Adquira agora o e-book CULTIVANDO HORTA ORGÂNICA e  apenda tudo sobre o cultivo de hortas, do básico ao avançado,  desde o plantio até a colheita.
Vacinação

Poderemos ver um grande número de crianças sofrendo ou morrendo após as substâncias experimentais Covid? Especialistas alertam

Vacinação: Poderemos ver um grande número de crianças sofrendo ou morrendo após as substâncias experimentais Covid? Especialistas alertam... Crianças de 5 a 11 anos NÃO precisam de substância experimental, alertam os especialistas

Fabio Allves
Compartilhe:
Poderemos ver um grande número de crianças sofrendo ou morrendo após as injeções Covid? Especialistas alertam

O Dr. McCullough, citando um artigo de pré-impressão sobre inflamação do coração entre jovens receptores de vacina, particularmente jovens do sexo masculino. Dr. McCullough diz: "As chances de miocardite e hospitalização com miocardite para uma dessas crianças que será forçada à vacinação... É maior que ser hospitalizado por Covid-19.”

O risco de uma criança ficar gravemente doente com COVID-19 é de fato “incrivelmente raro”. No entanto, assim como especialistas de renome estão alertando e o que temos observado ao longo desses experimentos — após a implementação dessas substâncias experimentais que já tem ceifado milhares de vidas, forem administradas em crianças e jovens, esse cenário de crianças ficarem raramente doentes com Covid provavelmente mudará como já demonstra dados do Reino Unido. 

Possivelmente, logo veremos muitas crianças e jovens começarem a ter problemas graves de saúde e até morte prematura ao longo dos efeitos adversos que se manifestarão, e tudo nunca será relacionado as vacinas. A grande mídia certificá disso.

Até o New York Times falou sobre essa implausibilidade científica das crianças precisarem de injeções da Covid quando publicou recentemente um artigo escrito por David Leonhardt.

No artigo, Leonhardt afirma: “Uma criança não vacinada corre menos risco de contrair doenças graves por COVID do que uma pessoa vacinada de 70 anos” e que, para crianças sem problemas médicos graves, “o perigo de COVID grave é tão baixo que chega a ser difícil de quantificar. ”

A Dra. Meryl Nass, membro do Painel Consultivo Científico da organização Children's Health Defense (CHD) ("Defesa da Saúde das Crianças"), está alertando que a Pfizer-BioNTech mentiu sobre os dados de segurança e eficácia de seu ensaio (Experimento) da “vacina” de mRNA de coronavírus Covid-19 envolvendo crianças.

Para argumentar para a reguladora americana Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos de que crianças de 5 a 11 anos precisam ser injetadas com veneno de proteína de pico que já está bem observado que pode causar coágulos sanguíneos, miocardite, pericardite entre outras. 

No Brasil, a decaída Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que não tem informado sobre os riscos e danos das injeções, informou ao g1, quarta-feira (27), que "não recebeu pedido da empresa Pfizer para inclusão do público de 5 a 11 anos na bula da vacina contra Covid". Em nota ao g1, a farmacêutica diz que irá solicitar a autorização no próximo mês. Como solicita autorização para algo que já vem assolando os adultos imaginem as crianças.

A Pfizer excluiu algumas das crianças que participaram do teste (Experimento) dos resultados finais, resultas estes, que não se sabe os efeitos a longo prazo nem mesmo nos adultos hoje  que ainda sobreviveram a segunda dose. O que me deixa intrigado, é onde essas organizações criminosas encontram pais tão loucos para permitir a realização de experimentos ilegais em seus próprios filhos. Faz-me até mesmo a questionar se pelo menos esses experimentos estão sendo mesmo realizados em grupos pequenos, ou se de fato, estão apenas inventando dados para realizar o verdadeiro experimento direto nas massas.

“Três mil crianças receberam a vacina Covid-19 da Pfizer de mRNA(experimental), mas apenas 750 crianças foram incluídas seletivamente na análise de segurança da empresa”, revelou Nass.

“Os estudos no grupo de 5 a 11 anos são essencialmente iguais aos do grupo de 12 a 15 anos - em outras palavras, igualmente breves e insatisfatórios, com dados de segurança e eficácia inadequados, sem nenhum suporte forte para explicar por que esse tipo de análise de imuno-ponte é suficiente. Todos os eventos adversos graves foram considerados não relacionados à vacina. ”

Durante uma reunião com a reguladora FDA, a Pfizer argumentou que crianças de apenas cinco anos precisam ser injetadas para o vírus do Grande Reset, embora nenhuma tentativa tenha sido feita para avaliar a chamada "transmissão assintomática", que há muito tem sido usada como uma desculpa para manter a agenda globalista.

Um dos membros do comitê consultivo, Dr. Ofer Levy, solicitou à Pfizer evidências que mostrassem que sua injeção evita a transmissão real da gripe chinesa. A Pfizer não foi capaz de apresentar tais evidências porque elas não existem.

O Dr. William Gruber, vice-presidente sênior de pesquisa e desenvolvimento clínico da Pfizer, indicou que sua empresa não avaliou isso de forma alguma. Quando pressionado ainda mais sobre o assunto, Gruber basicamente admitiu que a Pfizer está apenas fazendo uma afirmação infundada sobre o assunto, sem evidências.

Como o FDA conduziu uma análise adequada de risco-benefício da injeção da Pfizer se nunca olhou para o fator de subnotificação do VAERS?


Outra coisa que Steve Kirsch, fundador do Early Treatment Fund para 
COVID-19, quer saber é como o painel consultivo do FDA que recomendou a injeção da Pfizer foi capaz de fazer isso quando o referido painel nem mesmo conduziu uma análise adequada de risco-benefício.

Para fazer isso, o painel da FDA teria que dar uma olhada no fator de subnotificação (URF) do Vaccine Adverse Event Reporting System (VAERS), o que não foi feito.

“Como você pode fazer uma análise de risco-benefício das vacinas COVID se você não conhece o URF?” Questionou Kirsch.

“Isso é extremamente, extremamente importante. Você tem presumido que foi um. Não é um. Usando um URF de 41, que é calculado usando a metodologia do CDC, encontramos mais de 300.000 mortes em excesso no VAERS. Se a vacina não matou essas pessoas, o que matou? ”

Kirsch também quer saber quantos americanos mais terão que morrer antes que o FDA e outros atores do estado profundo desliguem esta operação de engano em massa? Ou era esse o objetivo o tempo todo: matar o maior número possível de pessoas com essas injeções?

Dra. Jessica Rose foi co-autora de um estudo revisado por pares que descobriu que as taxas de miocardite eram significativamente mais altas em pessoas com idade entre 13 e 23 anos dentro de oito semanas após as injeções serem aplicadas pela primeira vez.

“Não há emergência e o Covid-19 é extremamente tratável”, afirmou a Dra. Jessica Rose, uma imunologista viral e bióloga, claramente ao painel.

“Em um ato de censura, este jornal foi temporariamente removido e agora foi morto sem críticas ao trabalho”, explicou Rose.

Ela acrescentou que dezenas de milhares de relatórios foram submetidos ao VAERS, mesmo para crianças recém-nascidas. Pelo menos 60 crianças morreram em decorrência dessas substâncias experimentais vendidas como cura, e 23 delas tinham menos de dois anos de idade.
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Veja mais sobre: , , , , , , , ,
Compartilhe:
RELATAR ERROS:

: Ao reproduzir este artigo: Uso não comercial OK, cite | coletividade-evolutiva.com.br | com um link clicável. Siga Coletividade Evolutiva nas | REDES SOCIAIS | Apoie o nosso trabalho com uma | DOAÇÃO |
Fabio Allves

Autor: Fabio Allves

Fundador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas, questionando as raízes que constitui aparentemente nossa realidade, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tenho como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar.

MAIS RECENTES