Coletividade Evolutiva , Mídia e autoridades em silêncio: dados do Reino Unido mostram excesso de mortes após vacinas Covid , Ciência , Coronavírus , Covid-19 , Ivermectina , Pandemias , Vacina , Vacinação ,

Mídia e autoridades em silêncio: dados do Reino Unido mostram excesso de mortes após vacinas Covid

Governo do Reino Unido mostram um aumento acentuado no excesso de mortes em todo o país em 2022


Mídia e autoridades em silêncio: dados do Reino Unido mostram excesso de mortes após vacinas Covid
Os últimos dados do Reino Unido mostrando um aumento acentuado no excesso de mortes. As novas estatísticas divulgadas pelo governo do Reino Unido mostram um aumento acentuado no excesso de mortes em todo o país em 2022 - uma tendência que se manteve até agora este ano, de acordo com John Campbell, Ph.D., enfermeiro aposentado de acidentes e emergências, professor de enfermagem e autor de dois livros didáticos de enfermagem, analisou os últimos dados.

Os dados, divulgados na semana passada pelo Escritório de Estatísticas Nacionais e Escritório de Melhoria e Disparidades da Saúde do Reino Unido, mostram que, entre maio e dezembro de 2022, foram registradas 32.441 mortes a mais do que o habitual que excluem a Covid-19 como causa de morte.

As estatísticas oficiais do Reino Unido também mostraram que, na semana encerrada em 21 de abril de 2023, o número de mortes superou a média de cinco anos em 22,1% (2.540 mortes em excesso), enquanto na semana encerrada em 28 de abril, o número de mortes em excesso foi de 12,9% (1.569 mortes em excesso). Apenas 3,8% dos óbitos nesse período mencionaram a Covid-19 nas declarações de óbito.

John Campbell, Ph.D., enfermeiro aposentado de acidentes e emergências, professor de enfermagem e autor de dois livros didáticos de enfermagem, analisou os dados em um vídeo no YouTube gravado na semana passada.

De acordo com a análise de Campbell, houve um aumento no excesso de mortes em todas as faixas etárias e um aumento significativo nas mortes relacionadas a doenças cardiovasculares, as mortes por doenças respiratórias foram menores do que o esperado.

"Imagine que foi um ataque terrorista... seria um estado de guerra".

Segundo Campbell, os dados oficiais mostram que "o aumento de mortes está ocorrendo em todas as faixas etárias em 2022 e em 2023", e que essa tendência está sendo observada "em muitos, muitos países".

"Não são mortes por Covid", observou Campbell. "Isso é causado por outros fatores, levantando sérias questões sobre por que tantos morreram."

Classificando as 4.190 mortes em excesso registradas nas últimas duas semanas de abril como "uma quantidade enorme", Campbell comparou o número ao número de mortos como um ataque terrorista. Ele também comparou a atenção que um ato terrorista teria recebido com a falta de atenção que o excesso de mortes parece estar recebendo. Ele disse:

"Imagine que este foi um ataque terrorista [onde] 4.190 pessoas foram mortas. Seria um estado de guerra.

"Mas como as pessoas estão morrendo em ambientes diferentes... o governo simplesmente não parece estar comentando sobre isso, com a notável exceção de alguns deputados [membros do Parlamento]. Mas muito pouco sobre isso, tragicamente."

Aumento acentuado das mortes cardiovasculares


Mortes em excesso acima da média foram registradas mesmo nas faixas etárias de 0 a 24 anos e 25 a 49 anos, disse Campbell. 
Campbell disse que os dados mostram um aumento acentuado nas mortes devido a problemas cardiovasculares e derrames, o que temos visto relacionadas com vacinas Covid-19 desde 2021.

"Temo que esteja bastante claro que o excesso de mortes está afetando todas as faixas etárias", disse Campbell. "Então, as explicações que precisamos obter sobre por que essa catástrofe está ocorrendo precisam levar isso em conta."

"A questão não é tanto a doença cardiovascular, é o que está causando o aumento da doença cardiovascular", disse. "Essa é a pergunta crítica que simplesmente não parece estar sendo feita, por que as doenças cardiovasculares estão aumentando?"

De acordo com Campbell, o aumento é observado especificamente na categoria de doença isquêmica do coração - em outras palavras, "um infarto do miocárdio, um ataque cardíaco".

Aumentos significativos também foram observados no número de mortes por insuficiência cardíaca, disse Campbell, acrescentando que "isso não nos diz por que mais pessoas estão morrendo de insuficiência cardíaca. É isso que precisa ser interrogado urgentemente."

As mortes devido a doenças cerebrovasculares - derrames - também aumentaram "inequivocamente", observou Campbell.

Por outro lado, o número de mortes por doenças respiratórias foi "muito menor (...) do que esperávamos", disse. "Você teria pensado que é um efeito secundário da pandemia, que estava afetando principalmente os pulmões (...) Na verdade, estamos vendo menos, indicando que há outros fatores em jogo aqui."

Os dados oficiais mostraram ainda que o excesso de mortes em lares privados foi 23% acima da média, enquanto os respetivos números para hospitais, lares de idosos e "outros" contextos foram de 10,7%, 8,4% e 14,3%, respetivamente.

'Muito pouco na grande mídia'


Campbell disse que, "infelizmente", há "muito pouco na grande mídia sobre isso" dados sobre o excesso de mortes. "A BBC, por exemplo, parece não dizer praticamente nada sobre isso. Isso é motivo de preocupação por si só", disse.

Campbell citou uma exceção - o The Mirror, um tabloide britânico que na semana passada noticiou: "Os britânicos estão morrendo em suas dezenas de milhares - e realmente não temos ideia do porquê".

De acordo com o The Mirror, "dezenas de milhares de britânicos morreram a mais do que o normal de maio a dezembro de 2022, excluindo a COVID como causa de morte, levantando sérias questões sobre por que tantos morreram".

Especialistas citados pelo The Mirror não traçaram uma conexão entre os números de mortes em excesso acima da média e a vacinação contra a COVID-19.

Em declarações partilhadas com o The Mirror, David Coleman, M.A., Ph.D., professor emérito de demografia na Universidade de Oxford e investigador associado no Departamento de Política Social e Intervenção de Oxford, disse que, após as mortes de muitos idosos, que atribuiu à COVID-19, "deveria haver um período depois em que as mortes são mais baixas do que o habitual, mas isso não aconteceu".

Ele atribuiu isso a dois motivos: aumento da obesidade na população e, aparentemente contradizendo sua declaração anterior, envelhecimento da população. Ele não explicou por que as mortes relacionadas à obesidade estariam resultando em excesso de mortes acima da média neste momento.

Para Campbell, porém, o aumento do excesso de mortes "é um fenômeno global subnotificado, o que poderíamos chamar de pandemia (...) certamente afetando muitos países ocidentais, Estados Unidos, Canadá, Nova Zelândia, Austrália, Europa, lugares assim."



Obtenha o Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco para melhor Imunidade e Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui


Siga-nos: | | e | Inscreva-se na nossa | Nos Apoie: Doar
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR