"Combatendo Fake News": Um truque para promulgar censura e substituir a liberdade de expressão

Sociedade: "Combatendo Fake News": Um truque para promulgar censura e substituir a liberdade de expressão... “Discordo do que você diz, mas defenderei até a morte seu direito de dizê-lo”; Voltaire (Evelyn Beatrice Hall)

Fabio Allves
Compartilhe:
Combatendo Fake News: Um truque para promulgar censura e substituir a liberdade de expressão

“Discordo do que você diz, mas defenderei até a morte seu direito de dizê-lo”, Voltaire (Evelyn Beatrice Hall), cunhando a máxima mais citada pelos defensores da liberdade de expressão.

O impulso para a proibição total das chamadas “notícias falsas” está enraizado na falácia lógica de que apenas uma instituição ou grupo de organizações em particular tem um monopólio divino especial sobre os fatos, portanto, temos apenas o direito de repeti-los. 

Os chamados "verificadores de fatos", autoridades e gigantes da tecnologia, estão substituindo a liberdade de expressão pelo rótulo, "notícias falsas", e isso não é democrático, no ponto de vista em que  ou quando compartilhamos opiniões e não notícias. A liberdade de expressão está sendo substituída (se não criminalizada), pela frase "notícias falsas", como um modo de desacreditar, difamar opiniões contrárias do estabelecimento convencional. 

Porque os níveis de censura são tão altos? Na verdade, pode haver apenas uma razão para isso: nossas chamadas “autoridades” têm medo do pensamento livre, da liberdade de expressão e do livre fluxo de informações. Por quê? Porque revelaria seus segredos, exporia sua corrupção, contradizia suas falsas narrativas, dissolveria estruturas mentais e desfaria noções de obediência cidadã e dever cívico que foram moldadas em nós desde o nascimento.

‘É somente através dos diferentes pontos de vista, de cada um dos indivíduos, que se pode pretender chegar mais próximo da verdade.”


Hoje, as instituições noticiosas do estabelecimento controlados por globalistas, reivindicam um “direito divino” de serem os únicos árbitros da verdade versus ficção. Essa afirmação é, obviamente, totalmente absurda, já que essas mesmas instituições se dedicam em grande parte a fabricar suas próprias notícias, distorcer eventos do mundo real, enganar deliberadamente os espectadores sobre tópicos relevantes, colocar na lista negra notícias que não querem que o público veja ou pense de forma critica, e de outra forma perseguindo narrativas que abrem o pensamento critico das mentes das massas.

As ONGs e plataformas chamadas de "verificadores de fatos", são organizações que até recentemente você nunca ouviu falar, mas que está agora pronta para exercer uma poderosa influência em sua vida, em favor das instituições governamentais, e não governamentais, sobre tópicos principalmente políticos e de vacinas. Estes se colocam aparentemente do lado da sociedade, do lado da "verdade", mas tem fortes ligações em favorecer os interesses dos financiadores e das instituições interligadas sobre eles. As grandes corporações da internet mostraram suas verdadeiras intenções na questão da censura versus liberdade de expressão. 

Estas organizações agora estão aí para pensar e decidir por você.


Assim como diz no documentário Plandemic 2: o ritmo de nosso mundo moderno torna quase impossível para os trabalhadores, pesquisar os eventos e políticas que moldam suas vidas ao buscar respostas para perguntas mais urgentes da vida, logo buscam no Google, digitam um assunto e aperte Enter e pronto... Aparece resultados que não são resultados de pesquisa, mas sim, apenas o que eles querem que vejamos na cultura atual do jornalismo de copiar e colar, é comum ver centenas de portais da mídia convencional repetindo o mesmo assunto e concluindo a mesma moral, e isso não é resultado de pesquisa, é intencional...

Como seres humanos que despertam, precisamos reconhecer, que lidar com pontos de vista, diferentes que não concordamos, é essencial para nosso crescimento. Se esses pontos de vistas verdadeiros, falsos, ou de julgamento, é mais uma razão para permitirmos que eles sejam transmitidos e, na medida em que somos capazes de responder com temperamento, se não com sabedoria. Isso cria a compreensão, crescimento e cura para todos.

O principal objetivo dos monopolistas da mídia é colocar ideias nas mentes dos consumidores de notícias que os encorajem a tomar ações que contradigam seus próprios interesses.


Em outras palavras, o verdadeiro propósito do estabelecimento de notícias controlado centralmente é impedir que os cidadãos formem suas próprias conclusões livres e ajam com base nessas conclusões com inteligência e racionalidade. Quando as fontes de mídia independentes encorajam o pensamento individual autoconsciente e o ceticismo sobre a interpretação do estabelecimento de eventos do mundo real, essas fontes de mídia devem ser vigorosamente atacadas, difamadas e suprimidas pelo estabelecimento, a fim de eliminar narrativas concorrentes que podem fazer com que os consumidores de notícias "estourem fora ”de sua“ hipnose de notícias”, por assim dizer.

A maior prioridade dos monopolistas do noticiário e "verificadores de fatos" é silenciar as vozes independentes e opostas que encorajam os indivíduos a "sair" de sua aquiescência passiva e entorpecida às narrativas das notícias convencionais.

Hoje já vemos sinais reveladores de que toda essa vontade de supostamente nos proteger de “noticias falsas”, na verdade, não é para nos proteger, na verdade, é para proteger a agenda de nossas autoridades governantes, e o pior de tudo isso é que esta acontecendo na maioria dos países do mundo. E graças a grande mídia corporativa podre ter nos colocados essa palavrinha (noticias falsas ) em nossas mentes, agora quase todos estão manipulados em aceitar esse roubo de liberdade de expressão, além de nos obrigar a policiar uns aos outros reprimindo nossa capacidade individual de falar livremente e de pensar fora do padrão comum da sociedade.

A obediência contínua às falsas narrativas das notícias convencionais requer doutrinação contínua, repetida e domínio da informação por parte dos propagandistas


Em essência, a censura da mídia independente é um componente necessário da doutrinação contínua (mas frágil) do público consumidor de notícias. Assim como um hipnotizador de palco sabe que a conformidade contínua com as sugestões programadas requer um ambiente de apoio e sem confronto que aceita as ações bizarras do sujeito da hipnose como "normais", os monopolistas de notícias também entendem que o sucesso de suas próprias narrativas de notícias falsas não pode ser alcançada se houver pelo menos uma única voz interruptiva que incomoda as massas hipnotizadas com perguntas provocativas.

Fique atento a qualquer momento em que os políticos inventam um novo termo de discurso que é vago e indefinível. Essa imprecisão pode ser usada contra você. Lutar contra falsas notícias é uma piada. Pessoas são pessoas. Enquanto os seres humanos tiveram vontade livre e capacidade de falar ou escrever, sempre houve a possibilidade de pessoas mentir, omitir, distorcer ou fazer declarações falsas. É parte de estar vivo para desenvolver seu discernimento e descobrir o que é verdadeiro ou falso. Nunca permita que o governo possa fazer isso, pois o resultado sempre será que a classe dominante filtra o que não quer que você saiba por interesse próprio e desejo de mais poder e controle.

A Guerra em querer pensar pela sociedade está em andamento, isso realmente está levando a sociedade se voltar apenas no que diz os políticos e a grande mídia, pagos por corporações e políticos para falar o que lhes convém, assim moldar, e condicionar a opinião pública. Assim como o  Egito e a Arábia Saudita, que entraram em ação com leis de censura baseadas no terrorismo, assim está acontecendo aqui no Brasil, sobre o discurso de ódio e de combate a "notícias falsas", esta sendo usado para silenciar todo tipo de opinião, incluindo aqueles que se opõem agenda globalista, política e de cronogramas de vacinação em massa.

Explore mais sobre:

Compartilhe:
RELATAR ERROS:
Fabio Allves

Autor: Fabio Allves

Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar.