Esteja avisado: A OMS pretende destruir todas as liberdades restantes e desencadeará uma DITADURA MÉDICA global

O 'Tratado Pandêmico' proposto pela OMS é uma enorme ameaça à liberdade das pessoas comuns e trabalhadoras.


Esteja avisado: A OMS pretende destruir todas as liberdades restantes e desencadeará uma DITADURA MÉDICA global

Se nosso país abrir mão da pouca soberania nacional que resta para a OMS, é fim de jogo para a liberdade da saúde. As Nações Unidas estão em uma missão para escravizar o planeta, e uma maneira de conseguir isso é através do novo “Tratado Pandêmico” que está sendo promovido pelos globalistas malignos através da Organização Mundial da Saúde (OMS).

O tratado é uma ameaça direta à soberania de uma nação para tomar decisões por si mesma e por seus cidadãos, e corroeria a democracia em todos os lugares. O tratado não apenas capacitaria a OMS a exigir vacinas contra COVID e passaportes de vacinas globalmente, mas também poderia expandir o poder da OMS de ditar todas as políticas de saúde em todo o mundo .

Se adotado pelos países membros da OMS, o Tratado Pandêmico removeria toda a soberania nacional, ao mesmo tempo em que concederia à OMS o poder e a autoridade para ordenar o que julgar necessário para tratar uma ameaça à saúde pública, real ou imaginária.

Conforme explicado pelo Dr. Joseph Mercola, o Tratado Pandêmico basicamente dá à OMS total autoridade e poder para aplicar uma abordagem única para todas as doenças, sejam reais ou imaginárias, e “sem considerar todas as situações variadas encontradas em países."

Se a ONU conseguir o que quer, o tentáculo OMS em breve poderá exigir “vacinas” e “passaportes” associados globalmente. A OMS também poderia fazer o mesmo para quaisquer futuras outras doenças desencadeadas pelas mesmas vacinas para alcançar ainda mais os seus objetivos da agenda 2030 da ONU, que tem como a real finalidade, reduzir a população global.

Não é apenas uma ameaça, mas o Tratado Pandêmico é inválido e ilegal. E existe a possibilidade de que a OMS tente implementá-lo antes de 2024, o que nem está tão longe em primeiro lugar.

Tudo o que precisa acontecer é que a Assembleia Mundial da Saúde a vote em 2023. Se a maioria aprovar naquele momento, todos os países membros estarão vinculados a seus princípios, possivelmente imediatamente no mesmo ano.

Mais de dois anos se passaram desde que a pandemia do coronavírus (Covid-19) foi declarada pela OMS, e aparentemente o momento é propício para uma transformação total do paradigma médico global.

As negociações para o Tratado Pandêmico começaram em 3 de março de 2022, mas receberam pouca atenção devido à invasão da Ucrânia pela Rússia, que varreu as manchetes globais distraindo completamento o público do plano nefasto em acensão.

O acordo proposto pela OMS é desnecessário e é uma ameaça à soberania e aos direitos inalienáveis”. Aumenta o poder sufocante da OMS de declarar pandemias injustificadas, impor bloqueios desumanizantes e aplicar tratamentos invasivos ou forçados, inseguros e ineficazes contra a vontade do povo.

Como seria esse tratado pandêmico com as nações?


A OMS teria o direito exclusivo de declarar uma pandemia global e anular todos os direitos e constitucionais das nações e, posteriormente, impor medidas totalitárias ao comércio e às viagens entre as nações.

Que tal bloqueios, vigilância médica, testes e vacinas obrigatórias, ou execução obrigatória por falta de uma suposta cura para conter uma suposta doença mortal? A censura e o cancelamento da cultura aumentariam depois que um acordo intergovernamental desse tipo fosse alcançado? E as preocupações crescentes de que tal tratado injetaria uma nova estrutura de governança global supranacional no mundo, tornando a antiga soberania dos Estados-nação e suas leis constituintes e proteções dos cidadãos, e no caso dos brasileiros a Constituição e direitos inalienáveis, nula em tempos do que nos dizem ser uma inevitável, futura pandemia ou declarada emergência de saúde global?

Essas são questões que devem ser consideradas profundamente, especialmente considerando que a OMS tem muitas partes interessadas, incluindo doadores privados e corporações. De fato, pode-se facilmente acompanhar o dinheiro para ver que o financiamento da OMS não é estritamente governamental, como se acredita. 

Os conflitos de interesses aqui são simplesmente enormes e refletem agendas ocultas que podem ter profundas implicações para limitar a liberdade médica dos Estados membros e seus cidadãos no futuro.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Uma pequena pausa antes de continuar


Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.