamento" para grupos militantes em todo o Oriente Médio, de acordo com o Counter-Extremism Project (CEP), um think tank próximo ao establishment americano.

Em 2019, oito refugiados sírios entraram com uma ação no Reino Unido alegando que contas no Banco de Doha, no Catar, foram usadas para canalizar fundos para a Frente Nusra, na Síria. A Frente Nusra era a afiliada da Al-Qaeda que lutava para derrubar o regime de Bashar al-Assad, antes de se fundir em uma força militante islâmica mais ampla conhecida como Hayat Tahrir al-Sham.

O Doha Bank, cujo maior acionista é a Qatar Investment Authority e cujos diretores incluem membros da família governante al-Thani, negou as acusações.

Em 2021, uma outra ação judicial foi emitida no Tribunal Superior de Londres contra o Estado do Catar, acusando-o de desempenhar um papel central em operações secretas de lavagem de dinheiro para enviar centenas de milhões de dólares para a Frente Nusra.

Conforme relatado pelo The Times, a alegação alega que a conspiração foi impulsionada "por membros de alto escalão da elite governante do Catar", todos os quais negam as acusações. O caso está sendo movido por nove sírios que dizem ter sido perseguidos pela Frente Nusra.

Um porta-voz do Ministério da Defesa do Reino Unido disse anteriormente ao Declassified: "A amizade de longa data entre o Reino Unido e o Qatar é mais importante do que nunca. Com interesses comuns de defesa e segurança, é vital trabalharmos juntos para a estabilidade regional e global."

Mark Curtis é editor da revista Declassified UK, autor de cinco livros e muitos artigos sobre política externa do Reino Unido. A fonte original deste artigo é Declassified UK
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Uma pequena pausa antes de continuar


Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.