Inquietante: Estudo italiano revela que 94% de 1006 pacientes apresentaram alteração no sangue após vacinas de mRNA

Várias alterações no estado de agregação das hemácias e a presença no sangue periférico de partículas de várias formas e tamanhos


Inquietante: Estudo italiano revela que 94% de 1006 pacientes apresentaram alteração no sangue depois das vacinas de mRNA

Os médicos italianos Riccardo Benzi Cipelli, Franco Giovannini como primeiro autor do estudo e Gianpaolo Pisano – fizeram a curadoria de um estudo controverso e muito interessante onde o Doutor Pisano, também entrou no estudo como paciente.

Em abril de 2021, Riccardo Cipelli disse ter visto vídeos onde colegas suíços e alemães observavam o que acontecia no sangue de pessoas vacinadas, ele procurou envolver médicos e pesquisadores para estudar o fenômeno, mas os médicos escapavam. 

Foi o Dr Pisano quem disse a Cipelli que Giovannini estava acumulando observações sobre o assunto. É um estudo puramente observacional sobre o que está acontecendo em suas atividades clínicas normais. Continue lendo abaixo:

O jornal italiano La Verità, em uma publicação do dia 14 de agosto 2021 ( aqui ), trouxe uma entrevista com dois dos três médicos que publicaram pesquisas sobre pessoas inoculadas com I’mRna. O resultado foi a alteração no sangue dos vacinados, o que causou um alvoroço nas cabines dos “fact-checkers” que não hesitaram em desmentir as pesquisas sem nenhum confronto científico, classificando-a como “desinformação”.

O primeiro autor do estudo Franco Giovannini disse ao jornal italiano:

«Desde o início da campanha de vacinação, muitos pacientes apresentaram alterações hematológicas graves e semelhantes. Partículas exógenas que não deveriam estar no sangue. Constantemente as mesmas, ou aquelas com características semelhantes, tendem a se “auto-montarem” ao longo do tempo com uma atitude “fractal”, repetitiva e não aleatória. Em suma, morfologias de sobreposição independentemente do paciente. E o denominador comum é que todos os pacientes foram inoculados com Pfizer ou Moderna“.

No estudo foi publicado uma análise microscópica de campo escuro de 1.006 indivíduos sintomáticos após a inoculação com os dois tipos de vacinas de mRna ( aqui ). É um método de estudo das células sanguíneas por meio de um microscópio óptico ao qual é aplicado um condensador especial, capaz de destacar detalhes que de outra forma não seriam visíveis. Isso permite uma avaliação inicial das partes corpusculares do sangue.

Dos 1.006 indivíduos analisados, 94894% do total – apresentaram, após inoculação das vacinas de mRna após um mês ou mais, várias alterações no estado de agregação das hemácias e a presença no sangue periférico de partículas de várias formas e tamanhos de natureza duvidosa. 

Em 12 indivíduos, por diferentes razões, foram realizados exames de sangue com o mesmo método antes da vacinação. Eles tinham imagens hematológicas normais. As alterações encontradas após a administração das vacinas de mRna reforçam a suspeita de que as alterações estariam relacionadas, em primeira instância, aos próprios soros. Apenas em 6% destes casos sintomáticos após as inoculações foi encontrado um quadro de normalidade.

O estudo relata detalhadamente quatro casos clínicos, escolhidos como resumos e representativos de toda a série de casos. Ressaltamos que são necessários mais estudos para definir a natureza exata das partículas exógenas encontradas no sangue a fim de identificar possíveis soluções. Mas, parece que a “classe científica” não está tendo interesse em abordar o assunto de forma profunda – ou se auto afirmaram céticos.

O ponto mais interessante da entrevista é quando foi perguntado aos médicos, como eles descreveriam essas alterações no sangue.

 A resposta do Dr Franco Giovannini foi :

“Empilhamento dos glóbulos vermelhos. No jargão médico, o efeito Rouleaux. Estes normalmente fluem para o sangue periférico separadamente. Eles até se rejeitam. Um empilhamento fisiológico, apenas temporário, pode ser encontrado em situações patológicas com febre,doenças reumáticas ou fungos específicos, como a aspergilose pulmonar. Mas tais empilhamentos massivos de longa duração eu nunca havia observado. Eu contei até 60 glóbulos vermelhos empilhados.”

O motivo deste acontecimento é descrito por Giovannini da seguinte forma:

“A potencialidade nociva da proteína Spike, associada ao campo eletromagnético é potencialmente devastador induzido por inclusões presumivelmente grafênicas, ele interrompe o potencial Z alterando a dinâmica do sangue. Ou seja, o potencial Z – gerado seguido da uma dupla camada elétrica em torno de partículas suspensas em um líquido, garante o equilíbrio entre atração e repulsão. No nosso caso dos glóbulos vermelhos, mantendo a sua independência vital. Quanto mais alto, mais é mantida a separação normal das células sanguíneas, evitando o empilhamento”.

Riccardo Cipelli continua :

“Para quem conhece as propriedades físicas e químicas do grafeno, a rastreabilidade ao óxido de grafeno dos comportamentos descritos no sangue já é conhecida na literatura. Há pelo menos 60 artigos específicos que tratam exclusivamente do tema de sua toxicidade e suas possíveis interações nos comportamentos das hemácias. E provavelmente não se trata apenas de grafeno. O que essas imagens de “céu estrelado” sugerem? Se trata de grafeno quantum dots ».

Em primeiro lugar, precisamos destacar alguns aspectos dignos de consideração. Esse estudo foi conduzido usando algumas amostras de sangue que foram analisadas não apenas pelos autores, mas também pelo laboratório de Microscopia Eletrônica do Departamento de Química da Universidade de Torino. (Relacionado: ESPANTOSO: Vacinas Covid estão modificando seu sangue..." ZUMBIS ou OGM?)

Onde surgiram essencialmente as mesmas alterações: presença de partículas de natureza duvidosa, agregações de glóbulos vermelhos. Em um relatório de Torino fala-se até de um corpúsculo “semelhante a estruturas do tipo grafênico”. Para ser preciso, em Torino eles fizeram a análise com um microscópio eletrônico de varredura, e não com o campo escuro. (Relacionado: O sangue de pessoas vacinadas para COVID tem um artefato estranho… o meu incluído)

Outro elemento importante a ressaltar é que, este estudo não incluiu o grupo controle nem o duplo-cego. Mas as vacinas contra a Covid como a Pfizer ( aqui ) e Moderna ( aqui ) eliminaram essas duas etapas importantes muito rapidamente dos seus estudos para obter a liberatória dos governos para uso emergencial, em prazo recorde, alegando “necessidade ética” – mesmo que nas vacinas anteriores essas etapas durassem anos.

Mas, qual seria a razão pela qual o grafeno estaria incluído nas vacinas?


Os autores do estudo respondem:

«A lógica científica a que apelam – sempre admitidas por meia boca – é facilitar a penetração nas células do mRna contido nas vacinas. Existe uma patente internacional sobre o assunto. Pontos quânticos são ladrilhos quadrados de grafeno com lados iguais ou inferiores a 100×100 nanômetros (um bilionésimo de metro, ed) e espessura de um décimo de nanômetro. Dependendo de quão pequeno é, o ponto quântico de grafeno penetra em qualquer membrana. Impossível impedir a entrada. Há também um estudo que certifica que os pontos quânticos grafênicos são bem tolerados pelo tecido nervoso: o único que atesta boa biocompatibilidade a curto e longo prazo”. Disse Cipelli.

«A verdade é que o grafeno é um material exógeno que se torna magnético uma vez inserido no corpo humano. Sem considerar a interferência eletromagnética no nível celular; um radical livre giga que determina um aumento adicional do estresse oxidativo. As consequências prejudiciais de muitas doenças cardiovasculares dependem destas últimas. Como alguém pode argumentar arbitrariamente, então, que o grafeno é biocompatível? Pelo contrário, pode-se afirmar dramaticamente que tem propriedades de mudança perigosas no corpo. Ele se automonta de acordo com esquemas pré-estabelecidos. Um material semelhante não pode ser biocompatível » disse Franco Giovannini.


Os autores do estudo foram rapidamente desqualificados pelos “checadores” na Itália – considerados como charlatões e não como médicos de verdade ( aqui ). Esses mesmos checadores que culpam a ausência de um grupo duplo-cego e controle neste e outros estudos feitos por médicos que não fazem parte do establishment, são os mesmos que permitem a publicação de estudos tendenciosos e comprados pela indústria farmacêutica.

É necessário, que o estudo no sangue dos vacinados com duplo cego e com o grupo controle seja refeito, pois os resultados obtidos neste estudo são realmente preocupantes. Saber que 94% das pessoas vacinadas contra a Covid podem ter alterações no sangue – é terrível. (Veja o que publicamos e ligue os pontos: Grafeno pode montar eletrônicos de radiofrequência em sistemas biológicos e é um ingrediente chave em vacinas COVID
)

A verdadeira desinformação consiste em não procurar os elementos que possam confirmar ou negar estes e outros fatos, e é este o verdadeiro desserviço que os fact-checkers tem praticado de forma leviana. (Este artigo está originalmente em: Karinamichelin.com)

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.