Lockdown climático: Apenas 10 gramas de carne, recomenda Sociedade Alemã de Nutrição para enfrentar o "aquecimento global"

Lockdown do Clima: Sociedade Alemã de Nutrição quer que cada pessoa consuma apenas 10 gramas de carne diariamente para enfrentar o "aquecimento global


Lockdown climático: Apenas 10 gramas de carne, recomenda Sociedade Alemã de Nutrição para enfrentar o "aquecimento global"

A Sociedade Alemã de Nutrição (DGE) está recomendando que os alemães reduzam seu consumo de carne para 10 gramas por dia – o equivalente a uma salsicha por mês – para supostamente combater o "aquecimento global". O alarmismo climático é uma desculpa patética para impulsionar a tirania alimentar - ou melhor, o lockdown climático, ou seja, a paralisação de consumo, estruturas da agricultura e alimentar. 

Uma reportagem do jornal alemão Bild expôs a proposta radical. Escreveu: «O pano de fundo da reforma da carne planeada é algo completamente diferente. No futuro, fatores ambientais como a 'sustentabilidade' também serão levados em conta nas recomendações."

O jornal descreveu a recomendação da sociedade como "repentina e radical", explicando que os alemães consomem uma média de 109 g de carne diariamente – o que equivale a cerca de 763 g semanais. "A população terá, portanto, que mudar drasticamente seu comportamento alimentar se concordar em cumprir a nova estratégia", observou.

 Anteriormente, a DGE também tinha recomendado a redução do consumo de carne – embora a 600 g por semana mais toleráveis. A recomendação da DGE, aliás, alinhou-se com as orientações da Câmara de Agricultura da Baixa Saxónia. De acordo com o cálculo da câmara, os alemães reduzirem seu consumo de carne pela metade aproximariam o país de suas "metas climáticas". 

"Ninguém quer banir as pessoas de seu currywurst ocasional", disse a DGE ao Bild. "Mas o consumo geral de carne na população é muito alto por razões de saúde e sustentabilidade. É um fato científico."

Mas o Dr. Heike Harstick, da Associação Alemã da Indústria de Carne (VdF), pediu para divergir. Ela destacou ao jornal que reduzir o consumo de carne aumentaria a deficiência de determinados nutrientes entre a população alemã.

"Mesmo na Alemanha, muitas pessoas já estão subabastecidas com certos nutrientes, como ferro ou vitamina B12", disse ela. "Se as novas recomendações nutricionais apresentadas pela DGE se mantivessem e uma redução tão drástica nos alimentos de origem animal recomendados, a deficiência aumentaria."

Orientação da DGE é apenas o início global do lockdown climático


Um artigo de 4 de junho do Climate Depot expôs o relatório do Bild. "A partir de agora, os fatores ambientais também são parte integrante dos critérios de avaliação da agência de nutrição. Isso significa que ele não se limita mais a dizer quanta carne é saudável, ou que tipo de carne evitar, também leva em conta o balanço [de dióxido de carbono] dos alimentos."

Embora a peça tenha notado que a DGE só publica recomendações que não são obrigatórias, continuou que a sociedade também é um organismo de certificação.

"Algumas atividades dependem diretamente da aprovação da DGE, é o caso particularmente das cantinas escolares. Na verdade, concede certificados a eles. Aqueles que não têm [certificados da DGE] são quase considerados insalubres", observou a Climate Depot. "A autoridade de nutrição continuará emitindo certificações para cantinas que oferecem carne além da cota recomendada?"

Além disso, observou que a directiva radical da DGE para evitar a carne foi integrada na nova estratégia nutricional proposta pelo Ministério Federal da Alimentação e Agricultura alemão. A estratégia apresentada pelo ministro da Agricultura alemão, Cem Ozdemir, foi adotada pelo governo do chanceler Olaf Scholz em dezembro de 2022. Um plano deve ser aprovado até o final de 2023.

A recomendação para reduzir radicalmente o consumo de carne não se limita à Alemanha. Sua vizinha do sudeste França também pediu aos cidadãos franceses que limitem seu consumo de carne a 500 g por semana.

Citando autoridades de saúde do país, o Tribunal de Contas francês sugeriu em um relatório detalhado divulgado em 22 de maio que os consumidores não deveriam comer mais de 500 g por semana – cerca de 71,4 g por dia. O relatório observou que 28% dos adultos franceses estavam excedendo esse limite.

Referência: Acesse FoodPolice.news 
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Fechar Menu