Adquira agora o e-book CULTIVANDO HORTA ORGÂNICA e  apenda tudo sobre o cultivo de hortas, do básico ao avançado,  desde o plantio até a colheita.
Saúde e medicina

Os testes rápidos de COVID contêm substâncias químicas tóxicas e cancerígenas

Saúde e medicina: Os testes rápidos de COVID contêm substâncias químicas tóxicas e cancerígenas... Os testes rápidos da COVID, contêm um produto químico causador de câncer.

Fabio Allves
Compartilhe:
Os testes rápidos de COVID contêm substâncias químicas tóxicas e cancerígenas

Os testes rápidos fraudulentos da COVID, contêm um produto químico tóxico causador de câncer. O sindicato com sede em Chipre diz que os requisitos atuais que exigem testes a cada 72 horas devem ser descontinuados imediatamente para proteger a saúde dos trabalhadores que estão sendo constantemente expostos à toxina.

A rede de mídia Pronews TV também fez um especial sobre os testes rápidos contaminados, observando que cotonetes altamente tóxicos estão sendo repetidamente inseridos nas cavidades nasais das pessoas, onde a substância mortal está sendo implantada.

No final de outubro, um grupo sindical baseado em Chipre chamado Isotita (Igualdade) pediu a suspensão de um teste rápido COVID depois que foi descoberto que tanto PCR quanto swabs nasais de teste rápido continham vestígios de uma substância "tóxica e perigosa" chamada óxido de etileno.

A Agência Europeia de Produtos Químicos (ECA) afirma que o óxido de etileno, usado para revestir e esterilizar tanto o PCR fraudulento quanto os testes rápidos para o vírus chinês, é tóxico, mutagênico e cancerígeno quando inalado.

O óxido de etileno é um gás liquefeito usado na indústria médica por décadas como a gente esterilizante, especialmente em suprimentos intolerantes ao calor ou à umidade. O óxido de etileno foi proibido pela União Europeia na produção de alimentos - embora permita em alguns produtos estrangeiros que contenham o composto - enquanto outros países o usam para combater bactérias, fungos e outros microorganismos.

O consumo de alimentos contendo óxido de etileno não representa um risco de efeito imediato para a saúde, mas o consumo de alimentos contaminados com óxido de etileno por um longo período de tempo, resulta em acúmulo da toxina no corpo, que eleva o risco acrescido para a saúde dos consumidores. Portanto, a exposição ao óxido de etileno deve ser minimizada.

Uma pequena quantidade de óxido de etileno é usada no controle de insetos em produtos agrícolas armazenados (exemplo: ervas e especiarias) e como fumigante ou agente esterilizante em uma grande variedade de produtos e materiais como alimentos, peles, roupas, móveis, livros, papel, couro, cosméticos, remédios, vagões, etc

Na verdade, a Comissão Europeia emitiu uma declaração reiterando que a lei (Lei Geral de Alimentos COM 178/2002) estipula que o óxido de etileno "não tem" nenhum nível seguro de exposição para os consumidores "e que" qualquer nível de exposição aos consumidores, apresenta um risco potencial. ”

De acordo com o Regulamento da UE nº 215/868, o nível máximo de resíduo de óxido de etileno é 0,05 mg / kg - mas a união de Chipre afirma que os testes rápidos de esfregaço estão contaminados com 0,36 mg / kg de óxido de etileno, mais de sete vezes a quantidade máxima autorizado pela UE.

Em sua Folha de Dados de Segurança - que você pode encontrar com uma rápida pesquisa no Google ou no site da Administração de Saúde e Segurança Ocupacional dos EUA - o óxido de etileno é classificado como uma “substância tóxica e perigosa” que foi associada a uma ampla gama de problemas de saúde em ambos animais e humanos, incluindo:

  • Câncer
  • Efeitos reprodutivos
  • Alterações mutagênicas (defeitos genéticos)
  • Neurotoxicidade

Além das preocupações de expor repetidamente alguém ao óxido de etileno - e quem sabe por quanto tempo esses testes COVID obrigatórios permanecerão em vigor - muitos desses testes COVID estão repletos de outros problemas.

O documento da FDA admite que o teste de PCR "covid" são completamente fraudulentos


Um documento recém-lançado pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA admite abertamente que o infame teste PCR para o coronavírus Covid foi desenvolvido não com amostras reais do vírus chinês, mas sim com o que parece ser material genético de um vírus do resfriado comum.

Uma vez que o vírus nunca foi realmente em qualquer uma de suas formas "variantes" ainda não foi devidamente isolado, o FDA, em vez disso, usou vírus regulares de resfriado / gripe para produzir testes de PCR - o que significa que todos que testam "positivo" para germes chineses estão, na verdade, apenas testando positivo para a gripe sazonal.

Isso, é claro, explicaria por que a gripe quase desapareceu em 2020, já que todos os que adoeciam recebiam um diagnóstico “obscuro”. Muitos estavam dizendo isso desde o início e sendo chamados de “teóricos da conspiração”, mas agora o FDA está confessando a verdade que tudo isso foi uma farsa o tempo todo.

No documento da FDA, é claramente afirmado que o material genético da gripe sazonal comum foi usado como o marcador de teste nos kits de teste de PCR porque as autoridades sabiam que muitas pessoas teriam um teste "positivo" para isso, permitindo-lhes usar esses resultados para criar a narrativa “vacinação emergência de Covid” e sustentar uma falsa disseminação pandemica.

É uma leitura um tanto demorada, mas dê uma olhada por si mesmo e veja o engano à vista de todos. Não há nenhum teste legítimo por aí que identifique com precisão a presença do vírus Covid, e esta é a arma fumegante. Do documento:

Uma vez que nenhum vírus isolado quantificado do 2019-nCoV estava disponível para uso do CDC no momento em que o teste foi desenvolvido e este estudo conduzido, os ensaios projetados para a detecção do RNA 2019-nCoV foram testados com estoques caracterizados de RNA de comprimento total transcrito in vitro ( Gene N; acesso GenBank: MN908947.2) de título conhecido (cópias de RNA / µL) adicionado a um diluente que consiste em uma suspensão de células A549 humanas e meio de transporte viral (VTM) para imitar a amostra clínica.

Outra revelação do documento é a admissão pelo FDA de que os resultados dos testes são “agrupados” para produzir números imprecisos. O FDA está literalmente fabricando dados como parte da narrativa da pandemia, e tudo isso é revelado no documento.

Lembramos, é claro, que os testes COVID estão sendo usados ​​para determinar quem pode continuar trabalhando, quem pode acessar espaços públicos e privados por enquanto, quem pode viajar, quando e se bloqueios podem ser emitidos e muito mais. Pensar que um número desconhecido de pessoas está sofrendo as consequências de falsos positivos só aumenta os efeitos danosos dessa pandemia orquestrada.
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Veja mais sobre: , , , , , ,
Compartilhe:
RELATAR ERROS:

: Ao reproduzir este artigo: Uso não comercial OK, cite | coletividade-evolutiva.com.br | com um link clicável. Siga Coletividade Evolutiva nas | REDES SOCIAIS | Apoie o nosso trabalho com uma | DOAÇÃO |
Fabio Allves

Autor: Fabio Allves

Fundador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas, questionando as raízes que constitui aparentemente nossa realidade, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tenho como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar.

MAIS RECENTES