Coletividade Evolutiva , Desintoxicando a Proteína Spike do corpo com medicamentos e compostos naturais , Ciência , Coronavírus , Covid-19 , Ivermectina , Pandemias , Vacina , Vacinação ,

Desintoxicando a Proteína Spike do corpo com medicamentos e compostos naturais

Desintoxique seu corpo da proteína spike que comprovadamente causa danos cardíacos, lesões neurológicas, coagulação sanguínea e mais problemas


Desintoxicando a Proteína Spike do corpo com medicamentos e compostos naturais
À medida que as vítimas da vacina SARS-CoV-2 / COVID-19 estão acordando para a realidade de que seus corpos foram geneticamente carregados com modificações da Pfizer ou da Moderna (~70% homólogas) da proteína spike de COVID-19, um pânico coletivo está impulsionando uma busca por desintoxicação dessa proteína mortal que comprovadamente causa danos cardíacos, lesões neurológicas, coagulação sanguínea e potencialmente mais problemas a longo prazo.

Alguns pacientes que foram infectados com o SARS-CoV-2 tiveram dificuldade em se livrar de alguns sintomas como fadiga, névoa cerebral e dor cardíaca. Essa condição prolongada é conhecida como "COVID longa". No entanto, algumas pessoas que tomaram vacinas COVID em vez de infecção têm sintomas semelhantes. Isso se deve às proteínas spike que permanecem no organismo após a vacinação ou infecção pelo vírus.

As vacinas do mRNA foram projetadas com base no código da sequência do mRNA da proteína spike do SARS-CoV-2. A intenção original e teórica era permitir que o mRNA das vacinas entrasse nas células humanas e produzisse uma grande quantidade de proteínas spike, o que estimularia as células imunes e as induziria a produzir anticorpos para neutralizar as partículas do vírus SARS-CoV-2 na corrente sanguínea.

No entanto, um número crescente de casos e estudos têm revelado que a estimulação por proteínas spike para produzir anticorpos também pode causar diferentes graus de danos às células humanas.

Prejudicando mitocôndrias e danificando órgãos


Em abril de 2021, um estudo publicado na Circulation Research descobriu que as proteínas spike interrompem a estrutura e as funções das mitocôndrias nas células.

As mitocôndrias são os centros de energia das células. Uma vez que as funções das mitocôndrias são prejudicadas, as células não podem funcionar corretamente. Se uma grande área de células do fígado ou células do músculo cardíaco não estão funcionando corretamente, as funções dos órgãos podem ficar prejudicadas. Essa é uma das razões pelas quais as proteínas spike causam sintomas como névoa cerebral e insuficiência cardíaca.

Prejudicando o mecanismo de auto-reparo do DNA


Em um estudo publicado na revista Viruses, laboratórios de duas universidades suecas relataram que as proteínas spike inibiriam a capacidade das células em crescimento de reparar danos ao DNA.

Os experimentos investigaram as funções de junção final não-homóloga (NHEJ) e recombinação homóloga (HR) do DNA em células renais embrionárias. Estas são as duas principais vias de auto-reparo do DNA celular de mamíferos.

Descobriu-se que, em comparação com o grupo de controle, as proteínas spike em três estados diferentes, incluindo proteína spike de comprimento total, subunidade S1 da proteína spike e subunidade S2, causaram danos severos à capacidade inata do DNA de mamíferos de se auto-reparar, com a proteína spike de comprimento total causando danos particularmente graves.

Este estudo envolve a capacidade do DNA humano de se reparar. E, até agora, temos apenas resultados preliminares de modelos celulares. No entanto, este é um tema muito importante e merece maior acompanhamento da comunidade médica.

Por algumas razões obscuras, este artigo foi retirado, mas ainda podemos acessar o relatório completo on-line.

Assim, dois dos danos mais importantes às células humanas causados pelas proteínas spike são os danos às mitocôndrias das células e os danos à capacidade de auto-reparação do DNA. Isso, por sua vez, prejudicaria o funcionamento básico de nossos principais órgãos da vida, incluindo o sistema imunológico do corpo.

Órgãos para os quais as proteínas spike são distribuídas


Antes que um novo medicamento ou vacina possa ser aprovado pelas agências reguladoras de medicamentos um documento importante sobre sua biodistribuição chamado "perfil farmacocinético" deve ser apresentado, a fim de relatar o processo sobre como o medicamento ou vacina é liberado, absorvido, distribuído, metabolizado e excretado do corpo.

A agência reguladora americana FDA, por exemplo, aprovou um estudo de biodistribuição de vacinas de mRNA pela Pfizer em novembro de 2020, que está disponível no site do Centro de Avaliação e Pesquisa Biológica (CBER) da FDA.

Este estudo envolveu o uso de mRNA isotopicamente marcado para os experimentos. Como os isótopos são prejudiciais aos seres humanos, os experimentos foram realizados em ratos.

Os ratos foram injetados com 50 microgramas de vacina de mRNA. Após 15 minutos, além de ter uma concentração relativamente alta no local da injeção, a vacina começou a se dispersar para diferentes órgãos do corpo, atingindo primeiro o fígado e o baço.

Após uma hora, a concentração da vacina no fígado e baço aumentou ainda mais, atingindo as glândulas suprarrenais e a medula óssea.

Após 24 horas, os pesquisadores examinaram a distribuição da vacina de mRNA nos ratos e descobriram que, além do nível mais alto no local da injeção, os níveis mais altos seguintes estavam no baço, fígado, glândulas suprarrenais, ovários, medula óssea, gânglios linfáticos, rins, músculos e coração, em ordem de concentração.

O baço e o fígado são os dois órgãos que têm uma influência fundamental na imunidade.


Então, quais são os efeitos das vacinas em órgãos individuais?

  • Sistema imunitário: Ela afeta a linfa e prejudica as funções das células imunológicas no baço, resultando em diminuição das funções do sistema imunológico e possível ativação de vírus latentes, como o vírus herpes.
  • Fígado: A toxina tem o efeito mais direto no fígado, causando danos hepáticos autoimunes.
  • Células miocárdicas: Causa inflamação das células cardíacas, levando a miocardite e pericardite.
  • Sistema nervoso: Causa névoa cerebral e perda de memória.

Além disso, as proteínas spike causam inflamação crônica de outros órgãos, resultando em outros sintomas, incluindo fadiga e irregularidades no ciclo menstrual. No entanto, nem todos terão esses problemas após a vacinação, pois qualquer tipo de doença tem contribuintes internos e externos. No entanto, problemas a longo prazo poderão surgir porque ainda é cedo dizer exatamente quais danos no futuro próximo virá. 

No entanto, se desenvolvermos sintomas em diferentes órgãos após a vacinação, é importante prestar atenção e remover os possíveis danos causados pelas proteínas spike da vacina COVID.

Diretriz para desintoxicação de proteínas spike


O Conselho Mundial da Saúde (CMS) internacional publicou diretrizes para a desintoxicação das proteínas spike. Em conjunto com esta orientação, resumimos algumas estratégias baseadas nos dados de pesquisa disponíveis para abordar os danos causados pela proteína spike do vírus SARS-CoV-2: medicina ocidental e ervas naturais.

Ivermectina


A ivermectina é um composto originário da natureza.

Satoshi Omura, microbiologista e químico orgânico japonês, que cresceu na família de um agricultor, descobriu a partir de amostras de solo o composto antecessor da ivermectina, Streptomyces Avermectinius, e o modificou em ivermectina.

A ivermectina é usada há mais de 50 anos. A ivermectina foi usada pela primeira vez no tratamento de doenças parasitárias, como oncocercose, cegueira dos rios e elefantíase.

Além de tratar parasitas, experimentos celulares in vitro revelaram que a ivermectina tem efeitos antivirais de amplo espectro. Ele pode ser usado para combater vírus de RNA (incluindo HIV, vírus da dengue, vírus da gripe) e vírus de DNA.

Além disso, a ivermectina tem uma variedade de mecanismos antivirais. Também pode inibir a entrada viral nas células e a função da protease viral, bloqueando assim a replicação viral. Um estudo publicado na revista In Vivo descobriu que a ivermectina pode interferir na ligação da proteína spike à membrana celular humana.

Em um estudo in vitro sobre ivermectina publicado na Antiviral Research, os pesquisadores adicionaram ivermectina às células infectadas com o vírus SARS-CoV-2 e, em seguida, colheram o sobrenadante e as pelotas celulares para análise adicional. Foi revelado que dentro de 48 horas após a adição de 5 μM de ivermectina, o RNA viral do SARS-CoV-2 foi reduzido em 99,999%, deixando apenas 0,001%.

Um estudo prospectivo e observacional do programa de prevenção da COVID-19 com ivermectina em toda a cidade foi conduzido entre julho de 2020 e dezembro de 2020 em Itajaí, Brasil.

Na ausência de contraindicações, a ivermectina foi oferecida como tratamento opcional a ser tomado por dois dias consecutivos a cada 15 dias na dose de 0,2 mg/kg/dia.

Dos 223.128 cidadãos de Itajaí considerados para o estudo, um total de 159.561 indivíduos foram incluídos na análise: 113.845 (71,3%) usuários regulares de ivermectina e 45.716 (23,3%) não usuários. Os principais resultados são: O uso regular de ivermectina em 0,2 mg/kg/dia por 2 dias a cada 15 dias levou a uma redução de 68% na mortalidade por COVID-19 (0,8% versus 2,6% entre não usuários de ivermectina; p < 0,0001). Houve redução de 56% na taxa de internação (p < 0,0001).

Se a ivermectina funciona para a prevenção da COVID-19, em teoria deve funcionar para reduzir a toxicidade da proteína spike. Como não há dados de ensaios clínicos diretos sobre os efeitos desintoxicantes da ivermectina para lesões causadas por vacinas, a instrução sob orientação médica deve ser seguida para casos individuais.

NAC (N-acetil-L-cisteína)


Esta droga é um expectorante bem estabelecido, que é capaz de reduzir a aderência do escarro, bem como um potente antioxidante natural.

Embora seja incapaz de interferir com a ligação das proteínas spike aos receptores ACE2, reduz a oxidação das proteínas spike depois que elas entram nas células. Como um agente neutralizante, pode reduzir as consequências da toxicidade após o envenenamento.

Um estudo de modelo celular publicado na revista Circulation Research descobriu que a expressão de algumas proteínas normais, como a enzima conversora de fosfoangiotensina (pACE2), ACE2 e proteína quinase ativada por AMP (AMPK), diminuiu em células endoteliais de artéria pulmonar infectadas com proteínas pseudo-spike, enquanto a expressão da proteína ruim MDM2 (que promove a formação de tumores) aumentou.

A NAC, por outro lado, tem um efeito restaurador nas células. É capaz de restaurar as células danificadas pelas proteínas spike para quase o mesmo estado que as células normais.


Como não há dados de ensaios clínicos diretos para confirmar os efeitos na redução da toxicidade da proteína spike, uma instrução sob orientação médica deve ser seguida.

Plantas e Ervas


Desde os tempos antigos, botânicos e ervas têm sido ferramentas tradicionais usadas por pessoas em todo o mundo para cuidados de saúde.

De acordo com o Relatório Global de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas de 2015, quase 85% da população mundial continua a depender de botânicos como fonte primária de produtos de saúde.

Pelo menos 40% dos compostos atualmente aprovados para drogas sintéticas no mercado farmacêutico vêm de plantas, ou produtos naturais à base de microrganismos. A contribuição da natureza para a nossa espécie humana é significativa.

Catequina e curcumina


A catequina, um extrato de chá, é um antioxidante natural que responde por cerca de 75% a 80% do conteúdo de polifenóis do chá e é uma das fontes do amargor do chá.

A curcumina, derivada da cúrcuma, é um componente importante do curry. A curcumina tem poderosas propriedades antioxidantes, víraus, anti-câncer e anti-inflamatórias.

Um artigo publicado na Scientific Reports – Nature estudou esses dois componentes e descobriu que a curcumina se liga ao domínio de ligação ao receptor das proteínas spike; e a catequina liga-se a aminoácidos próximos ao domínio de ligação ao receptor, bloqueando assim as proteínas spike de se ligarem aos receptores ACE2 e bloqueando a entrada de proteínas spike nas células.

Esses dois ingredientes podem inibir a invasão viral de células na primeira barreira imunológica natural do corpo, proteger as portas de entrada da célula e reduzir a força do vírus.


Referências

https://www.ahajournals.org/doi/epub/10.1161/CIRCRESAHA.121.318902

https://www.mdpi.com/1999-4915/13/10/2056

https://phmpt.org/wp-content/uploads/2022/03/125742_S1_M4_4223_185350.pdf

https://iv.iiarjournals.org/content/34/5/3023.long

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7129059/

https://www.cureus.com/articles/82162-ivermectin-prophylaxis-used-for-covid-19-a-citywide-prospective-observational-study-of-223128-subjects-using-propensity-score-matching

https://www.nature.com/articles/s41594-021-00570-0

https://www.ahajournals.org/doi/epub/10.1161/CIRCRESAHA.121.318902

https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/24142193/

https://www.nature.com/articles/s41598-021-81462-7

https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0251649

https://www.mdpi.com/1424-8247/14/8/742

Referência: The Epoch Times


Obtenha o Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco para melhor Imunidade e Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui


Siga-nos: | | e | Inscreva-se na nossa | Nos Apoie: Doar
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR