As nanopartículas em injeção COVID comprometem o DNA, revela investigação

Estudos recentes indicam que as injeções de COVID contêm nanopartículas que comprometem o DNA humano, isso significa potencial de danos permanente.


Investigação: nanopartículas de injeção COVID comprometem o DNA

O DNA, é o bloco de construção dos seres humanos, é parte integrante da evolução e da saúde da espécie. DNA é uma molécula presente no núcleo das células de todos os seres vivos e que carrega toda a informação genética de um organismo. A maioria das pessoas fica surpresa ao saber que o Ácido Desoxirribonucleico (DNA) dentro do corpo humano é dinâmico, o que significa que tem o potencial de mudar significativamente ao longo do processo de envelhecimento. Estudos recentes indicam que as injeções de COVID contêm nanopartículas que comprometem o DNA humano, isso significa potencial de danos permanente.

Os primeiros resultados da investigação revelaram a presença de nanopartículas e outras partículas inorgânicas microscópicas dentro de amostras das substâncias vacinais mRNA. As minúsculas partículas referidas como nanopartículas dentro das injeções COVID alteram o DNA humano, tornando o defeituoso. - ou estão substituindo por outro tipo de DNA?

Um olhar mais atento sob a lente do microscópio revela a verdade Cientistas que usaram o escopo FEG-EOM, abreviação de microscópio de varredura eletrônica ambiental de pistola de emissão de campo, para analisar injeções das gigantes farmacêuticas detectaram contaminantes particulados da variedade inorgânica.

A substância tecnológica vacinal mRNA está passando por uma investigação aprofundada para uma potencial ladainha de efeitos colaterais resultantes da infiltração de nanopartículas que se espalham e danificam o DNA. O trabalho de investigação centra-se no uso de microscopia eletrônica para identificar contaminantes sólidos. Este feito é realizado com o uso de um escopo de varredura complexo completo com um raio-x de microssonda.

As investigações verificaram a composição físico-química das vacinas consideradas de acordo com o componente inorgânico declarado pelo Produtor. Em detalhes, verificou-se a presença de sais salinos e de alumínio, mas foi identificada em todos os casos a presença adicional de corpos estranhos micro, submicro e nanodimensionados, inorgânicos (variando de 100nm a cerca de dez mícrons), cuja presença não foi declarada nos folhetos entregues na embalagem do produto (Tabela 2).

A gigante farmacêutica não admitiu que tais partículas estavam em suas substâncias vacinais, em última análise, tornando a presença dessas partículas inexplicável e completamente injustificada. Conforme Coletividade Evolutiva também compartilhou, o Dr. Peter McCullough, diretor científico da The Wellness Company e um dos cardiologistas mais respeitados dos Estados Unidos, explicou recentemente por que é a substância vacinal, não o vírus, que está causando danos em milhares de vacinados:

O Dr. McCullough explica que as injeções instalam um código genético por meio de nanopartículas lipídicas. As nanopartículas se movem por todo o corpo humano, comprometendo o coração e os vasos sanguíneos, resultando em coágulos sanguíneos potencialmente mortais e danos ao coração.

Examine os estudos e outras literaturas médicas emergentes sobre este assunto, e você descobrirá que as partículas em questão não são biocompatíveis e não biodegradáveis. As evidências sugerem que são as nanopartículas das vacinas COVID que são responsáveis pela miocardite, períodos irregulares, mortes súbitas e alterações no DNA.

Há também a ameaça sempre iminente de indivíduos injetados transmitindo seu DNA comprometido para a prole, que, por sua vez, transmitem seu DNA contaminado para seus próprios filhos. (Veja também: Pesquisadores independentes identificam DNA em vacinas corona que não pertencem a ela
)

Além das nanopartículas que comprometem o DNA mencionadas acima, os cientistas também encontraram o que corrobora com que já publicamos antes, corpos estranhos de 100 nm a 10 mícrons completos de tamanho. A substância também contêm sais de alumínio, solução salina e componentes adicionais inesperados.

Os contaminantes da substância vacinal têm o potencial de romper as barreiras dos núcleos celulares e interagir com o DNA. A questão é se as gigantes farmacêuticas estão intencionalmente sabotando o DNA da população com nanopartículas que podem facilmente reduzir a expectativa de vida do indivíduo, ser usadas para sequestrar/ patentear a autonomia pessoal ou se a presença dessas partículas nocivas é apenas um descuido.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.