PESQUISA: O extrato da folha de Dente-de-leão bloqueia a ligação das proteínas spike ao receptor celular ACE2

saúde: PESQUISA: O extrato da folha de Dente-de-leão bloqueia a ligação das proteínas spike ao receptor celular ACE2... Extrato de dente-de-leão à base de água, retirado das folhas secas da planta, foi eficaz contra a proteína spike D614 e uma série de cepas mutantes

Fabio Allves
Compartilhe:
PESQUISA: O extrato da folha de Dente-de-leão bloqueia a ligação das proteínas spike ao receptor celular ACE2

As proteínas de pico projetadas do SARS-CoV-2 podem ser PARADAS por uma “erva daninha” comum que é exterminada dos gramados. Um estudo universitário alemão descobriu que o dente-de-leão comum ( Taraxacum officinale ) pode bloquear a ligação das proteínas do pico do SARS-CoV-2 aos receptores de superfície celular ACE2 no pulmão humano e nas células renais.

O extrato de dente-de-leão à base de água, retirado das folhas secas da planta, foi eficaz contra a proteína spike  da SARS-CoV-2  D614 e uma série de cepas mutantes, incluindo D614G, N501Y, K417N e E484K. O dente-de-leão é uma planta muito nutritiva, sendo que seus principais componentes incluem fibras, vitaminas A, B, C e D, proteínas e minerais, incluindo o potássio. ( Recomendado: BOMBA: Proteína Spike covid nas vacinas é o que está causando coágulos sanguíneos e outros efeitos mortais)

O Dente-de-leão é uma planta também conhecida por coroa-de-monge, quartilho e taráxaco. Esta planta medicinal possui um caule oco e ereto, com folhas divididas em segmentos profundos e flores de tom amarelo dourado, podendo atingir cerca de 30 centímetros de altura.

Devido às suas propriedades, o Dente-de-leão pode ser usado para auxiliar no tratamento de transtornos digestivos, problemas no fígado e pâncreas e afeções da pele, por exemplo. Além disso, de acordo com um estudo feito na China em 2011, o chá desta planta também parece ser capaz de eliminar mais rapidamente a infecção pelo vírus Influenza, responsável pela gripe comum.

O extrato de dente de leão bloqueia as proteínas de pico SARS-CoV-2 e suas variantes


Os pesquisadores usaram compostos de alto peso molecular retirados de um extrato de dente de leão à base de água e os testaram em células renais HEK293-hACE2 humanas e células pulmonares A549-hACE2-TMPRSS2. O dente-de-leão bloqueou as interações proteína-proteína entre a subunidade S1 da proteína spike e o receptor de superfície celular ACE2 humano. Esse efeito também foi verdadeiro contra as mutações da proteína spike das variantes predominantes em circulação, incluindo as variantes do Reino Unido (B.1.1.7), da África do Sul (B.1.351) e do Brasil (P.1).

O extrato de dente-de-leão impediu que as partículas de lentivírus pseudotipadas com pico de SARS-CoV-2 se ligassem às células do pulmão e interrompeu um processo inflamatório denominado secreção de interleucina-6. Como o estudo foi conduzido in vitro, mais estudos clínicos são necessários para entender como o extrato de dente de leão é absorvido e utilizado em sistemas biológicos do corpo humano.

 “Assim, fatores como a baixa toxicidade em humanos e a inibição efetiva da ligação de cinco mutações de pico relevantes ao receptor ACE2 humano, conforme relatado aqui in vitro, incentivam uma análise mais aprofundada da eficácia do T. officinales na SARS -CoV-2 prevenção e agora requer mais evidências clínicas confirmatórias.”

À medida que as vacinas enfraquecem a imunidade do rebanho, as ervas naturais prometem uma verdadeira prevenção, uma imunidade mais substancial

Embora dezenas de bilhões de fundos públicos tenham sido despejados no desenvolvimento de vacinas experimentais e campanhas de propaganda falsa das prometidas vacinas seguras e eficazes que agora se revelaram que muitos mentiram e enganaram o público, o mundo continua a lutar contra novas infecções respiratórias, já que o SARS-CoV-2 é pressionado a sofrer mutações em diferentes variantes. 

Não há evidências que sugiram que os coronavírus possam ser erradicados da Terra, então a adaptação humana será essencial no futuro. O extrato de dente de leão é uma das muitas ervas que auxiliam em uma resposta imunológica saudável. Melhor ainda, o extrato de dente-de-leão pode provar a prevenção de infecções, bloqueando o canal preciso pelo qual as proteínas do pico se fixam e causam a replicação viral.

Outros compostos naturais foram investigados usando estudos de docking molecular. A nobiletina é um flavonóide isolado de cascas de frutas cítricas. A neoesperidina, um derivado da hesperetina, é um glicosídeo flavanona também encontrado em frutas cítricas. A glicirrizina é um composto molecular extraído da raiz de alcaçuz. Todas às três substâncias naturais também bloqueiam a ligação das proteínas de pico aos receptores ACE2. 

O extrato hidroalcoólico de casca de romã bloqueia a proteína spike no receptor ACE2 com 74 por cento de eficácia. Quando seus constituintes principais foram testados separadamente, a punicalagina foi 64 por cento eficaz e o ácido elágico foi 36% eficaz.

Esses compostos naturais (junto com o extrato de dente de leão) podem ser prontamente produzidos em massa, combinados e implantados como medicina preventiva para todas as futuras variantes da proteína spike. Essas ervas são geralmente reconhecidas como seguras e não há casos conhecidos de overdose com extrato de folha de dente-de-leão. De acordo com a Cooperativa Científica Europeia de Fitoterapia, a dosagem recomendada de folha de dente de leão é de 4 a 10 gramas embebida em água quente, até três vezes por dia.

Os autores do estudo alertam que a dependência de vacinas é arriscada e perigosa, não apenas para a saúde individual, mas também para a imunidade do rebanho. A dependência da vacina se concentra apenas no aumento de anticorpos e está provando ser uma intervenção de alto risco com resultados de curto prazo. Lesões por vacinas são frequentemente relatadas. As reinfecções e transmissão pós-vacinação também são comuns, já que a vacina pressiona a proteína spike projetada original para sofrer mutação.

Explore mais sobre:

Compartilhe:
RELATAR ERROS:
Fabio Allves

Autor: Fabio Allves

Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar.