Os recibos: como a OMS, Gates e Blackrock querem dominar o mundo

A vice-presidente do Bundestag Beatrix von Storch revela os bilionários americanos por trás disso e quem comprou quem.


Beatrix von Storch é vice-presidente do partido AfD no Parlamento alemão
Beatrix von Storch é vice-presidente do partido AfD no Parlamento alemão

Opinião pública: Em grande parte despercebida pelo público, a Organização Mundial da Saúde (OMS) está trabalhando para expandir significativamente seus poderes e usurpar o controle de longo alcance pela porta dos fundos. Alternativa para a Alemanha, A vice-presidente do Bundestag Beatrix von Storch revela os bilionários americanos por trás disso e quem comprou quem.

A OMS está atualmente trabalhando em uma iniciativa abrangente para a prevenção da pandemia, que inclui um Tratado Pandêmico e mudanças nos regulamentos de saúde. A expectativa é que elas sejam decididas até maio do ano que vem. É importante entender que a pandemia é apenas parte do problema. 

Mais perigosas são as mudanças nos regulamentos sanitários internacionais. Embora o Tratado da Pandemia deva ser ratificado como novo direito internacional, as mudanças nas regras internacionais de saúde se aplicam automaticamente a todos os membros da OMS, a menos que eles explicitamente optem por sair.

Rockefeller, Gates e Bloomberg Foundations controlam a saúde global


Os atores poderosos da saúde global não são governos eleitos, mas três fundações privadas: a Fundação Rockefeller, a Fundação Bill Melinda Gates e a Bloomberg Philanthropies. Entre elas, a Fundação Rockefeller, dotada de US$ 5 bilhões, é de longe a menor, mas também a mais antiga das três. A Fundação Gates tem uma dotação de US$ 40 bilhões e a Bloomberg Philanthropies tem US$ 50 bilhões.

Essas fundações não estão apenas intimamente ligadas à Organização Mundial da Saúde, mas também às grandes farmacêuticas e às grandes finanças, bem como ao setor de pesquisa. Eles combinam investimento, financiamento de pesquisa, lobby político, aconselhamento político e, claro, relações públicas.

Bill Gates e Michael Bloomberg trabalham juntos há décadas. Uma etapa importante de sua cooperação foi a reunião informal de bilionários na Universidade Rockefeller em 2009. O encontro, noticiado pela NBC, foi organizado pela Fundação Bill Melinda Gates. Bloomberg já era prefeito de Nova York naquela época.

A Universidade Johns Hopkins também envolveu


Bloomberg se juntou à campanha "Giving Pledge" iniciada por Gates, incentivando seus amigos super-ricos a investirem em projetos juntos. A colaboração entre Bloomberg e Gates tornou-se concreta com o lançamento de uma campanha internacional contra o tabagismo que visava mudar a legislação em muitos países.

O Presidente da Fundação Rockefeller é o Dr. Rajiv J. Shah. Antes de assumir o comando da Fundação Rockefeller, trabalhou na Fundação Bill e Melinda Gates. Ele foi responsável por explorar novas oportunidades de financiamento para o programa de imunização da fundação, com o objetivo de "remodelar a indústria global de vacinas" com ele.

Operando dentro dessa rede como uma espécie de think tank colossal está a Universidade Johns Hopkins. O lema da universidade é revelador: "Quando a ambição encontra a oportunidade, tudo é possível". A Universidade Johns Hopkins abriga a "Bloomberg School of Public Health". Dentro dele está o "Instituto Bill e Melinda Gates para População e Saúde Reprodutiva". 

A soma total de doações da Bloomberg para a universidade é de US$ 3,5 bilhões, enquanto a Fundação Gates doou US$ 1,5 bilhão. Além disso, a Universidade Johns Hopkins faz parte de uma rede de 25 universidades e instituições de pesquisa que cooperam com a gigante farmacêutica Pfizer na rede "Pfizer's Center for Therapeutic Innovation" (CTI).

Um dos focos da rede é o desenvolvimento de vacinas de RNA. Durante a pandemia de Covid, a Universidade Johns Hopkins ganhou importância por meio do "Centro de Recursos do Coronavírus", que supostamente forneceu dados de infecção em tempo real, formando a base baseada em dados para justificar muitas medidas COVID-19.

Gigante Farmacêutica e a econômia andam de mãos dadas


Semelhante à Universidade Johns Hopkins, a Fundação Rockefeller é membro do "Centro de Inovação Terapêutica" da Pfizer. Sua cooperação remonta a décadas. Há apenas alguns anos, a luz foi lançada sobre os capítulos mais sombrios dessa colaboração. Em 2019, um juiz dos EUA permitiu um processo contra a Fundação Rockefeller e a Universidade Johns Hopkins pelas vítimas de um experimento médico.

Ambos tinham, em colaboração com uma empresa farmacêutica, infectado cerca de 1.000 pessoas com sífilis na Guatemala na década de 1940 sem o conhecimento dos afetados, a fim de testar os efeitos da penicilina. 83 pessoas morreram como resultado deste experimento. 

A história dos experimentos em humanos da Gigante Farmacêutica se estende ao passado recente. Sob o disfarce de uma missão de ajuda humanitária, a Pfizer testou um antibiótico agora proibido em crianças na Nigéria em 1996, resultando na morte de onze crianças e fazendo com que outras 189 sofressem danos físicos.

A Gigante Farmacêutica está intimamente ligada às Gigantes Econômia. A própria Pfizer, junto com as outras grandes fabricantes de vax AstraZeneca e Johnson Johnson, é de propriedade das três grandes corporações financeiras BlackRock, Vanguard e State Street. (As mesmas grandes empresas de finanças RFK Jr. apontaram como proprietárias do complexo industrial militar, como relatou o Gateway Pundit.)

Esses investimentos renderam bastante. Durante a crise da COVID-19, os lucros da Pfizer mais do que triplicaram, passando de US$ 9 bilhões em 2020 para US$ 31 bilhões em 2022 – também graças à estreita cooperação entre a Pfizer e a Comissão Europeia.

Minimizando seu papel, Gates faz sua parte


Nos últimos vinte anos, a fortuna pessoal de Bill Gates mais que dobrou, passando de US$ 50 bilhões para US$ 108 bilhões. A legislação tributária dos EUA favorece as atividades filantrópicas dos bilionários. Uma doação de um bilhão de dólares equivale a um benefício fiscal de US$ 390 milhões. Assim, as supostas atividades de caridade de Bill Gates são quase 40% financiadas pelo contribuinte.

Outro bilionário que se aventurou dos bastidores para o cenário político é Michael Bloomberg. Suas ambições políticas culminaram em sua candidatura presidencial de 2020 pelos democratas. Bloomberg gastou US$ 188 milhões em sua candidatura presidencial. Mas sua tentativa de comprar a presidência fracassou miseravelmente, já que os americanos ainda se lembravam do regime regulatório verde de Bloomberg que ele tentou estabelecer como prefeito de Nova York. 

Fumar em parques, restaurantes e bares, bem como grandes recipientes para bebidas açucaradas, foram proibidos. Bloomberg construiu ciclovias, enquanto o número de nova-iorquinos vivendo abaixo da linha da pobreza continuou a aumentar. Depois que sua campanha presidencial fracassou, Bloomberg mudou suas ambições para o nível internacional. Bloomberg é agora "Embaixador Global da OMS" para doenças não transmissíveis.

Bloomberg e o presidente da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, publicaram um artigo de opinião em 3 de fevereiro de 2021 no canal de notícias Bloomberg, intitulado "Parar a próxima pandemia começa agora". Nele, eles afirmaram: "A pandemia está na vanguarda das atenções, e é essencial usar esse senso de trauma e urgência para começar a construir os sistemas que nos prepararão para o próximo".

Presidente da OMS apoia a rede


Não se trata de saber se a próxima pandemia virá, mas quando. Essa também é a frase de Bill Gates, que dedicou um livro inteiro ao tema, intitulado "Como prevenir a próxima pandemia". Nele, Gates propôs uma espécie de força policial global contra a pandemia chamada GERM Team – "Global Epidemic Response and Mobilization", que poderia intervir a qualquer momento.

Em 2021, a Fundação Rockefeller lançou a "Iniciativa de Prevenção da Pandemia", investindo US$ 150 milhões e ganhando quarenta parceiros para isso. No âmbito desta iniciativa, foi criado o "Instituto de Prevenção da Pandemia", que coopera diretamente com a Organização Mundial de Saúde. No presidente da OMS, Ghebreysus, a rede tem um aliado próximo que já estava conectado a eles antes de sua nomeação.

Tedros Adhanom Ghebreyesus foi eleito presidente da OMS em maio de 2017, cinco meses depois que a Fundação Bill e Melinda Gates se tornou parceira oficial da OMS, tornando-se o segundo maior contribuinte com uma contribuição anual de US$ 600 milhões. Tedros era polêmico desde o início, já que era membro da Frente de Libertação do Povo Tigray, marxista-leninista, que tomou o poder na Etiópia em 1991. 

Tedros foi ministro da Saúde a partir de 2005 e ministro das Relações Exteriores entre 2012 e 2016. Como ministro da Saúde, ele encobriu grandes epidemias de cólera, afetando principalmente as regiões Oromo, uma minoria étnica reprimida pela Frente Democrática Revolucionária.

Quando Tedros foi nomeado presidente da OMS, os etíopes protestaram com o slogan "Tedros mentiu e pessoas morreram". Tedros revelou seus laços com regimes ditatoriais logo após sua posse, quando tentou nomear o ditador do Zimbábue, Robert Mugabe, como embaixador da Boa Vontade da OMS.

Ghebreyesus tinha conexões com a Fundação Bill Melinda Gates e a Fundação Clinton durante seu tempo como ministro da Saúde da Etiópia. Entre os maiores doadores para a Fundação Clinton estavam a Fundação Gates e o "Children's Investment Fund" do gestor de fundos de hedge Christopher Hohn, também doador da Fundação Gates.

Tanto a Fundação Gates quanto o "Children's Investment Fund" são parceiros da gigante farmacêutica Pfizer. Essa conexão também é importante para a gênese do Tratado de Pandemia da OMS e as mudanças planejadas nas diretrizes internacionais de saúde. Ghebreyesus criou o "Painel Independente para Preparação e Resposta a Pandemias" (IPPPR) para redigir a proposta com sua presidente, a ex-presidente da Libéria Ellen J. Sirleaf. Ela também está intimamente ligada à rede. 

Em 2017, Sirleaf foi criticada quando seu nome apareceu nos "Paradise Papers", uma lista de políticos corruptos que movimentaram seu dinheiro no exterior por meio de empresas offshore.

Um ano depois, Sirleaf fundou a Fundação Ellen J. Sirleaf para promover a "igualdade de gênero". O conselho da fundação inclui Jamie Cooper, ex-mulher do gestor de fundos de hedge Christopher Hohn e cofundadora da "Children's Investment Fund Foundation". Em 2020, a Fundação Ellen Sirleaf recebeu uma doação de US$ 250 mil da Fundação Rockefeller.

No ano seguinte, a Fundação Bill e Melinda Gates prometeu uma doação de um milhão de dólares para os próximos dois anos. No final do ano, sob sua liderança, o IPPPR apresentou propostas alinhadas às dos principais doadores de sua fundação. "O Painel acredita que o sistema internacional precisa de uma transformação fundamental para prevenir futuras pandemias". 

O objetivo é "fortalecer compromissos e normas legais". Com base nas recomendações do "painel independente", a Assembleia de Saúde da OMS decidiu em dezembro de 2021 iniciar negociações sobre instrumentos de preparação para pandemias, como um tratado sobre pandemia e mudanças nos regulamentos de saúde globais.

Esses são os indivíduos e organizações que impulsionaram significativamente a atual iniciativa para o Tratado da Pandemia e as mudanças nas regulamentações globais de saúde. É nas mãos deles que colocamos o nosso destino. A eles deve ser concedido o direito de decidir sobre nossa liberdade, direitos civis e saúde.

Ao contrário do que aconteceu durante a Covid-19, os parlamentos democráticos não decidirão mais sobre medidas contra a pandemia e mandatos de vacinas. Os governos democraticamente eleitos não serão responsabilizados. As políticas nacionais e internacionais de pandemia só serão determinadas por bilionários verdes e suas fundações privadas, bem como por interesses farmacêuticos e financeiros.

Para proteger os direitos fundamentais e civis e preservar a nossa democracia, é necessário impedir a ratificação do Tratado Pandémico e, especialmente, as alterações aos regulamentos sanitários internacionais – usando todos os meios legais e parlamentares.

Beatrix von Storch é vice-presidente do Grupo Parlamentar da AfD.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Fechar Menu