Coletividade Evolutiva , Proteínas spike em vacinas COVID-19 podem causar danos cerebrais, revela neurocirurgião , Ciência , Coronavírus , Covid-19 , Ivermectina , Vacina , Vacinação ,

Proteínas spike em vacinas COVID-19 podem causar danos cerebrais, revela neurocirurgião

As evidências apontam esmagadoramente para fato que as vacinas COVID-19 podem causar danos cerebrais.


Proteínas spike em vacinas COVID-19 podem causar danos cerebrais, revela neurocirurgião

O neurocirurgião americano aposentado Russell Blaylock compartilhou recentemente sua descoberta chocante de que as proteínas spike, induzidas pela "vacina" genética COVID-19 mRNA, podem causar danos neurológicos. As evidências apontam esmagadoramente para fato que as vacinas COVID-19 podem causar danos cerebrais.

"Quando há inflamação sistêmica ou qualquer tipo de trauma no organismo, ele produz inflamação e ativação do sistema imunológico. Isso envia um sinal para o cérebro em poucos minutos e começa a ativar a microglia, que é a célula inflamatória e citotóxica no cérebro", explicou Blaylock.

"Quando há uma estimulação do sistema imunológico, a microglia ramificada vai para o estágio de microglia preparada. Os pseudópodes são retraídos e se tornam uma célula de aparência mais arredondada. Dentro da microglia preparada, há uma intensa upregulation da produção de citocinas, quimiocinas e excitotoxinas, mas elas não são liberadas da célula, então pode haver alguma reação imunológica menor, mas, caso contrário, não há muito sinal de reação."

Segundo Blaylock, isso acontece após receber a primeira dose da injeção. Ele acrescentou que é importante notar que as quimiocinas atraem macrófagos, ou glóbulos brancos, para o cérebro. Um macrófago no cérebro se parece exatamente com a micróglia e também pode passar por priming.

À medida que a segunda dose é injetada meses depois, a microglia preparada torna-se totalmente ativada e, em seguida, libera todos os componentes tóxicos. "Você tem microglia ativada cronicamente, [um] estado superativado e há uma reação inflamatória três vezes maior do que você normalmente obteria com a ativação da microglia", disse Blaylock.

Ele explicou ainda que, quando alguém recebe uma infecção e se recupera dela, a microglia muda do estado ativado de volta para o estado ramificado. No estado ramificado, em vez de liberar substâncias químicas nocivas, a micróglia libera neurotrofinas que reparam os danos causados durante o estado ativado.

Estudos: Proteína spike altera funções neurológicas


Blaylock também citou vários artigos publicados que apontaram para os efeitos nocivos das vacinas, particularmente como a proteína spike pode alterar as funções neurológicas. Sabemos que a substância mRNA não fica no local da injeção, mas viaja por vários órgãos críticos do corpo, portanto, também há evidências provando que o mRNA das vacinas COVID-19 da Pfizer e da Moderna foi encontrado no cérebro, junto com outros órgãos importantes, como coração, pulmão, fígado e testículos.

Em um estudo, os pesquisadores colocaram a proteína spike em uma célula e ela formou exossomos abundantes que não apenas continham a proteína spike, mas também dois microRNAs. Blaylock disse: "A proteína spike contida no exossomo mostrou causar um declínio acentuado no IRE9 [um sistema regulador de interferon, autocontrolado] na microglia, tornando-os infinitamente mais destrutivos".

Outro estudo descobriu que os anticorpos contra apenas um fragmento da proteína spike induziram neuroinflamação e prejudicaram a memória episódica em camundongos. Isso, de acordo com Blaylock, também está acontecendo em humanos que receberam essa injeção – eles estão tendo a memória prejudicada.

"O cérebro tem um sistema anti-inflamatório especial embutido nele (...) e o que isso faz é desregular todas as respostas inflamatórias", explicou Blaylock. "Então, o que eles descobriram é que, após a imunização com a proteína spike, ela desenvolve essas reações imunológicas à proteína spike, justamente desse fragmento, e houve uma perda de memória episódica nesses animais. A segunda injeção é sempre pior."

Outra pesquisa sobre os efeitos mitocondriais mostrou que a proteína spike aumentou a atividade mitocondrial da micróglia, produzindo níveis extremamente altos de espécies reativas de oxigênio e nitrogênio reativos. Isso torna a microglia mais destrutiva do que normalmente seria.

O artigo concluiu que houve um aumento de 64% no principal componente inflamatório (inflamassoma) em uma célula. Também mostrou que a proteína spike prejudicou a capacidade do cérebro de tolerar inflamação e aumentou muito a tempestade de citocinas cerebrais.

Referência: VaccineInjuryNews.com 

Obtenha o Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco para melhor Imunidade e Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui


Siga-nos: | | e | Inscreva-se na nossa | Nos Apoie: Doar
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR