A pandemia de fome matando mais que a Covid, enquanto isso os líderes exigem vacinas em vez de alimentos

Governo: A pandemia de fome matando mais que a Covid, enquanto isso os líderes exigem vacinas em vez de alimentos - A pandemia de fome mataram mais pessoas em 2020 do que a pandemia do Coronavirus

Fabio Allves
A pandemia de fome matando mais que o vírus, enquanto isso os líderes exigem vacinas em vez de alimentos

A fome mataram mais pessoas em 2020 do que a pandemia do Coronavírus, de acordo com a Oxfam. A organização anti-pobreza divulgou recentemente um relatório sobre a relação entre as crises relacionadas à fome e a pandemia COVID-19. Como pode ver, por culpa dos bloqueios implementados pelos governantes, eles criaram uma outra pandemia, a pandemia da fome em vez de ter implementado o tratamento precoce que estava funcionando e ainda funciona para tratar e prevenir do Covid, mas o golpe foi e está sendo feito. Eu avisei: A pandemia da fome está chegando: morrerão mais pessoas de fome do que de Covid-19

Milhões de pessoas em todo o mundo está perdendo seus empregos e morrendo de fome intensificada principalmente por conta das restrições implementadas pelos líderes governantes levando ao desastre econômico, governamental e social, bloqueios, toques de recolher, fechar fronteiras, são alguns dos problemas que esses lideres tem causado na população levando a uma completa matança pela miséria, matando mais pessoas por falta de comida do que pela própria doença tratável.

Fronteiras fechadas, toques de recolher e restrições a viagens interromperam o abastecimento de alimentos e a renda em países já frágeis, forçando milhões de pessoas a ficar mais perto da fome e agravando o desastre humanitário em todo o mundo.

Um relatório Oxfam disse que os países com problemas existentes, como o Sudão do Sul e a Síria, já estão vendo a fome piorar, mas também há preocupação para os países de renda média , como Índia e Brasil. O desemprego em massa estava afetando todos os países, mas os trabalhadores informais eram os que mais sofriam, frequentemente impossibilitados de viajar para o trabalho e essa tendência irá ainda mais longe, com as restrições dos trabalhadores aqui no Brasil.

As restrições de viagens também estavam afetando os suprimentos de alimentos, impedindo os agricultores de contratar trabalhadores e os pequenos produtores de acessar seus próprios campos. Os lideres governantes obrigou as pessoas a ficarem em casa. Isso tornou a vida muito difícil para as pessoas que atendem às suas necessidades diariamente. A pandemia afetou até mesmo o ciclo de vida básico e o sofrimento das pessoas aumentou.

As áreas do mundo mais afetadas pela fome são Iêmen, Sudão do Sul, Brasil, Índia e Sahel. Os preços dos alimentos essenciais no Iêmen dobraram desde 2016 devido à Guerra Civil Iemenita e à crise de combustível. O Iêmen também perdeu mais da metade de seu pacote de ajuda humanitária, e o número de pessoas em situação de fome deve chegar a 47.000 neste mês.

As paralisações de coronavírus no Brasil causaram uma enorme onda de desemprego, com mais da metade dos brasileiros perdendo seus empregos. A pobreza aumentou de 4,5% para 12,8%, deixando 20 milhões de pessoas com menos alimentos do que o necessário para sobreviver.

A pandemia de fome causaram mais mortes do que o coronavírus em 2020


O relatório de Oxford, observou que 155 milhões de pessoas em todo o mundo vivem atualmente em níveis de crise de insegurança alimentar - um número que é 20 milhões a mais do que no ano passado. Duas em cada três dessas pessoas vivem em condições de fome ou estão prestes a ir a óbito.

“Desde o início da pandemia COVID-19 , comunidades vulneráveis ​​em todo o mundo enviam uma mensagem clara, urgente e repetida: 'A fome pode nos matar antes do coronavírus.' Hoje, as mortes por fome estão ultrapassando o vírus ”, disse a Oxfam, explicando por que a ameaça que a fome representa pode ser mais terrível do que o coronavírus.

Aumenta os pontos críticos da fome em todo o mundo


Mais de 100.000 pessoas vivem em condições de fome desde o referendo de independência do Sudão do Sul de 2011. Embora o Sudão do Sul tenha se tornado autônomo, ainda lida com violência e agitação constantes devido ao conflito entre diferentes grupos étnicos na população do Sudão do Sul. O país outrora generoso agora depende fortemente da ajuda humanitária, com 8 milhões de pessoas dependendo da assistência para sobreviver. 

O grande aumento de casos de coronavírus na Índia teve um grande impacto sobre os trabalhadores migrantes e fazendeiros no país do sul da Ásia, com as pessoas não tendo escolha a não ser abandonar suas plantações devido à disseminação do vírus. Uma pesquisa recente descobriu que mais da metade da população do país decidiu comer menos ou comer alimentos de qualidade inferior para sobreviver.

Os países da região do Sahel viram um aumento exponencial no número de pessoas em crise de fome entre 2019-2020: de 685.000 para 2,1 milhões. A região do Sahel marca a transição entre o deserto do Saara do norte e a savana do sul do Sudão, e foi referida como “a região mais negligenciada e dominada pelo conflito do mundo” pelo Conselho Norueguês de Refugiados.

Milhões de pessoas tentam fugir da região como refugiados anualmente, com 5,3 milhões de pessoas partindo desde o agravamento da crise. A mudança climática também começou a devastar o Sahel, com enchentes aumentando em quase 200% nos últimos seis anos, dizimando plantações e a subsistência de 1,7 milhão de pessoas.

CONTINUE LENDO APÓS PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO APÓS PUBLICIDADE

Compartilhe :A pandemia de fome matando mais que a Covid, enquanto isso os líderes exigem vacinas em vez de alimentos

MARCADORES [Coletividade Evolutiva] apocalipse | Brasil | Coronavírus | Covid-19 | descobrindo | dinheiro | Fome no mundo | Governo


Autor: Fabio Allves
Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar. REDES:Telegram -Instagram -BomPerfil -Likabout