BRICS: Uma janela para a luz? Ou o mais recente engano do faz-de-conta?

Um dos slogans de propaganda do Brics é "Desdolarização" - saia de debaixo da grade de sanções baseadas no dólar. Mas não é bem assim!


BRICS: Uma janela para a luz? Ou o mais recente engano do faz-de-conta?

Na Cúpula do Brics, de 22 a 24 de agosto de 2023, em Joanesburgo, na África do Sul, presidida pelo presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, seis novos países foram admitidos no bloco. Os BRICS agora são chamados de BRICS-11 e incluem as cinco nações originais, Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul. Os novos membros convidados a aderir ao bloco a partir de 1º de janeiro de 2024 são Argentina, Egito, Etiópia, Irã, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos.

A cúpula aconteceu com grande alarde e expectativas. Cerca de 40 países foram convidados, todos queriam se tornar membros dos Brics, mas apenas seis novos conseguiram. Outro grupo provavelmente será incluído no bloco durante a cúpula do Brics do ano que vem, organizada pela Rússia.

Para eles, principalmente o Sul Global, os BRICS são o paraíso dourado para escapar, das presas predatórias do Ocidente, principalmente da economia do dólar americano que pode punir e sancionar direita e esquerda, todos aqueles que não se comportam de acordo com os "mandatos" do Ocidente, também chamado de "ordem baseada em regras".

Porque as leis internacionais foram abolidas pelos governantes ocidentais, e substituídas de fato, por suas ordens baseadas em regras. Como resultado, nenhum juiz irá contra a elite, e os governantes ocidentais... Não importa quantos crimes de guerra, crimes contra os direitos humanos, abuso infantil, tráfico de crianças e mulheres, eles cometem – "eles", incluindo os mais altos escalões do governo, das instituições internacionais, estão seguros.

Mesmo antes do óbvio já estar acontecendo – você já viu o Tribunal Penal Internacional (TPI) perseguindo legalmente um criminoso de elite ocidental? Um daqueles multibilionários que fazem suas próprias regras? Por exemplo, para a pedofilia? Os Estados Unidos já foram acusados de crimes de guerra, de abusos dos direitos humanos? Apesar das dezenas de milhões de mortos desde que a Guerra ao Terror começou com 9/11? Nunca.

O TPI pode ser facilmente descartado como representante do direito internacional e até mesmo como organização internacional. Todo juiz sabe que sua vida ou a vida de seus entes queridos estaria em perigo, se julgasse legalmente um dos criminosos ocidentais de alto nível. Os verdadeiros criminosos.

A maioria dos candidatos ao Brics quer sair do punho de ferro do Ocidente dolarizado. Eles buscam resgate no Oriente. BRICS para eles é a proximidade com o Oriente – como o bloco foi criado e é liderado por China e Rússia, dois países que justamente ganharam a reputação de conviver com o Ocidente, mas em independência econômica e monetária. Até certo ponto.

Um dos slogans de propaganda do Brics é "Desdolarização" - saia de debaixo da grade de sanções baseadas no dólar.

Foram enganados? Estão conscientes da realidade?


A ideia, ou melhor, a ilusão é que esse poderoso bloco, o novo BRICS-11, derrubará o dólar americano e o cartel de bancos centrais privados, controlado pelo clã Rothschild, na forma do Banco de Compensações Internacionais (BIS), com sede em Basileia, na Suíça.

O BIS também é chamado de Banco Central de todos os Bancos Centrais. Controla em volume monetário mais de 90% dos bancos centrais do mundo. O Banco da China – o C do BRICS – tornou-se recentemente membro do BIS. O Wall Street Journal comenta: "A adesão da China ao BIS Club é uma verdadeira Revolução". Veja isso.

Os membros do BIS são bancos centrais de 63 jurisdições: 34 na Europa, 16 na Ásia, 5 na América do Sul, 3 na América do Norte, 3 na África e 2 na Oceania. Os Estados Unidos são representados por dois membros, o Sistema de Reserva Federal dos Estados Unidos e o Federal Reserve Bank de Nova Iorque. Veja isso.

Até o Banco Central russo é membro do BIS, mas seu envolvimento com o BIS está suspenso desde o início de março de 2022 – desde o ataque das sanções ocidentais devido à Ucrânia.

Todos os Bancos Centrais do BRICS são membros do BIS.


Em outras palavras, os dois fundadores dos BRICS estão intimamente ligados ao BIS totalmente dolarizado.

Este sistema monetário ocidental baseado no dólar – o Euro é o irmão pequeno e mais novo do dólar – não é apoiado por nada, a não ser o ar, e suas reverenciadas instituições, como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial, estão afogando o mundo, especialmente o Sul Global, em dívidas insustentáveis sob falsos pretextos; dívida que a maioria destes países não conseguirá pagar.

Em vez disso, eles se tornarão cada vez mais escravizados ao Ocidente, tanto politicamente quanto em termos de exploração de recursos. Eles recebem dinheiro (dívida) de que realmente não precisam, por isso pertencem às organizações glamourosas que os exploram, mas também lhes dão a reputação duvidosa e a classificação de crédito internacional de "pertencimento" – sendo dignos do FMI e do BM – e alguns bancos regionais de desenvolvimento que perseguem o mesmo objetivo.

Porque se eles não pertencem a essas organizações predatórias, eles têm dificuldade em sobreviver no sistema monetário e bancário ocidental. É tudo um plano de jogo acordado e bem orquestrado.

Claro, é preciso corrupção de ambos os lados. Políticos corruptos nos chamados países em desenvolvimento foram colocados em prática por eleições falsas, garantindo que as rodas continuem girando.

Veja-se o caso do actual Presidente do Brasil, Lula da Silva, nos seus dois mandatos anteriores como Presidente (2003 a 2011), o seu Presidente do Banco Central foi Henrique Meirelles, um banqueiro de Wall Street. Meirelles foi presidente do Global Banking da FleetBoston Financials. 

Lula foi literalmente elogiado por Wall Street como um "bom menino". O FMI deu-lhe o atributo de bom estudioso. E isso foi antes de ele se tornar um estudioso da Academia para Jovens Líderes Globais (YGL) de Klaus Schwab (CEO do WEF). Lula também é favorito nas reuniões do WEF em Davos.

Hoje, o Banco Central do Brasil é membro pleno e fundamental do BIS.


Um dos 6 novos países é a Argentina. O favorito para vencer as eleições presidenciais argentinas de 22 de outubro de 2023 é o arquineoliberal Javier Milei, líder do Partido Libertário. Em campanha para as primárias, prometeu que, se se tornar presidente, descartaria o Banco Central argentino e adotaria o dólar como moeda do país. E isso depois de ter presenciado um dos piores colapsos econômicos da história da América Latina, em 2001/2022, quando o peso argentino dolarizado implodiu.

A Argentina foi então salva em grande parte pelas presidências kirchneristas e por empréstimos da Venezuela, apenas para colocar aquele país grandioso, rico e recuperado novamente de joelhos pelo governo EUA/FMI imposto por Mauricio Macri (2015 a 2019).

Como a ideia de Javier Milei de dolarizar a Argentina se sairia para o sonho dos Novos BRICS de desdolarizar, caso Milei se torne presidente?

Um insider e denunciante de alto nível da City of London aparentemente advertiu para não se distrair com essa "iniciativa enganosa" [chamada BRICS] de fazer crer, que encontrará maneiras de se libertar do cartel de bancos centrais baseado na usura e criminoso. Quando, de fato, o bloco BRICS foi criado há cerca de 14 anos (criação do BRICS em 2009) para simplesmente fomentar os argumentos necessários, o caos e a divisão necessários para perseguir e acelerar uma moeda digital única global, o que no jargão de hoje é chamado de Moeda Digital do Banco Central (CBDC).

Em seu livro "A History of Central Banking – and the Enslavement of Mankind", o falecido Stephen Mitford Goodson, ele próprio diretor não-executivo do Banco da Reserva da África do Sul de 2003 a 2012, e que testemunhou em primeira mão o sistema bancário central privado por dentro, escreveu:

Para que qualquer nação/Estado/sociedade/comunidade tenha plena soberania e independência em seus negócios, o controle absoluto sobre os meios que emprega para trocar bens e serviços deve residir nos órgãos que representam o povo, e não deve ser delegado a particulares.

Ao longo da história, períodos de controle estatal da oferta monetária foram sinônimo de eras de prosperidade, paz, enriquecimento cultural, pleno emprego e inflação zero. No entanto, quando os banqueiros privados usurpam o controle do processo de criação de moeda, os resultados inevitáveis são ciclos recorrentes de prosperidade e pobreza, desemprego, inflação embutida e uma enorme e cada vez maior transferência de riqueza e poder político para essa pequena camarilha que controla esse sistema monetário explorador. Sempre que esses banqueiros privados e centrais foram combatidos no passado por nações que buscavam a restauração de um sistema monetário honesto, esses banqueiros parasitas invariavelmente invocaram uma guerra "patriótica" para derrotar o tão difamado "inimigo". Esta tem sido uma característica de quase todas as guerras durante os últimos mais de 300 anos.

Isso diz tudo em poucas palavras.


Para o relatório completo de Justin Walker "BRICS – Por favor, não se deixem enganar", veja isto.

A longa "Declaração de Joanesburgo dos BRICS", com seus 94 pontos, divulga a verdade: é apenas business as usual; um impulso dos globalistas para estabelecer uma tecnocracia totalitária global.

Os cinco BRICS originais se comprometem com os altamente enganosos "17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável" (ODS) da ONU e com a falsa "ciência" do aquecimento global baseado em CO2 causado pelo homem, também conhecido como mudança climática. Nada na Declaração dos BRICS dá ao novo e florescente Movimento Verdade, Paz e Liberdade qualquer esperança de que algum tipo de mudança para o bem comum sairá de seus pronunciamentos.

O autor David Skripac resumiu bem os pontos-chave de vital importância da Declaração dos BRICS da seguinte forma:

1. Eles prometem que os BRICS perseguirão os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 2030 do WEF e da ONU;

2. Eles enfatizaram urgentemente a "necessidade de enfrentar as mudanças climáticas".

3. Reiteraram a importância da aplicação da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas (CQNUAC),

4. Reafirmaram a importância vital do World Trade Center (OMC),

5. Enfatizaram a "importância vital da Organização Mundial da Saúde (OMS)",

6. Eles permaneceram comprometidos em fortalecer a "importância vital da preparação para pandemias"

7. Sublinharam "a importância vital da transformação digital"

8. Eles enfatizaram a "importância vital dos créditos de carbono" e da economia verde.

Então, o que esperar dos BRICS originais, dos Novos BRICS-11 – e dos BRICS-plus vindouros?

Mais uma vez, Nós, o Povo, vamos acordar e tomar a vida em nossas próprias mentes e mãos. Não nos deixemos enganar, confundir e dividir pelas estratégias enganosas dos governantes autodenominados.

Eles não vão largar. Precisamos sair de seus métodos sempre escravizantes para nos digitalizar, transumanizar e controlar.

Podemos fazê-lo.

Temos de o fazer.

Peter Koenig é analista geopolítico e ex-economista sênior do Banco Mundial e da Organização Mundial da Saúde (OMS), onde trabalhou por mais de 30 anos em todo o mundo. Leciona em universidades dos EUA, Europa e América do Sul. Ele escreve regularmente para revistas online e é autor de Implosion – An Economic Thriller about War, Environmental Destruction and Corporate Greed, e coautor do livro de Cynthia McKinney "When China Sneezes: From the Coronavirus Lockdown to the Global Politico-Economic Crisis" (Clarity Press – 1º de novembro de 2020).
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Fechar Menu