Na pesquisa do CDC com mais de 13.000 crianças, mais da metade teve 'reação sistêmica' após a vacina COVID-19

Os pais relataram que 6% das crianças pequenas foram incapazes de realizar atividades normais após a segunda dose


Na pesquisa do CDC com mais de 13.000 crianças, mais da metade teve 'reação sistêmica' após a vacina COVID-19

Em uma pesquisa dos Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) com mais de 13.000 crianças, mais de 55% dos indivíduos com idades entre 6 meses e dois anos tiveram uma “ reação sistêmica” em resposta à primeira dose das vacinas Pfizer-BioNTech ou Moderna COVID-19, o CDC disse em 1º de setembro, de acordo o jornal 
The Epoch Times

Uma reação sistêmica é uma resposta além do local da injeção. O CDC disse que quase 60 por cento tiveram uma reação sistêmica à segunda dose da vacina Moderna. (As substâncias de mRNA (Ou proteína Spike), foi demonstrado que circula por vários órgãos afetando os mesmos).

Embora as reações sistêmicas mais comuns tenham sido fadiga, febre, irritabilidade e choro, os pais de mais de 6% das crianças no estudo disseram que seus filhos não conseguiam realizar atividades normais após a segunda dose da vacina Pfizer-BioNTech ou Moderna. .

O CDC coletou os dados por meio de um programa chamado V-Safe – um sistema de monitoramento baseado em smartphone que opera por meio de um aplicativo que os pais baixam em seus telefones.

Entre 18 de junho e 21 de agosto, pais de mais de 10.000 crianças pequenas relataram reações ao CDC por meio do V-Safe nos sete dias após o filho ter recebido a vacinação contra o COVID-19.

Os pais de 8.338 crianças com idades entre seis meses e dois anos que receberam a vacina Moderna relataram informações por meio do V-Safe, com 55,7% relatando uma reação sistêmica após a primeira dose e cerca de 58% após a segunda dose. Para a vacina da Pfizer, os pais de 4.749 crianças com idades entre seis meses e dois anos apresentaram relatórios mostrando que 55,8% tiveram uma reação sistêmica após a primeira dose e cerca de 47% após a segunda dose da vacina.



As reações mais frequentemente relatadas para crianças de seis meses a dois anos foram irritabilidade ou choro, sonolência e febre. As reações mais comuns em crianças de 3 a 5 anos foram dor no local da injeção, fadiga e febre.


Impactos na saúde

Os dados também mostraram uma categoria de reação mais séria rotulada como “qualquer impacto na saúde”.

Cerca de 10% de todas as crianças de seis meses a dois anos tiveram um “impacto na saúde” após receberem a primeira dose da vacina Moderna ou da Pfizer. Para a vacina Moderna, um pouco mais de crianças teve impacto na saúde após a segunda dose; para a vacina da Pfizer, foi um pouco menor.

As informações foram apresentadas ao Comitê Consultivo de Práticas de Imunização (ACIP) do CDC em 1º de setembro como parte de uma visão geral de todos os dados relacionados à segurança das vacinas COVID-19.

Além do V-Safe, foram apresentados dados resumindo relatórios do Vaccine Adverse Event Reporting System (VAERS) e do Vaccine Safety Data Link (VSD), que inclui dados de várias grandes organizações de manutenção de saúde nos Estados Unidos.

Todos os três sistemas analisam a segurança das vacinas depois de já terem ido ao mercado e terem sido administradas a um grande número de pessoas.

Tom Shimabukuro, chefe da equipe de segurança de vacinas do CDC, liderou a apresentação e disse aos membros do comitê que nenhum “sinal estatístico” de reações à vacina COVID-19 foi encontrado para crianças pequenas nos dados do VSD.

Shimabukuro também disse que as reações sistêmicas foram “comumente relatadas” após as vacinas.

No entanto, outros profissionais médicos, como a Dra. Meryl Nass, da Children's Health Defense, expressaram cautela sobre as reações relatadas, apontando para o alto número de relatos de reações sistêmicas entre crianças muito pequenas.

Ela disse ao Epoch Times em 2 de setembro que estava questionando por que o governo não coleta e apresenta mais informações sobre esses casos.

“Esse material não é considerado muito importante pelo CDC… Supõe-se que todos esses efeitos colaterais desaparecem depois de alguns dias e deixam as pessoas perfeitamente bem”, disse ela, mencionando as febres e a fadiga. “Essas reações podem, de fato, ser precursoras de reações mais graves, mas ninguém, que eu saiba, publicou nada analisando se essas reações agudas locais ou sistêmicas são indicadores de um problema posterior”.

A FDA aprovou a autorização de uso emergencial das vacinas COVID-19 para crianças de seis meses a 5 anos em 17 de junho. De acordo com o CDC, cerca de 599.460 crianças nessa faixa etária receberam a vacina Pfizer-BioNTech e cerca de 440.770 receberam a vacina Moderna.

De 18 de junho a 31 de agosto, aproximadamente 1 milhão de doses das vacinas Moderna e Pfizer foram administradas a crianças dessa faixa etária.

Em uma revisão dos dados do VAERS em crianças pequenas de 18 de junho a 31 de agosto, o CDC teve 496 notificações de eventos adversos para crianças de seis meses a quatro anos que receberam a vacina da Pfizer e 521 para crianças de seis meses a cinco anos que recebeu a injeção de Moderna, com evento adverso definido como possível efeito colateral.

Mais de 98 por cento dos relatórios foram para o que o CDC considera eventos não graves.

Há 220 notificações de pessoas com idades entre seis meses e 5 anos sendo levadas ao pronto-socorro após uma vacina contra a COVID-19. Em um caso envolvendo um menino de 2 anos no Arizona, o relatório do VAERS diz que ele recebeu a vacina da Pfizer em 29 de julho e em 30 de julho teve um “episódio com risco de vida”.

O relatório lista seus sintomas como “pele úmida e vômitos que levam (8 minutos) a dificuldade para respirar”. O menino “ficou azul”, ficou “flácido” e “não respondeu” e “parou completamente de respirar por dois minutos”, segundo o relatório.

Ele foi reanimado após compressões torácicas.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.