Dr. Ryan Cole: As vacinas contra a Covid causam danos catastróficos aos órgãos

Dr. Ryan Cole revelou que a proteína spike do SARS-CoV-2 usada nas vacinas causam danos catastróficos aos órgãos humanos


Dr. Ryan Cole: As vacinas contra a Covid causam danos catastróficos aos órgãos
Vídeo logo abaixo do artigo.

O patologista CEO e diretor médico da Cole Diagnostics em Idaho,  Dr. Ryan Cole compartilhou os perigos das vacinas contra o coronavírus de Wuhan (COVID-19) na White Coat Summit em julho de 2021. Durante a conferência organizada pela America's Frontline Doctors /ou Médicos da Linha de Frente da América no Texas, ele revelou que as vacinas causam danos catastróficos aos órgãos humanos.

Cole revelou que a proteína spike do SARS-CoV-2 usada como o principal componente nas vacinas COVID-19 de terapia genética experimental de mRNA atualmente em uso, produzida pela Pfizer e Moderna é toxica e penetra em vários órgãos.

“Estamos dando uma sequência de genes nos corpos de seres humanos, e essa sequência vai para o nosso deltóide, onde somos informados de que ele tem uma pequena proteína de ancoragem. Uma vez que é traduzido e produz um pouco de proteína, está na superfície da sua célula [e] permanece lá”, disse ele. “Bem, adivinhe – não. Esta proteína de pico não fica apenas no deltoide. [Ele] circula em seu sangue [e] aterrissa em vários órgãos do corpo”.

Ele citou estudos realizados em animais de laboratório que envolveram apenas a proteína spike SARS-CoV-2 sendo injetada em seus corpos. Os animais injetados desenvolveram as mesmas doenças presentes nos sistemas respiratório, cardiovascular e nervoso daqueles com COVID-19.

O patologista compartilhou três exemplos de órgãos sendo danificados pela proteína spike. As células pulmonares afetadas pela proteína spike ficaram roxas e azuis devido ao excesso de inflamação – que foi causada pela ligação da proteína spike aos receptores ACE-2 nos pulmões. “[Essa é a] resposta inflamatória, [seu] sistema imunológico atacando seu próprio corpo”, disse Cole.

Ele acrescentou que, além dos pulmões, a proteína spike também atravessa a barreira hematoencefálica para romper e inflamar os vasos sanguíneos no cérebro. “O nevoeiro cerebral que você ouve de pacientes com COVID-19? Adivinhe, você também ouve sobre isso nos indivíduos pós-vacinados e danificados também.”

Além disso, Cole apontou como a proteína spike afeta negativamente o coração – o que levou a um aumento da inflamação cardíaca em pessoas mais jovens injetados com a injeção. “O pericárdio [é] o saco que envolve o coração. Isso é inflamação que não pertence lá. Uma vez que você tenha danos no coração, o coração não se cura sozinho. Uma vez que uma célula cardíaca é danificada, ela é danificada para sempre. Ela não se substitui por outra célula cardíaca, ela se substitui por uma cicatriz.”

“Você quer dar a [crianças] uma vacina [da vacina COVID-19] e vemos um aumento de cerca de 200 vezes na miocardite em nossa sociedade agora? Vamos dar uma toxina a uma criança e arruinar [seu] coração para sempre? Insanidade. Precisamos parar com a insanidade imediatamente”, disse ele.

Vacinas comprometem o sistema imunológico


O CEO e diretor médico da Cole Diagnostics em Idaho mais tarde ecoou suas críticas à proteína spike usada nas vacinas COVID-19. Ele disse a Veronika Kyrylenko, do New American , durante uma entrevista em janeiro, que a proteína spike SARS-CoV-2 usada nas injeções é responsável por comprometer o sistema imunológico .

"É uma proteína de pico que é tóxica para o corpo humano, causa a mesma doença que o vírus e está predispondo as pessoas a ataques auto-imunes e riscos de câncer potencialmente a curto prazo", disse Cole.

Segundo o patologista, as células humanas possuem receptores semelhantes a toll (TLRs) que classificam se um objeto estranho no corpo é prejudicial ou não. As vacinas desligam alguns desses TLRs, comprometendo o mecanismo de alerta do sistema imunológico como resultado. Alguns dos receptores que são desativados pelas vacinas incluem TLR7 e TLR8 responsáveis ​​pelos vírus, e TLR3 e TLR4 que mantêm o câncer sob controle.

“Quando as injeções Covid entram no corpo, eles desligam alguns desses TLRs. Normalmente eles têm que estar ligados”, disse Cole. (Recomendado: Dr. Ryan Cole diz que vacinados estão imunocomprometidos, tornando-as mais propensas ao câncer, HIV, HPV, herpes zoster, herpes, etc )

Cole também mencionou como as vacinas inibem os genes supressores de tumores. Segundo o patologista, a proteína spike se liga ao gene P53 que suprime tumores. A subunidade S1 da proteína spike também se liga ao gene TMPRSS-2 ligado ao câncer de próstata em homens e aos genes BRCA ligados ao câncer de mama.

“Estamos dando uma injeção que produz uma proteína de pico. Essa é uma toxina que se liga aos genes do câncer de maneira ruim e desliga outros receptores de padrão. Não sabemos por quanto tempo o sistema imunológico é suprimido após essas injeções e por quanto tempo esses receptores ficam desligados”. Recomendado: CÂNCER: médico relata aumento de 20 vezes em pacientes vacinados

Assistir:

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.