Novo Experimento Pandêmico à Vista: Cientistas Revelam Vacina de mRNA Contra Gripe Aviária H5N1

Cientistas financiados pelo NIH desenvolvem vacina contra gripe aviária de mRNA "para prevenir infecções humanas"


Novo Experimento Pandêmico à Vista: Cientistas Revelam Vacina de mRNA Contra Gripe Aviária H5N1

Lá vamos nós outra vez repetirmos a merda da pandemia COVID e "vacinas mRNA". Pesquisadores financiados pelo governo federal dos EUA desenvolveram uma vacina experimental de mRNA contra a gripe aviária H5N1, que segundo eles, é "altamente eficaz" na prevenção de doenças graves e mortes em animais de laboratório infectados. É possível que uma pandemia em 2024 provoque uma ou duas injeções de terapia gênica experimental, assim como a pandemia de 2020 - contaminar animais e humanos pela comida vacinada - veja aqui

De acordo com um comunicado da Universidade da Pensilvânia, a vacina desenvolvida provocou respostas imunológicas robustas tanto em camundongos quanto em furões, ambos utilizados como modelos de estudo para doenças humanas. 

Os resultados, publicados na revista Nature Communications em 23 de maio, indicam que a vacina de nanopartículas lipídicas de mRNA induziu respostas "fortes" de células T e anticorpos em camundongos fêmeas infectados com o H5N1, além de prevenir a morte em furões machos.

A eficácia demonstrada em modelos animais abre a possibilidade de utilização dessa vacina para controlar surtos do H5N1 em humanos, conforme os autores. No entanto, o Dr. Robert Malone, pioneiro na tecnologia de vacinas de mRNA, levanta uma questão crucial sobre a necessidade de provar que os resultados obtidos em furões podem ser replicados em humanos. 

Malone destaca que a transmissão do H5N1 entre humanos é praticamente impossível, restringindo-se principalmente a indivíduos imunocomprometidos ou àqueles que manipulam aves infectadas.

No entanto, Malone criticou a cobertura midiática sobre o estudo, sugerindo que pode haver um exagero para atrair financiamento. Ele também apontou potenciais conflitos de interesse entre os pesquisadores, como Dr. Scott Hensley e Dr. Drew Weissman, que são listados como co-inventores em patentes para tecnologias de vacinas de mRNA e consultores pagos de grandes empresas farmacêuticas como Pfizer e Merck.

Notavelmente, a primeira injeção de terapia genética baseada em mRNA a ser dada ao público em geral foram as vacinas contra Covid da Pfizer e da Moderna, que receberam muitas críticas.

As vacinas contra a Covid são conhecidas por aumentar a letalidade após doses repetidas, aumentar as taxas de infecção por Covid, resultar em cânceres cardiovascularesdestruição reprodutivacausar abortos espontâneosparalisação, distúrbios autoimunes na tireoide, bem como dores de cabeça mortais, convulsões e inflamação cardíaca, além de uma infinidade de doenças graves vistas em estudos populacionais massivos e conter centenas de vezes os níveis permitidos de contaminação do ADN que conduzem a efeitos mutagénicos, bem como provavelmente alteram permanentemente o ADN dos vacinados e dos seus descendentes.

Nos EUA, o CDC recomenda que todos os americanos recebam sua vacina contra a Covid e que crianças pequenas recebam extras, enquanto no Brasil recomendam e se tornou o primeiro país do mundo a obrigar crianças pequenas a tomarem esse veneno silencioso chamado de vacina mRNA, o Canadá recomenda outra vacina contra a Covid para as grávidas, indígenas, "racializadas" e "merecedoras de equidade".

Conflitos de Interesse e Financiamento

A Universidade da Pensilvânia, com um orçamento de US$ 11,1 bilhões, é descrita por Malone como um "R&D farmacêutico" (Algo como progressiva sem ética) devido ao seu foco em pesquisa e desenvolvimento de tecnologias farmacêuticas. Parte significativa do financiamento da universidade provém da indústria farmacêutica, que utiliza patentes detidas pela instituição. 

Drew Weissman, um dos pesquisadores principais, recebeu o Prêmio Nobel de Medicina em 2023 por suas contribuições à tecnologia de mRNA, reforçando a importância da universidade no avanço das ciências biomédicas.

O governo dos EUA está em negociações com empresas como Pfizer e Moderna para desenvolver vacinas de mRNA contra o H5N1, visando proteger trabalhadores agrícolas e outros indivíduos em contato próximo com o vírus. Dawn O'Connell, da Administração de Preparação e Resposta Estratégica dos EUA, enfatizou que as vacinas de mRNA podem ser produzidas mais rapidamente devido à facilidade de modificar seu sequenciamento genético, oferecendo uma resposta ágil a possíveis ameaças pandêmicas.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.