Vacinação

EVIDÊNCIA: vacinados da Covid estão morrendo de ataques autoimunes contra seus próprios órgãos

Vacinação: EVIDÊNCIA: vacinados da Covid estão morrendo de ataques autoimunes contra seus próprios órgãos... Dois cientistas renomados da Alemanha, Sucharit Bhakdi, MD e Arne Burkhardt, MD, publicaram um artigo revelador.

Coletividade Evolutiva
Compartilhe:
EVIDÊNCIA: vacinados da Covid estão morrendo de ataques autoimunes contra seus próprios órgãos

Após tomar injeções de mRNA que carrega a proteína spike, faz com  que seus anticorpos e linfócitos T se voltarem contra seus próprios órgãos vitais.

Dois cientistas renomados da Alemanha, Sucharit Bhakdi, MD e Arne Burkhardt, MD, publicaram um artigo revelador intitulado "Sobre as vacinas COVID: por que elas não funcionam e evidência irrefutável de seu papel causador nas mortes após a vacinação.

O estudo examinou mais de perto quinze pacientes vacinados (idades variando de 28-95) que morreram dentro de sete dias até seis meses após receberem uma vacina experimental Covid de mRNA, tecnologia usada na injeção da Pfizer ou Moderna.

As vacinas não salvaram suas vidas. Na verdade, quatorze dos pacientes vacinados falecidos sofreram de extensos danos auto-imunes em vários órgãos vitais. Em um vídeo subsequente, o  Dr. Bhakdi sublinhou que quatro em cada 15 mortos foram vacinados apenas uma vez e, no entanto, morreram.

Bhakdi e Burkhardt não são os primeiros médicos que usaram autópsias de pessoas vacinadas para estudar os efeitos das injeções COVID.

Como o The New American relatou em agosto, um patologista alemão de renome mundial, Peter Schirmacher, diretor do Instituto de Patologia da Universidade de Heidelberg, descobriu que 30 a 40 por cento das pessoas que morreram dentro de duas semanas após receberem uma injeção de COVID e em quem ele realizou uma autópsia morreu devido à vacinação. Schirmacher exortou o governo a se concentrar em autópsias mais detalhadas de pessoas que morreram nas proximidades de sua vacinação COVID. Não é de surpreender que seu apelo tenha caído no silêncio.

Cada vez mais países, incluindo os Estados Unidos e Brasil, estão se tornando cada vez mais coercitivos ao exigir que suas populações vacinem contra COVID e tomem também uma terceira dose. Algumas nações, como Israel e Alemanha, estão lançando uma quarta dose, e outras estão reduzindo o intervalo recomendado entre a inoculação inicial e os reforços.

O mRNA da proteína Spike causa ataques auto-imunes em órgãos vitais


Como os legistas não são devidamente treinados para vincular as vacinas às várias causas de morte, a maioria das fatalidades foram inicialmente determinadas como sendo causadas por "insuficiência cardíaca arritmogênica". A maioria dos pacientes (onze) nunca foi hospitalizada.

Eles morreram em casa, na rua, no trabalho, no carro ou em um estabelecimento de cuidados domiciliares. Quatro dos pacientes foram tratados na UTI por mais de dois dias. Portanto, o documento concluiu que as intervenções médicas eram "improváveis ​​de ter influenciado significativamente os resultados de pós mortes ou post-mortem"

Depois que o mRNA da vacina codifica proteínas de pico nas células, essa informação genética é traduzida nos ribossomos para produzir em massa uma proteína toxina estranha. Ao subverter a síntese protéica natural da célula, a tecnologia da vacina reprograma o sistema imunológico para combater proteínas estranhas que foram criadas à força pelas próprias células do corpo.

As células responsivas ao sistema imunológico podem ver as células, tecidos e órgãos saudáveis ​​do corpo como uma ameaça. Se as células saudáveis ​​de repente criarem proteínas de pico estranhas, as células responsivas ao sistema imunológico podem ver as células saudáveis ​​como uma ameaça ao corpo como um todo. Isso poderia desencadear uma reação autoimune fora de controle, um processo de autodestruição. 

As vacinas Covid treinam anticorpos IgG e linfócitos T para atingir os próprios órgãos do corpo


Qualquer célula que é penetrada e reprogramada pelo mRNA da proteína spike pode, em última análise, ser atacada pelos próprios anticorpos IgG e linfócitos T citotóxicos do corpo. Afinal, os linfócitos T têm como objetivo proteger o corpo contra células cancerosas e células infectadas por patógenos. Esse processo imunológico pode ocorrer em qualquer órgão.

Em 14 das 15 autópsias, o sistema imunológico atacou o coração do indivíduo. Em 13 casos, o sistema imunológico atacou os pulmões do indivíduo. O fígado, cérebro, glândulas salivares e glândula tireóide foram todos atacados em dois casos cada. Cada pessoa falecida apresentava evidências patológicas inflamatórias semelhantes em seus tecidos, principalmente com a morte de pequenos vasos sanguíneos. A evidência mais importante foi uma alta concentração de linfócitos T assassinos nos vasos sanguíneos e nos tecidos que os circundam.

“Seu músculo cardíaco, seu fígado e seus pulmões começam a produzir essas malditas [spike] proteínas, [e então] seus linfócitos assassinos vão para lá ... e destroem seu coração, seus pulmões, seu fígado”, advertiu o Dr. Bhakdi. A evidência do “auto-ataque imunológico não tem precedentes”, escreveram os médicos. “Como a vacinação foi o único denominador comum entre todos os casos, não pode haver dúvida de que foi o gatilho da autodestruição desses indivíduos falecidos.” Eles alertam que mais pessoas sofrerão eventos adversos semelhantes à medida que doses adicionais de reforço forem aprovadas.

As vacinas também penetram nos nódulos linfáticos, ensinando essas células a produzir proteínas spike em vez de glóbulos brancos. Isso pode fazer com que os linfócitos T ataquem uma das defesas imunológicas essenciais do corpo. 

Pessoas que foram vacinadas serão mais suscetíveis a várias infecções de origem viral e bacteriana porque uma faceta de seu sistema imunológico está sendo treinada para danificar outras facetas do sistema imunológico. Esta evidência levou um médico, Dr. Peter McCullough, a declarar as vacinas contra Covid como o “lançamento de produto biológico mais perigoso da história humana”. 

As descobertas foram apresentadas em 10 de dezembro em um simpósio interdisciplinar onde os pesquisadores discutiram a segurança e eficácia das novas vacinas.
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Veja mais sobre:

Coronavírus Covid-19 Produtos químicos Proteína Spike Vacina Vacinação
Compartilhe:
RELATAR ERROS:

: Ao reproduzir este artigo: Uso não comercial OK, cite | coletividade-evolutiva.com.br | com um link clicável. Siga Coletividade Evolutiva nas | REDES SOCIAIS | Se você gosta de informações como as que publicamos, por favor, considere fazer uma doação para nos ajudar a manter nosso trabalho e o Coletividade Evolutiva disponível | FAZER UMA DOAÇÃO |

MAIS RECENTES