Estudiosos catalogam 'crimes' do papa Francisco e o encobrimento de abusos sexuais

Crimes sexuais na Igreja Católica e a controversa figura do Papa Francisco visto por muitos como o profeta do anti-cristo.


Estudiosos catalogam 'crimes' do papa Francisco e o encobrimento de abusadores sexuais

Nos últimos anos, a Igreja Católica tem sido abalada por uma série de escândalos de abuso sexual que envolveram membros de seu clero em todo o mundo. Esses crimes não apenas causaram um dano profundo às vítimas e suas famílias, mas também minaram a fé de muitos fiéis. Recentemente, um grupo de católicos proeminentes divulgou uma carta aberta aos cardeais e bispos da Igreja Católica, destacando os "crimes" do papa Francisco e pedindo sua renúncia.

A carta, assinada por figuras respeitadas como o liturgista Dr. Peter Kwasniewski e o teólogo Dr. John Rist, entre outros, acusa o papa Francisco de promover heresias e proteger abusadores sexuais. Entre os casos mais notórios citados está o do ex-cardeal Theodore McCarrick, acusado de abusar sexualmente de seminaristas e menores. Os signatários afirmam que Francisco não apenas falhou em tomar medidas decisivas contra tais indivíduos, mas em alguns casos, os protegeu ativamente.

Escândalos de Abuso Sexual e Encobrimentos


Os escândalos de abuso sexual na Igreja Católica são numerosos e variados. Por exemplo, o padre Julio Grassi, na Argentina, foi condenado por abusar de meninos em lares para crianças. Outro caso é o do falecido cardeal Godfried Danneels, que foi acusado de proteger abusadores dentro da Igreja. 

Esses casos ilustram uma "profanação" da Igreja e de sua fé, conforme descrito pelos críticos. A resposta institucional a esses crimes tem sido frequentemente insuficiente, com muitos abusadores permanecendo impunes por anos.

Medo e Silenciamento Dentro da Igreja


A carta também destaca um clima de medo entre os clérigos, que temem represálias se falarem contra as injustiças. O padre Murr, um dos críticos, aponta que muitos padres evitam assinar a carta por medo de suspensão, remoção ou laicização. Esse medo é exacerbado por histórias de padres mais velhos que, após dedicarem suas vidas à teologia, se encontram sem meios de subsistência se forem forçados a deixar o sacerdócio.

Além dos casos de abuso, há relatos de perseguição direcionada a católicos devotos que criticam a hierarquia da Igreja. Paulette Harlow, de 75 anos, foi impedida de assistir à missa enquanto estava em prisão domiciliar, um ato que muitos veem como uma forma de repressão religiosa.

O Papel do Papa Francisco: um profeta do anti-cristo


Os críticos do papa Francisco o acusam de ser uma figura que, em vez de defender os valores tradicionais da Igreja, promove mudanças que muitos consideram heréticas. Eles o comparam a um "profeta do anti-cristo", acusando-o de desviar a Igreja de seu caminho espiritual. A carta aberta é um apelo urgente para que os cardeais e bispos tomem medidas contra ele, sugerindo que, se Francisco se recusar a renunciar, ele seja declarado deposto por heresia.

A Igreja Católica está em uma encruzilhada, enfrentando um momento crucial de sua história. Os crimes sexuais e as acusações contra o papa Francisco destacam a necessidade urgente de mudanças estruturais e uma nova abordagem à liderança e à justiça dentro da instituição. Somente através de uma resposta corajosa e transparente a esses desafios a Igreja poderá começar a curar suas feridas e recuperar a confiança de seus fiéis.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.