Tomada de Poder da OMS: Carta "Enganosa" da OMS pede apoio ao tratado de pandemias, enquanto nações começam a despertar

Carta 'enganosa' pede apoio a tratado sobre pandemia, enquanto Louisiana se torna primeiro estado dos EUA a rejeitar tomada de poder da OMS

Coletividade EvolutivaGovernoTomada de Poder da OMS: Carta "Enganosa" da OMS pede apoio ao tratado de pandemias, enquanto nações começam a despertar


Recentemente, mais de 100 ex-líderes mundiais e figuras públicas assinaram uma carta aberta pedindo aos Estados-membros da Organização Mundial da Saúde (OMS) que finalizassem um novo "acordo de pandemias" a tempo da 77ª Assembleia Mundial da Saúde, marcada para ocorrer em Genebra, na Suíça, de 27 de maio a 1º de junho. 

No entanto, críticos despertos do acordo proposto argumentam que a carta é enganosa, pois não menciona as emendas ao Regulamento Sanitário Internacional (RSI) de 2005, que estão sendo negociadas simultaneamente e pode tomar o poder das nações e as liberdades. Pode sobrepor a constituição de um país.

Em carta aberta, datada de 20 de março, os dirigentes escreveram:

"Um acordo pandêmico é fundamental para salvaguardar nosso futuro coletivo. Somente um forte pacto global sobre pandemias pode proteger as gerações futuras de uma repetição da crise da COVID-19, que levou a milhões de mortes e causou devastação social e econômica generalizada."

As emendas do RSI, propostas em 2023, estão sendo negociadas simultaneamente com o acordo. Os críticos da carta disseram que ela visa desviar a atenção do que argumentam serem as propostas mais onerosas contidas nas emendas do RSI.

O acordo pandêmico ou Tratado de Pandemias proposto, visa salvaguardar o futuro coletivo diante de crises como a COVID-19, buscando criar um pacto global para evitar uma repetição dos danos causados pela pandemia. (Relacionado: DITADURA GLOBAL: OMS pede urgência na assinatura do "Acordo de Pandemias" até maio - antes de uma nova pandemia)

No entanto, alguns questionam a transparência em torno das negociações e levantam preocupações sobre as implicações das emendas ao RSI, que incluem questões controversas como o fechamento de fronteiras e a vacinação obrigatória.

OMS é criminosa: 


O Dr. David Bell, médico de saúde pública, descreve a carta como "bastante vergonhosa" e "enganosa", destacando a importância das emendas propostas ao RSI, que concederiam poderes legislativos e executivos independentes ao diretor-geral da OMS. Essas emendas têm sido motivo de discordância entre os Estados-membros, com países como Irã, Nova Zelândia, Eslováquia e Holanda recentemente rejeitando-as.

Bell disse:

"[A carta] segue o exemplo do diretor-geral em enganar o público, mas afirmando, com razão, que o acordo sobre a pandemia não inclui disposições que entregam autoridade dos países à OMS, quando estas estão nas alterações propostas ao RSI que acompanha o acordo pandêmico.

"As emendas propostas do RSI mencionam especificamente o fechamento de fronteiras, a vacinação obrigatória e outras medidas agora associadas a lockdowns. Eles mencionam especificamente a documentação necessária para cruzar as fronteiras e mencionam os passaportes digitais como uma das alternativas."

A advogada holandesa Meike Terhorst disse ao The Defender que a carta aberta "só se refere ao acordo pandêmico para confundir a todos".

"A verdadeira carne está nas emendas do RSI, porque, com base nas emendas, espera-se que o diretor-geral da OMS obtenha poderes legislativos e executivos independentes enquanto qualquer revisão legal é impossibilitada", disse Terhorst. "O sigilo em torno dos rascunhos sugere que estamos lidando com um golpe de Estado."

Acordo sobre pandemia não ameaça soberania, mas emendas ao RSI sim


O jornalista independente James Roguski disse ao The Defender que a carta dos líderes mundiais à OMS é "principalmente correta", já que o acordo pandêmico proposto não é um "ataque à soberania nacional".

No entanto, ele e a Dra. Kat Lindley, presidente do Projeto de Saúde Global e diretora da Cúpula Global COVID, Lindley apontaram que as emendas do RSI representam uma ameaça à soberania das nações.

Lindley disse que as emendas do RSI tornarão a OMS a "autoridade global em saúde no caso de novas pandemias, o que eles claramente sentem que acontecerá repetidamente" e podem abrir caminho para "futuros mandatos de vacinas e a imposição de passes de saúde digitais".

Estados Unidos, a Louisiana tornou-se o primeiro estado a rejeitar unanimemente qualquer influência da OMS


Nos Estados Unidos, a Louisiana tornou-se o primeiro estado a rejeitar unanimemente qualquer influência da OMS, das Nações Unidas e do Fórum Econômico Mundial sobre suas políticas. Isso reflete uma crescente oposição global ao acordo proposto e às emendas do RSI, indicando um possível fracasso nas negociações em curso.

Enquanto as discussões continuam, a questão sobre o futuro desses acordos internacionais permanece incerta. No entanto, o posicionamento firme de certos estados e países contra o que eles percebem como uma tomada de poder por organizações internacionais destaca a importância do debate público e da transparência nessas questões globais.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Siga-nos: | | e | Nos Apoie: Doar

OBTENHA aqui o Extrato de Própolis Verde com essa combinação: Vitamina B, E, C, D3, A, Selênio e Zinco. Aumente suas defesas naturais! Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui. Fortalece o sistema imunológico, Poderosa ação antioxidante (antienvelhecimento), Atua contra o processo de inflamação do organismo - anti-inflamatório, Combate problemas de saúde ocasionados nas vias respiratórias e Tem poderosa ação antifúngica, antibiótica, acelerando a cicatrização
Fechar Menu
Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco, Imunidade e Proteção, Fortalvit, 60 Cápsulas

VER

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR