Vacina DTP de Bill Gates Matou milhões de crianças, revela investigação do governo dinamarquês

Bill Gates e a Controvérsia das Vacinas: Uma Investigação Dinamarquesa Revela Impacto Mortal

Bill Gates assassinou "milhões de crianças" com sua vacina DPT, revela estudo do governo dinamarquês

Uma recente investigação conduzida pelo governo dinamarquês revelou alegações chocantes sobre o bilionário globalista Bill Gates, alegando que suas ações contribuíram para a morte de centenas de milhões de jovens africanas. 

De acordo com os resultados desta investigação, Gates teria desempenhado um papel significativo na administração de vacinas perigosas contra difteria, tétano e coqueluche (DTP), conhecidas por causar danos graves à saúde e até mesmo morte.

O envolvimento de Gates com a vacina DTP remonta a uma solicitação feita pelo próprio Gates ao governo dinamarquês, solicitando apoio para a vacinação de 161 milhões de crianças africanas. Essa solicitação levantou suspeitas entre os dinamarqueses devido à reputação negativa da vacina DTP, que havia sido proibida na Europa e nos Estados Unidos devido aos seus efeitos colaterais prejudiciais.

Embora o governo dinamarquês tenha pedido dados para sustentar a afirmação de Gates de que a vacina havia salvado 30 milhões de vidas na África, o bilionário não foi capaz de fornecer evidências concretas para respaldar sua declaração. 

Diante dessa lacuna de informações, o governo dinamarquês decidiu conduzir sua própria investigação, enviando pesquisadores à África para analisar 30 anos de dados relacionados à vacina DTP.

Os resultados dessa investigação foram chocantes e revelaram que as jovens injetadas com a vacina DTP de Gates estavam morrendo a uma taxa 10 vezes maior do que aquelas que não haviam sido vacinadas. 

Os autores chegaram a Conclusão: Apesar de apresentarem melhor estado nutricional e estarem protegidas contra três infecções, as crianças vacinadas com DTP de 6 a 35 meses tenderam a ter maior mortalidade do que as crianças não vacinadas com DTP. Todos os estudos sobre a introdução da DTP encontraram aumento da mortalidade geral.

Além disso, as mortes não estavam sendo causadas pelas doenças contra as quais a vacina supostamente oferecia proteção, mas sim por outras condições, como anemia, malária, doenças pulmonares e respiratórias, entre outras. Isso levou à conclusão de que o sistema imunológico dessas jovens havia sido completamente comprometido, tornando-as incapazes de se defender de doenças menores.

O político Robert F. Kennedy Jr. expressou preocupação com essas descobertas e destacou a importância de compartilhar essa informação com o público. A professora Christine Stabell Benn, uma das pesquisadoras dinamarquesas envolvidas na investigação, confirmou os resultados do estudo e enfatizou a gravidade dos impactos da vacina DTP em mulheres em países de baixa renda.

As jovens injetadas com a vacina DTP de Gates estavam morrendo a 10 vezes a taxa daquelas que não foram vacinadas. Essas meninas estavam protegidas contra difteria, coqueluche e tétano, mas estavam morrendo de causas que ninguém nunca havia associado à vacina.

"Elas estavam morrendo de anemia, malária, doença pulmonar, doença respiratória e pneumonia", explica Robert F. Kennedy.

Em suma, seu sistema imunológico foi completamente destruído. Elas eram incapazes de se defender de outras doenças menores.


O professor Benn usou o LinkedIn para explicar como o estudo chegou às suas conclusões:

"Muitas pessoas me alertaram para o fato de que Robert F. Kennedy Jr tem mencionado os estudos do nosso grupo sobre a vacina de células inteiras contra difteria, tétano-coqueluche (DTP) usada na África. Perguntaram-me se a história é verdadeira. Permitam-me que apresente a história a partir da nossa perspectiva. Em resumo, alguns detalhes estão errados, mas a mensagem geral – que descobrimos um sinal de segurança sério em relação à vacina DTP para mulheres – está correta."



"A análise mostrou que a introdução da vacina DTP na Guiné-Bissau foi associada a um aumento de 2 vezes na mortalidade geral. Em meninas, a estimativa foi de um aumento de 2,60 (IC 95%=1,57–4,32) vezes na mortalidade. Vale ressaltar que esses estudos foram publicados após a revisão da OMS. Se tivessem sido incluídos na revisão da OMS, o efeito negativo da vacina DTP teria sido mais forte.

"Em 2020, revisamos todos os dados, em conexão com uma grande revisão dos efeitos não específicos. Incluindo todos os estudos com seguimento prospectivo, também os novos estudos, para um total de 17 estudos, ser DTP vacinado vs. não ser DTP vacinado foi associado com 2,07 (IC 95%=1,60-2,67) - mortalidade vezes maior. A estimativa foi de 2,54 (1,68-3,86) no sexo feminino. Entre as crianças vacinadas com DTP, as mulheres tiveram mortalidade quase 50% maior do que os homens (1,47 (1,18-1,84)). Foi observada uma dose-resposta, com a razão de mortalidade feminina e masculina aumentando a cada dose adicional da vacina DTP.

"A conclusão é muito clara: a vacina DTP de células inteiras usada em países de baixa renda está associada ao aumento da mortalidade para mulheres. A observação não foi contrariada por bons estudos prospectivos. O que ainda não está claro é por que a OMS não age. Portanto, congratulamo-nos com o fato de Robert F. Kennedy Jr compartilhar a história sobre a vacina DTP, mesmo que ele tenha errado alguns detalhes."

Embora essas revelações sejam alarmantes, é importante destacar que a comunidade científica continua a estudar os efeitos das vacinas e a avaliar sua segurança. No entanto, os resultados desta investigação levantam sérias questões sobre a ética das práticas de vacinação em países em desenvolvimento e destacam a necessidade de maior transparência e responsabilidade por parte das partes envolvidas.

Como sempre, é essencial que o público esteja informado sobre questões de saúde pública e que busque fontes confiáveis de informação ao tomar decisões relacionadas à sua saúde e bem-estar.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Sugestão de suplemento

Postar um comentário

0 Comentários

Fechar Menu