Vacinas com mRNA: como funciona e como pode ser catastróficas em combate ao coronavírus Covid-19

Vacinação - Vacinas com mRNA: como funciona e como pode ser catastróficas em combate ao coronavírus Covid-19

Compartilhe
Vacinas com mRNA: como funciona e como pode ser catastróficas em combate ao coronavírus Covid-19

A tecnologia de mRNA - também chamadas de “vacinas genéticas” - surgem de uma abordagem inovadora de biotecnologia que transforma as células do corpo em fábricas moleculares para a produção de proteínas (determinado pelo DNA) que ativam uma resposta imune específica para patógenos, ou seja, qualquer organismo que pode produzir doença. A tecnologia é muito promissora, mas também apresenta riscos significativos que ainda não são totalmente conhecidos. No entanto, estão realizando vacinações experimentais com essa nova tecnologia de forma de disfarce emergenciais para Covid-19, esse é um grande experimento em humanos em campo aberto.

O termo “vacina” é, na verdade, um nome impróprio. A abordagem do mRNA (ácido ribonucleico responsável pela transferência de informações do DNA até o citoplasma) não infecta o corpo com um vírus enfraquecido (“atenuado”) como as vacinas tradicionais, mas comanda as células do corpo que já existem, a fabricar moléculas específicas que enganam o sistema imunológico fazendo-o pensar que um patógeno está presente. 

Em outras palavras, esse processo dentro do organismo, o DNA é um ácido nucleico que armazena esses dados, enquanto o RNA atua, diretamente, na produção de proteínas. Quanto ao mRNA, "Ele é um instrumento mensageiro que a célula tem para pegar um determinado código genético e enviar para estrutura que produz novas proteínas. Então, esse mensageiro diz: ‘Produza proteínas deste modo’". No caso das vacinas com tecnologia de mRNA, contra coronavírus Covid-19.

No contexto das vacinas convencionais, essas moléculas são chamadas de "antígenos" (substância estranha ao organismo que desencadeia a produção de anticorpos, ou simplesmente vírus atenuado colocado nas vacinas) e, quando esses antígenos são produzidos dentro das células do corpo e subsequentemente apresentados à superfície celular, o sistema imunológico, em circunstâncias ideais, vê esses antígenos como invasores e constrói um sistema imunológico ativo para dar resposta e eliminar esses antígenos ou antígeno do meio natural..

Com as vacinas de mRNA, o que é injetado no corpo não é um vírus enfraquecido ou mesmo antígenos selecionados, mas, sim, instruções de codificação de proteínas que dizem às células do seu corpo como fazer os antígenos por conta própria. (Esse processo é chamado de “tradução”.) É como escrever e entregar a alguém um conjunto de instruções para construir uma catapulta para proteger o castelo. Em vez de construir catapultas e entregá-las ao castelo, você está dizendo aos habitantes dentro do castelo como construir suas próprias catapultas para afastar os invasores.

Como Curevac explica em seu site:

Com nossa tecnologia de mRNA, instruímos o corpo humano a ativar seu próprio mecanismo de defesa. Para isso, utilizamos o mRNA da substância mensageira natural que contém o manual de construção necessário para a produção de proteínas. Programamos essa substância mensageira com as informações sobre uma proteína do coronavírus e a injetamos no corpo humano. O corpo reconhece a proteína produzida por nossas células como algo desconhecido e ativa suas células imunológicas para produzir anticorpos e células T contra ela. Dessa forma, imitamos a infecção viral natural e ativamos o sistema de defesa endógeno.

Em teoria, as vacinas de mRNA oferecem vantagens extraordinárias em relação às vacinas tradicionais. Eles são mais seguros de fabricar e muito mais rápidas de fazer. Eles são limpos (ou seja, não contêm vírus latentes encontrados nos animais usados ​​para cultivar vacinas tradicionais) e normalmente não requerem adjuvantes ou outros aditivos tóxicos para funcionar como pretendido. Além disso, eles podem direcionar o corpo para a fabricação de quase todas as proteínas imagináveis. É assim que funciona em teoria, é claro.

Mas eles também apresentam riscos enormes e, se a implantação de vacinas de mRNA for apressada, os resultados podem ser catastróficos. Além disso, as vacinas de mRNA podem ser implantadas de forma maliciosa para enganar deliberadamente o corpo humano, levando-o a atacar suas próprias funções críticas, como fertilidade, função neurológica, reparo celular e outros processos críticos. 

Aqui está um resumo da situação atual com as vacinas de mRNA, cortesia da Universidade de Cambridge e sua Fundação phg :

Ainda há muito trabalho a ser feito antes que as vacinas de mRNA possam se tornar tratamentos padrão, entretanto, precisamos de uma melhor compreensão de seus potenciais efeitos colaterais e de mais evidências de sua eficácia em longo prazo.

Como os fragmentos de mRNA codificam instruções para a síntese de proteínas no corpo, as vacinas de mRNA podem ser usadas para injetar no corpo cargas úteis de "Cavalo de Tróia" de outras proteínas destinadas a realizar uma longa lista de efeitos nocivos nefastos em hospedeiros humanos, incluindo infertilidade . Isso é importante notar porque as vacinas aprovadas pela OMS administradas a mulheres jovens na África já foram encontradas com HCG, um produto químico para infertilidade projetado para ajudar a atingir os objetivos globalistas de redução populacional. 

O sobrinho do ex-presidente John F. Kennedy emitiu recentemente uma declaração pública, evite essa vacina Covid-19 a todo custo: 

O mRNA altera diretamente o material genético de quem o recebe, muito parecido com o que acontece quando “cientistas” fazem engenharia genética (OGM) em safras de soja ou milho para torná-las resistentes a insetos ou à seca.
“Essa intervenção pode ser comparada aos alimentos geneticamente modificados, que também são muito controversos”, diz Kennedy.
Ao contrário de todas as outras vacinas, cujo dano genético não é necessariamente permanente, o dano genético do mRNA é “irreversível e irreparável”, observa Kennedy. .“Embora a mídia e os políticos estejam atualmente banalizando o problema e até mesmo clamando tolamente por um novo tipo de vacina para voltar à normalidade, essa vacinação é problemática em termos de saúde, moralidade e ética, mas também em termos de danos genéticos”, disse Kennedy. (Fonte)

Detalhes dos riscos das vacinas com tecnologia mRNA


O grande problema com as vacinas de mRNA é que a bioquímica humana é incrivelmente complexa e a síntese corporal de dezenas de milhares de proteínas diferentes é extremamente delicada e fácil de desequilibrar. Muitas pessoas não percebem isso, mas as proteínas não são apenas componentes estruturais do corpo (como o tecido muscular), elas também são mensageiras (como hormônios), veículos de transporte, enzimas, anticorpos e muitos outros tipos de moléculas necessárias para a boa saúde.

Injetar no corpo com fitas de mRNA - que são essencialmente instruções de síntese de proteínas - poderia teoricamente desencadear consequências catastróficas não intencionais no corpo, que poderiam incluir causar loops de feedback destrutivos auto-reforçados que diminuem a síntese de proteínas necessária ou causam síntese excessiva de proteínas. Esses efeitos colaterais podem potencialmente levar a pelo menos cinco resultados negativos:

1) Início súbito de doenças autoimunes que fazem com que o sistema imunológico do corpo ataque suas próprias células. (Veja mais detalhes abaixo.)

2) Inflamação aumentada no corpo, resultando em uma resposta hiperinflamatória em algumas pessoas, levando a efeitos secundários, como danos neurológicos, falência de órgãos ou câncer. Às vezes, isso também é chamado de resposta inflamatória “intensificada”.

3) Maior risco de coagulação do sangue em resposta aos filamentos de mRNA que circulam no sangue fora das células do corpo. Isso pode levar a episódios potencialmente fatais de acidente vascular cerebral ou eventos cardiovasculares graves.

4) Interferência da resposta imune devido à presença de fragmentos de RNA indesejados sendo traduzidos em proteínas indesejadas, levando a uma vasta gama de resultados negativos possíveis, incluindo deficiências moleculares que podem resultar em várias doenças e síndromes, incluindo distúrbios hormonais / endócrinos, infertilidade, doença cardiovascular, distúrbios neurológicos e muitos mais.

5) No caso de vacinas de mRNA autorreplicantes que usam componentes virais, uma incapacidade de interromper um processo descontrolado que está se replicando fora de controle no corpo. Isso poderia ocorrer teoricamente quando os fragmentos de mRNA são empurrados para dentro das células por meio de partículas de replicon de vírus (RPV), por exemplo, ou usando outros métodos de entrega viral que dependem de maquinaria de replicação viral. Por outro lado, as vacinas de mRNA autorreplicantes permitem que as doses de injeção sejam incrivelmente pequenas, uma vez que o material de codificação do mRNA é autorreplicante, e isso pode levar a vacinas mais seguras com requisitos de dosagem muito menores em comparação com as vacinas tradicionais.

Além desses cinco riscos principais, há também questões extremamente importantes sobre as vacinas de mRNA e alguns dos problemas que podem encontrar no corpo:


1) O que acontece se o dobramento de proteína desejado der errado? Sem o dobramento adequado, as proteínas nunca alcançam a funcionalidade desejada. No caso de antígenos, o dobramento impróprio tornaria a estrutura inútil e não conferiria imunidade. A tradução do mRNA em uma proteína é apenas parte do processo de construção de uma proteína. O “enovelamento” da proteína é outra grande parte. Talvez isso já tenha sido resolvido pelos cientistas muito capazes que trabalham nesta plataforma, mas é uma questão que merece mais exploração.

2) Como os antígenos produzidos dentro da célula são transportados de forma eficiente para a membrana externa da célula? Esta resposta parece ser respondida com segurança por especialistas nesta área, mas levanta uma segunda rodada de questões sobre a permeabilidade da membrana celular, que já sabemos ser alterada pela exposição eletromagnética de fontes como sinais 5G de torres de celulares. Notavelmente, os pesquisadores de vacinas de mRNA estão bem cientes do fenômeno conhecido como "eletroporação", porque é usado junto com abordagens de "arma de genes" na tentativa de inserir cargas de RNA autorreplicantes nas células, como você pode ver mencionado neste estudo sobre mRNA vacinas .

3) O que acontece se os fragmentos de mRNA forem fragmentados e apenas instruções parciais forem entregues aos ribossomos, resultando na tradução de proteínas parciais? Isso poderia, em teoria, fazer com que o corpo considerasse essas proteínas parciais como invasores patogênicos, mesmo quando porções dessas proteínas pudessem corresponder a moléculas críticas de que o corpo precisa, como hormônios ou enzimas. O resultado final pode ser que o sistema imunológico seja ativado contra as moléculas ou células necessárias do próprio corpo . Em outras palavras, esse é o cenário de transtorno autoimune mencionado na lista acima e abre uma caixa de Pandora de consequências catastróficas que podem ser impossíveis de prever.

4) Como as vacinas de mRNA podem ser maliciosamente armadas como uma plataforma de despovoamento para atingir os objetivos globalistas de despovoamento por meio de infertilidade forçada? Se o mRNA pode codificar para a síntese de qualquer proteína desejada, é simples usar a plataforma para construir antígenos semelhantes a hormônios que “ensinariam” o corpo humano a atacar hormônios específicos necessários para a reprodução e gestação. Isso, por sua vez, teoricamente resultaria em infertilidade feminina generalizada, atingindo assim os objetivos de despovoamento globalistas por meio da "infertilidade autoimune" induzida pela vacina.

Os fabricantes de vacinas de mRNA, sem dúvida, dizem que todos esses riscos podem ser mitigados. Embora isso possa ser verdade depois de talvez 40 anos de pesquisas e testes, a complexidade do corpo clama por pesquisas adicionais de longo prazo nesta plataforma - talvez mais 25 anos - não uma vacina apressada que pula os testes em animais e comprime muitos anos do típico pesquisa de segurança em apenas alguns meses.

É importante ressaltar que muitos dos efeitos colaterais teóricos de uma vacina de mRNA não se tornariam aparentes até meses ou anos após a injeção inicial . É provável que esses eventos adversos sejam sistêmicos, não agudos e não se tornariam aparentes em ensaios clínicos de curto prazo. Esta é uma questão crítica de se entender, uma vez que vacinas de mRNA estão agora sendo apressadas por meio de testes clínicos de curto prazo, deixando em aberto a possibilidade de efeitos colaterais indesejados de longo prazo que não foram previstos pelos fabricantes de vacinas ou reguladores como a ANVISA..

Esquecendo o óbvio: o sistema imunológico humano já sabe como fazer isso, sem precisar de nenhuma injeção


O (muito) quadro geral de tudo isso é freqüentemente esquecido por todos. Eles sentem falta da floresta por causa das árvores porque seu corpo já possui nanotecnologia de mRNA que pode identificar patógenos e destruí-los. Faz parte do sistema imunológico com o qual você nasceu.

Seu sistema imunológico é totalmente capaz de feitos surpreendentes de autopreservação, mas apenas se for devidamente abastecido com os nutrientes e elementos de que precisa para funcionar conforme o planejado. A deficiência de vitamina D causa supressão imunológica, e uma pessoa com deficiência de vitamina D provavelmente não responderá muito bem a uma vacina de mRNA, não importa o quão avançada seja a tecnologia.

Zinco, selênio e magnésio são elementos críticos que tendem a ser deficientes em pessoas com função imunológica deficiente. A suplementação com esses minerais permite que o sistema imunológico alcance todo o seu potencial, tornando as vacinas de mRNA obsoletas.

Com efeito, podemos dizer que as vacinas de mRNA são a criação de uma sociedade iludida que censurou a verdade sobre a nutrição por tanto tempo que quase todo mundo acredita que devemos nos tornar mecânicos médicos para consertar todos os problemas do corpo usando nanotecnologia avançada e descobertas caras. Mas, na realidade, seu sistema imunológico funciona de graça ... e você nasceu com ele. Infelizmente, a maioria das pessoas se recusa a nutrir seu sistema imunológico com os componentes necessários para apoiar um funcionamento eficaz. E quase ninguém em qualquer posição de autoridade ou poder ousará recomendar nutrição quando há tanto dinheiro a ser feito com vacinas e produtos farmacêuticos patenteados.

E se a resposta ao coronavírus fosse tão simples quanto recomendar vitamina D e zinco? Se fôssemos sábios o suficiente para permitir que nossa própria nanotecnologia interna fizesse seu trabalho, não teríamos que tentar sequestrar as células do corpo usando intervenções médicas elaboradas, caras e arriscadas e possivelmente nefatas.


As fontes deste artigo incluem:

Vacinas de mRNA, uma cartilha: como funcionam, por que são "mais limpas" do que as vacinas tradicionais e por que podem ser catastróficas em uma resposta apressada de coronavírus:

Precisamos do seu apoio para continuar nosso jornalismo baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado Profundo que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Por favor, considere apoiar o nosso site.Fazer uma doação agora!
Mais sobre Vacinação
Compartilhe
Continue lendo após publicidade
Continue lendo após publicidade
Coletividade Evolutiva é uma mídia independente e alternativa, sem financiamento ou apoio por donos bilionários, políticos ou acionistas. Se gostou que acabou de ler, mostre seu apoio curtindo ou seguindo nas redes sociais, ou inscrevendo-se por E-mail para receber as últimas notícias. Siga.
Instagram | Facebook |Twitter |Telegram |>>NOS POIE

Fabio Allves

Fabio Allves
Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar. | Telegram