Coletividade Evolutiva , Toxicidade extrema ao flúor exposta em processo federal contra a EPA dos Estados Unidos , Ciência , Governo , Ivermectina , Meio ambiente ,

Toxicidade extrema ao flúor exposta em processo federal contra a EPA dos Estados Unidos

O processo incluiu depoimentos pontuais de especialistas importantes em toxinas ambientais e admissões de funcionários da EPA


Toxicidade extrema ao flúor exposta em processo federal contra a EPA dos Estados Unidos

A Fluoride Action Network (FAN) processou a Agência de Proteção Ambiental (EPA) dos Estados Unidos sob a Lei de Controle de Substâncias Tóxicas em 2017, e parece estar perto de sua conclusão. De acordo com a lei, os cidadãos podem contestar a EPA na Justiça quando a agência rejeita uma petição para proibir ou regulamentar uma substância tóxica. O processo da FAN é o primeiro em 44 anos de história do ato a realmente chegar a julgamento.

O processo incluiu depoimentos pontuais de especialistas importantes em toxinas ambientais e admissões de funcionários da EPA e dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) de que o flúor poderia estar ligado a danos específicos. O processo também revelou interferência do governo em descobertas científicas cruciais.

Uma petição foi movida em novembro de 2016 apresentada à Agência de Proteção Ambiental (EPA) trouxe luz sobre os efeitos negativos à saúde associados à fluoretação da água. A petição pedia à EPA que "protegesse o público e as subpopulações suscetíveis dos riscos neurotóxicos do flúor, proibindo a adição de produtos químicos de fluoretação à água".

Durante décadas, as fontes de água municipais foram "medicadas" com subprodutos de flúor (e arsênio). Este experimento médico de décadas destina-se supostamente a prevenir a cárie dentária na população em geral, apesar de estudo crescente mostrar seu potencial negativo para a saúde humana. Este experimento em massa vem com seu próprio conjunto de riscos à saúde e ignora completamente o princípio do consentimento informado.

EPA ignora petição sobre flúor, abrindo caminho para ação judicial histórica que poderia proibir fluoretação da água


A petição de 2016 contra o flúor foi ignorada pela EPA. Isso levou a Fluoride Action Network (FAN) e a Food & Water Watch a processar a EPA. De acordo com a Lei de Controle de Substâncias Tóxicas, qualquer cidadão pode processar a EPA se a agência rejeitar uma petição para proibir ou regulamentar uma substância tóxica. 

Há evidências mais do que suficientes incluídas na petição para provar que a fluoretação em massa da água causa efeitos neurotóxicos nocivos na população. A petição incluiu 180 estudos publicados e aproximadamente 2.500 páginas de material de referência mostrando que o flúor causa neurotoxicidade e reduz o QI.

Obtenha esse suplemento: NAC N-acetilcisteína 600 mg 60 cápsulas - Montenegro Nutrition - Benefícios: Aumenta os níveis endógenos de glutationa, contribuindo para o bom estado antioxidante do corpo; Pode contribuir para a proteção dos órgãos, tecidos e células contra o estresse oxidativo, inflamação e toxinas; Auxilia a metabolização e eliminação de metais pesados e toxinas no corpo; Pode ser benéfico no tratamento da síndrome dos ovários policísticos (SOP);

Esta é a primeira vez em 44 anos que os cidadãos apresentam uma ação à EPA usando a Lei de Controle de Substâncias Tóxicas. Este processo inclui depoimentos de especialistas de dentro do CDC e da EPA. Esses testemunhos concordam que o flúor é uma toxina ambiental e de saúde humana que está ligada a danos específicos no cérebro humano. O processo chegou a revelar interferências do governo que buscavam esconder importantes descobertas científicas sobre a toxicidade do flúor.

A próxima fase do estudo incluirá uma revisão sistemática da neurotoxicidade do flúor, retirada diretamente do Programa Nacional de Toxicologia. A minuta do relatório foi divulgada em 15 de março de 2022. De acordo com um pedido da Lei de Liberdade de Informação, houve interferência significativa do governo, impedindo a divulgação dos dados. 

O ensaio também divulgará uma análise intitulada "A Benchmark Dose Analysis for Maternal Pregnancy Urine-Fluoride and IQ in Children" [Uma Análise de Dose de Referência para Gravidez Materna Urina-Flúor e QI em Crianças] pelo Dr. Philippe Grandjean et al., publicada em 8 de junho de 2021 na revista Risk Analysis.

Especialistas e cientistas apresentam argumentos convincentes para proibir a fluoretação das águas de abastecimento público


A EPA tem feito repetidos esforços para que o caso seja arquivado, mas esses novos estudos levaram o juiz a prolongar o caso. "Muita coisa mudou desde que a petição foi protocolada (...) duas séries significativas de estudos – respectivos estudos de coorte – que todos concordam ser a melhor metodologia", disse o juiz Edward M. Chen, do Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito Norte da Califórnia. "Todos concordam que foram estudos rigorosos e todos concordam que esses estudos fariam parte da melhor evidência científica disponível."

Os especialistas neste caso incluem o Dr. Grandjean, que publicou 500 artigos científicos. Seu trabalho expôs os efeitos neurodesenvolvimentais do mercúrio pré-natal e acabou sendo usado pela EPA para estabelecer uma dose de referência para metil-mercúrio. Grandjean concluiu para o ensaio: "Com um grau razoável de certeza científica, considero, portanto, os níveis elevados de exposição ao flúor na população dos EUA como um sério problema de saúde pública".

Outros especialistas importantes incluem o Dr. Howard Hu e o Dr. Bruce Lanphear. Eles são conhecidos por suas pesquisas sobre chumbo, que em última análise estabelecem padrões e regulamentos da EPA para exposição ao chumbo. 

Em seu último trabalho sobre flúor e neurodesenvolvimento, Dr. Howard afirma que a quantidade de flúor usada na água representa uma ameaça ao neurodesenvolvimento, semelhante à exposição ao chumbo. 

"É minha opinião, com um grau razoável de certeza científica, que os resultados dos estudos do elemento apoiam a conclusão de que o flúor é um neurotóxico de desenvolvimento em níveis de exposição internalizada observados em comunidades fluoretadas da água", concluiu Dr. Howard.

Este caso histórico poderia forçar a EPA a estabelecer um novo nível de referência para o flúor, tornando ilegal a adição da toxina ao abastecimento de água municipal.

Referência: Fluoride.News.


Obtenha o Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco para melhor Imunidade e Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui


Siga-nos: | | e | Inscreva-se na nossa | Nos Apoie: Doar
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR