Coletividade Evolutiva , Nova Guerra Fria: BRICS se expande e estabelece uma Nova Ordem Internacional e Autoridade na saúde , Brasil , Governo , Mundo , Nova ordem mundial ,

Nova Guerra Fria: BRICS se expande e estabelece uma Nova Ordem Internacional e Autoridade na saúde

A associação BRICS - formada por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul - se expande para incluir mais 6 países.


Nova Guerra Fria: BRICS se expande e estabelece uma Nova Ordem Internacional e Autoridade na saúde

A 15ª Cúpula do Brics, realizada em Joanesburgo, na África do Sul, tomou uma série de decisões que lançam as bases para uma nova ordem internacional, alternativa à imposta pelo Ocidente. A associação BRICS - formada por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul - se expande para incluir mais 6 países, que se tornarão membros plenos a partir de 1º de janeiro de 2024: República Argentina, República Árabe do Egito, República Federal Democrática da Etiópia, República Islâmica do Irã, Reino da Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos.

Essa expansão do agrupamento Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (BRICS) abrange ainda mais dos já 44% da população mundial, com a maioria localizada no Sul Global.

Na reunião em Joanesburgo de 23 a 24 de agosto, Argentina, Emirados Árabes Unidos (EAU), Arábia Saudita, República Islâmica do Irã, República Federal Democrática da Etiópia e República Árabe do Egito foram aprovados para adesão ao órgão em expansão.

Vários relatórios indicam que a população combinada dos países do BRICS, incluindo os seis novos membros, é conservadoramente estimada em 47% da população global e em qualquer lugar entre 29-36% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial. Algumas fontes acreditam que a população do total de membros já ultrapassa a metade das pessoas que vivem hoje.

Atualmente, 44 países querem aderir ao Brics: 22 já se inscreveram oficialmente e outros 22 manifestaram a intenção de fazê-lo. Por conseguinte, a Cimeira encarregou os Ministros dos Negócios Estrangeiros de prepararem uma lista de países parceiros como base para um novo alargamento.

Vários relatórios indicam que a população combinada dos países do BRICS, incluindo os seis novos membros, é conservadoramente estimada em 47% da população global e em qualquer lugar entre 29-36% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial. Algumas fontes acreditam que a população do total de membros já ultrapassa a metade das pessoas que vivem hoje.

Um BRICS expandido para incluir esses 13 países teria mais de 4 bilhões de pessoas, ou mais da metade da população mundial, possuiria 45% das reservas mundiais de petróleo e mais de 60% das reservas mundiais de gás. Seu PIB total seria de cerca de US$ 30 trilhões, mais do que o PIB dos Estados Unidos e o dobro do da União Europeia.

A realização de uma nova ordem internacional, alternativa à imposta pelo Ocidente, é, portanto, possível: de fato, o valor fundador dos BRICS é o compromisso compartilhado de reestruturar a arquitetura política, econômica e financeira global para que ela seja justa, equilibrada e representativa. 

Nesse contexto, os Brics lançaram um plano de desdolarização do comércio, que já está reduzindo a hegemonia do dólar, e criaram o Novo Banco de Desenvolvimento, uma alternativa ao Banco Mundial. Novos passos nessa direção são esperados a partir da 16ª Cúpula do Brics, a ser realizada em 2024 na Rússia.

Planos para "fortalecer" a autoridade sobre a saúde


Uma das discussões importantes que ocorreram durante e após a cúpula foi a crescente colaboração entre a UA, sua afiliada, os Centros Africanos de Controle e Prevenção de Doenças e os BRICS na melhoria da infraestrutura de saúde e no compartilhamento de informações em todo o Sul Global. Durante o auge da pandemia de coronavírus, o acesso a vacinas e outros medicamentos foi facilitado fortemente utilizando redes estabelecidas entre os países do Brics.

Quando a pandemia foi declarada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) junto com governos internacionais, houve muitas críticas em torno do conceito de "nacionalismo vacinal" emanado das regiões geopolíticas em desenvolvimento. Os governos capitalistas ocidentais mais ricos correram para vacinar seus próprios cidadãos quase sem preocupação com a esmagadora maioria das pessoas em todo o planeta.

A partir dessa experiência nos últimos três anos, instalações de produção na República da África do Sul foram criadas para desempenhar um papel significativo diante de outra pandemia. Os sistemas de alerta precoce já existentes na sequência de outras grandes pandemias em África e na Ásia podem ser ativados quando necessário.

O governo sul-africano, que sediou a 15ª Cúpula do Brics, disse sobre as discussões em torno de questões de saúde:

"Os participantes destacaram a realidade dos centros de poder global, apontando que a família expandida dos BRICS representa agora 4,8 bilhões de pessoas, o que representa mais da metade da população global. ' A crescente interconexão humana e animal, as mudanças climáticas e uma frequência crescente de surtos de doenças infecciosas significam que a capacidade da UA e dos BRICS de conter doenças infecciosas tem uma influência fundamental na segurança da saúde global. A percepção dessa responsabilidade crescente obrigou as partes interessadas da UA e do BRICS a se reunirem e iniciarem um processo em direção a uma estrutura colaborativa declarada." Os participantes foram ainda encorajados pelas capacidades coletivas identificadas em tecnologias médicas e digitais, potencial de recursos humanos e fabricação de produtos farmacêuticos. Eles também observaram que a Rede de Fabricação de Vacinas dos Países em Desenvolvimento (DCVMN), que é composta por fabricantes dos países membros do BRICS, contribuiu com 60% dos produtos da vacina COVID-19. A reunião considerou os méritos de abrir todo o mercado expandido dos BRICS e da UA a todos os fabricantes farmacêuticos nas regiões BRICS e UA."

Desdolarização e a nova Guerra Fria


Talvez uma das questões mais cogitadas em debate pelos Brics e outros blocos econômicos sediados no Ocidente, sejam as propostas que visam diminuir a dependência do dólar. O início da Operação Militar Especial Russa na Ucrânia trouxe à tona os problemas causados pelo domínio do dólar no que diz respeito à imposição de sanções por Washington contra Moscou.

As sanções agravaram a insegurança alimentar em meio aos desafios associados à recuperação econômica pós-pandemia na África, Ásia e outras regiões geopolíticas. Um acordo de grãos do Mar Negro, alcançado por meio de mediação diplomática envolvendo a UA e a Turquia, foi quebrado devido à recusa dos países da Otan, que estão por trás da administração e dos militares ucranianos, em honrar sua parte do acordo.

A Rússia é cofundadora do BRICS e é respeitada pelos demais Estados-membros. O presidente Vladimir Putin participou da cúpula virtualmente devido a ameaças de prendê-lo sob a égide do Tribunal Penal Internacional (TPI). A Rússia foi representada pelo ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, e outras autoridades. Tais ataques às reuniões de governos que representam alguns dos maiores países do Sul Global tornam ainda mais urgente o imperativo do desenvolvimento independente.

No mesmo editorial citado acima do Ethiopian Herald, enfatiza:

"Um dos principais objetivos discutidos na cúpula deste ano é reduzir a dependência global do dólar. O domínio da moeda americana tem consequências de longo alcance, muitas vezes às custas de outras nações. A força da economia americana impacta diretamente o valor do dólar, causando flutuações que repercutem nos mercados internacionais. Essa volatilidade prejudica a estabilidade de outras moedas e prejudica as perspectivas econômicas dos países emergentes. Reconhecendo essa vulnerabilidade, o BRICS visa promover o uso de moedas nacionais no comércio internacional como forma de corrigir a situação. Rússia e China, em particular, têm sido defensores vocais da desdolarização, com o objetivo de enfraquecer o domínio dos EUA sobre o sistema financeiro global. Essas nações têm preocupações legítimas sobre o potencial abuso de poder econômico por parte dos Estados Unidos, especialmente por meio de sanções unilaterais que podem causar estragos nas economias dos países visados. Ao diversificar o dólar, o Brics espera isolar seus países membros de tais vulnerabilidades e promover uma arquitetura financeira global mais equilibrada e resiliente."

Esses objetivos dos países do BRICS reafirmam ainda mais a completa incapacidade dos EUA, da União Europeia (UE) e do Reino Unido de se engajarem em iniciativas diplomáticas efetivas para além da perpetuação de guerras injustas. Enquanto o Sul Global discute projetos de longo prazo que serão financiados pelo Novo Banco de Desenvolvimento (NDB) para promover a formação de um sistema mundial multipolar, os Estados imperialistas estão se tornando ainda mais isolados em muitas regiões geopolíticas.

A ameaça que o imperialismo representa é que ele embarcou em um curso que poderia levar a outra Guerra Mundial. A intensificação do antagonismo contra a Federação Russa, China, Irã, Venezuela, Zimbábue, Etiópia, Cuba, Coreia do Norte, África do Sul, etc., juntamente com a expansão dos governos e movimentos anti-imperialistas na região da África Ocidental, reflete o desespero dos Estados da OTAN e seus aliados. Obviamente, o Sul Global será forçado a defender seu programa de desenvolvimento econômico e o desejo de viver em um mundo livre da hegemonia ocidental.
____

Referência: Global Research

Obtenha o Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco para melhor Imunidade e Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui


Siga-nos: | | e | Inscreva-se na nossa | Nos Apoie: Doar
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR