Coletividade Evolutiva , Cúrcuma: Reverter danos da vacina COVID-19 mRNA: cúrcuma bloqueia a proteína spike. ,

Cúrcuma: Reverter danos da vacina COVID-19 mRNA: cúrcuma bloqueia a proteína spike.

A curcumina é um composto amarelado, que tem sido usado como um aditivo alimentar, tempero dietético, e remédio de ervas.



O consenso cientifico composto por mais de 17 mil médicos e cientistas declararam e confirmaram cientificamente desde 2022 que os dados mostram que os vacinados contra a Covid têm maior probabilidade de serem infectados, contrair doenças ou mesmo morrer se tiverem sido vacinados, em comparação com as pessoas não vacinadas. Danifica o coração, o cérebro, o tecido reprodutivo, os pulmões e desativa seu sistema imunológico.

Por que você deve parar a circulação da Proteína Spike

Pesquisadores Descobriram que a proteína spike causa danos ao se ligar ao receptor ACE-2, diminuindo assim o receptor, causando danos às células endoteliais vasculares. 

A proteína spike tem um domínio de ligação semelhante a uma toxina que se liga à α7-nAChR no sistema nervoso central e no sistema imunológico, prejudicando assim as funções da nAChR, como a função de reduzir a inflamação e citocinas pró-inflamatórias, como a IL-6. 

A ligação com doenças neurodegenerativas também está na capacidade da proteína spike de interagir com as proteínas formadoras de amiloide ligantes da heparina, desencadeando assim a agregação de proteínas cerebrais.

A persistência da proteína spike leva à inflamação persistente (inflamação crônica), que pode eventualmente colocar o sistema imunológico em tolerância imunológica (IgG4). Um efeito especial em mulheres e durante a gravidez é a ligação da proteína spike ao receptor de estrogênio alfa, que interfere na transmissão de estrogênio.

A proteína spike tem um efeito citotóxico nas células, interagindo com genes supressores de câncer e causando danos mitocondriais. As proteínas spike expressas na superfície celular levam a uma reação autoimune citopática.

A proteína spike livre liga-se à ACE-2 em outros órgãos e células sanguíneas. No sangue, a proteína spike afeta as plaquetas para liberar fatores de coagulação, secretar fatores inflamatórios e formar agregados plaquetários leucocitários. A proteína spike liga-se ao fibrinogênio, desencadeando coágulos sanguíneos.

Cúrcuma bloqueia a proteína spike e produz saúde

A curcumina é um composto amarelado, que tem sido usado como um aditivo alimentar, tempero dietético, e remédio de ervas. Várias investigações revelaram que a curcumina possui potentes atividades bioquímicas e biológicas, incluindo atividades anti-inflamatórias, antivirais, antioxidantes, antibacterianas e anticancerígenas.

Na medicina herbal tradicional, curcumina é usada para melhorar o sistema imunológico e como um tratamento para vários distúrbios respiratórios como alergia e asma. A curcumina também tem sido tradicionalmente usada para o tratamento de inúmeras doenças, incluindo úlceras, disenteria, icterícia, dor de estômago, artrite, acne, feridas e infecções oculares e de pele.

A curcumina tem sido caracterizada como "geralmente segura" pela reguladora Food and Drug Administration (FDA) dos EUA. De fato, nenhum efeito colateral significativo relacionado à curcumina pode ser encontrado na literatura.

Ingestão oral de 6 g/dia de curcumina por 7 semanas também foi relatada para ser seguro em pacientes com câncer de mama, e 3 g/dia de curcumina dada por 9 semanas para pacientes com câncer de próstata não mostrou efeitos adversos.

A curcumina também exibe uma forte atividade quelante de ferro. A suplementação a longo prazo com curcumina induziu depleção de ferro em camundongos jovens. Além disso, a curcumina possui propriedades anticoagulantes e pode beneficiar pacientes que recebem anticoagulantes.

(pimenta-preta – que bloqueia a degradação da curcumina e aumenta a biodisponibilidade em até 2000%, potencializando seus benefícios) 



Tem sido relatado que este composto pode inibir vários subtipos de citocromo P450 - uma superfamília ampla e diversificada de proteínas responsáveis por oxidar um grande número de substâncias para torná-las mais polares e hidrossolúveis - , incluindo CYP2C9 e CYP3A4. Por esta razão, curcumina tem sido conhecida por interagir com certos outros medicamentos, incluindo anticoagulantes, antibióticos e antidepressivos.


Curcumina e infecção COVID-19 e proteína spike


Maio 2020 – Zahediour et al revisaram a curcumina na infecção por COVID-19:



Julho de 2022 – Nag et al. descobriu que a curcumina tinha ligação forte e estável com a proteína spike Omicron, que era superior à hidroxicloroquina. Também poderia interromper uma proteína spike já ligada à ACE-2, uma proteína transmembrana expressa na superfície de diversas células do corpo, como o epitélio do sistema respiratório. 


Set.2022 – Zipin et al descobriram que a curcumina pode interromper as partículas virais de Omicron, mas sua formulação de curcumina, que tinha baixa biodisponibilidade, foi incapaz de interromper o vírus Omicron em células infectadas – os autores sugerem o uso de nanocurcumina para melhorar a biodisponibilidade da cúrcuma - ou curcumina + pimenta-preta(pimenta-preta – que bloqueia a degradação da curcumina e aumenta a biodisponibilidade em até 2000%, potencializando seus benefícios) 



out.2022 – Venugopa et al. descobriu que, além da proteína spike de ligação da curcumina, a curcumina também poderia interferir com a replicação viral COVID-19, e era um imunomodulador que poderia impedir a tempestade de citocinas.


Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR