Coletividade Evolutiva , Autoridade espanhola admite: Rastros químicos para manipulação do clima está sendo usado em todo o mundo , Geoengenharia , Meio ambiente ,

Autoridade espanhola admite: Rastros químicos para manipulação do clima está sendo usado em todo o mundo

Serviço meteorológico da Espanha agora admite abertamente que a manipulação do clima é promovida e realizado em vários países do mundo


Autoridade espanhola admite: Rastros químicos para manipulação do clima está sendo usado em todo o mundo

O que temos alertado aqui no Coletividade Evolutiva a anos, com dados, documentos e muito mais, agora foi admitido por um órgão oficial. Um artigo revelador apareceu no site da Agência Estatal de Meteorología (AEMET) - o serviço meteorológico do estado da Espanha - em 10 de abril: Caso contrário, rotulado como uma teoria da conspiração, ele admite abertamente que a manipulação do clima é promovida e realizado em vários países do mundo a décadas. Neste país, essas técnicas altamente controversas geralmente são associadas apenas à China ou Dubai - embora também está sendo usada aqui no Brasil. 

O artigo intitulado “Algumas considerações sobre a modificação do clima causada pelo homem” já caiu aos pés do serviço meteorológico: Na segunda-feira, foi prontamente publicado um esclarecimento de que a empresa não estava envolvida em nenhum projeto de modificação artificial do clima. Esforços também foram feitos para diferenciar a semeadura de nuvens descrita de rastros ou os chamados chemtrails. (Veja aqui: A modificação climática está sendo usada contra a humanidade, causando, tempestades recordes, furacões recordes, secas recordes e muito mais)

Claro, isso não muda o fato de que o artigo confirmou muitos temores. Os defensores das teorias dos chemtrails também discordam sobre exatamente que tipo de produtos químicos são introduzidos na atmosfera: a AEMET agora pelo menos confirmou que práticas como pulverizar iodeto de prata, cloreto de sódio ou gelo seco provavelmente serão mais difundidas do que se sabia anteriormente. Porque, segundo o artigo, as chamadas técnicas de ativação em nuvem são “usadas em dezenas de países”. Deve ser mais de 50.

Logo no início o relatório afirma:

Todos os anos, recursos de pesquisa crescentes são dedicados à modificação artificial do clima com o objetivo de aumentar a precipitação nos locais mais desfavorecidos e carentes ou em florestas devastadas pelo fogo. Afinal, muitas das atividades socioeconômicas em muitas regiões dependem das chuvas muitas vezes erráticas e esparsas. Mudanças nos ciclos climáticos de origem natural ou antropogênica podem agravar a situação em diferentes áreas, aumentando o estresse hídrico devido à seca ou à frequência de tempestades destrutivas.

Mas os objetivos da modificação artificial do clima vão além. Algumas ações e campos de pesquisa apontam na direção oposta, ou seja, a supressão da precipitação. Isso se aplica, por exemplo, a tentativas de evitar chuvas de granizo prejudiciais à agricultura ou fortes nevascas sobre centros urbanos importantes.

A modificação artificial do clima também é usada para combater o gelo e dispersar o nevoeiro. Em escala muito maior, também houve tentativas de combater ciclones tropicais que foram abandonadas nas décadas anteriores. Recentemente, os projetos de engenharia climática também se tornaram tópicos.

No artigo, são apontadas as muitas ambiguidades em relação à manipulação artificial do clima e que uma extensa pesquisa para cada área individual é necessária para a aplicação. O Brasil, em particular, tem uma grande variedade de zonas climáticas. O foco do artigo é particularmente na semeadura de nuvens, em que as nuvens são feitas para chover ao serem "semeadas" com iodeto de prata, cloreto de sódio ou gelo seco.

Segundo a AEMET, o uso de outros tipos de partículas com base em técnicas de nanotecnologia está sendo cada vez mais explorado. O fato de tais técnicas já estarem sendo não apenas investigadas, mas também aplicadas por “dezenas de países” ao redor do mundo é uma novidade. (Veja esse artigo: Geoengenharia: o público estar sofrendo uma guerra climática disfarçada de mudança climática)

Conforme alertamos em um artigo sobre que tipo de partículas estão jogando sobre nossas cabeças, aqui está:

Duas substâncias químicas continuam aparecendo em quase todas as pesquisas de geoengenharia ou no recém-divulgado nome de Injeção de Aerossol Estratosférica.. Alumínio e óxidos de enxofre sempre parecem ser os corredores da frente quando se trata de gestão de radiação solar e geoengenharia como os cristais de gelo que formam são altamente reflexivos. Os óxidos de enxofre são a irmã feia do alumínio quando se fala em programas atuais de geoengenharia. No entanto, o dióxido de enxofre está provando ser um poderoso químico de geoengenharia, com efeitos na vida animal e vegetal tão horríveis quanto a alumina, e dificilmente alguém o está considerando em termos de um programa atual de geoengenharia. Perceba que este produto químico, que está se tornando o principal candidato para uso operacional "publicamente", como agente de geoengenharia, tem sido expelido abertamente de aeronaves a jato em grandes quantidades por décadas. (Saiba mais aqui)

Aviso de "potencial de contaminação em grande escala"


Na Alemanha, no final de 2021, em entrevista altamente crítica ao meteorologista Frank Böttcher, só se falava que a China e o Emirado de Dubai usariam tais tecnologias. O meteorologista criticou duramente o procedimento devido aos "enormes efeitos colaterais" e apontou que é extremamente controverso se as técnicas funcionam, porque você não tem a mesma nuvem disponível duas vezes para verificá-la. Böttcher alertou:

Meu forte palpite é que, se começarmos a manipular o clima agora, faremos mais mal do que bem. Acho que nos superestimamos imensamente e acho que devemos ficar longe disso, porque realmente envolve riscos enormes. Também quais substâncias são lançadas na atmosfera e depois caem novamente. A longo prazo, isso gera um potencial de contaminação em larga escala e, claro, riscos de conflitos internacionais ao mesmo tempo. Nem sabemos se realmente funciona, o que isso faz com o sistema climático geral e que efeito dominó tem.

Esses potenciais de contaminação são geralmente o que mais preocupa os defensores das chamadas teorias da conspiração. Portanto, a AEMET não deveria se surpreender com o fato de seu artigo ter causado indignação. Por outro lado , o serviço meteorológico da Espanha ainda observa que mais de 50 países estão realizando “atividades de modificação artificial do clima”. 

Se você procurar estudos sobre isso, encontrará rapidamente resultados escaldantes - por exemplo, de Israel , onde um experimento de semeadura de nuvens obviamente falhou, ou dos EUA , onde no máximo sucessos mínimos foram calculados em um projeto para aumentar as chuvas em Wyoming.Que consequências essa alegre experimentação tem para o ambiente (e as criaturas nele) não parece ser relevante. Alega-se que a concentração das substâncias utilizadas é certamente baixa o suficiente para que nada de ruim possa acontecer.

Obtenha o Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco para melhor Imunidade e Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui


Siga-nos: | | e | Inscreva-se na nossa | Nos Apoie: Doar
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR