Estudo revela como a vitamina K ajuda a prevenir e tratar o diabetes

Os pesquisadores relataram que aumentar a ingestão de vitamina K pode ajudar a reduzir o risco de diabetes.


Pesquisadores da Universidade de Montreal e do Instituto de Pesquisa Clínica de Montreal, no Canadá, descobriram uma nova maneira promissora de tratar ou prevenir o diabetes sem intervenção farmacêutica.

Em seu estudo, publicado na revista Cell Reports, os pesquisadores relataram que aumentar a ingestão de vitamina K pode ajudar a reduzir o risco de diabetes. Isso ocorre devido ao papel crucial que a vitamina K desempenha em um processo químico chamado gama(y)-carboxilação, que ocorre nas células e afeta as proteínas que elas secretam.


O estudo descobriu que a y-carboxilação é importante para as células beta pancreáticas e sua capacidade de produzir insulina, o hormônio que induz as células a absorver glicose da corrente sanguínea. O diabetes geralmente se desenvolve devido à insuficiência de células beta ou à produção insuficiente de insulina pelas células beta.

A ligação entre vitamina K e diabetes


De acordo com as estatísticas, a prevalência de diabetes aumentou significativamente em quase todos os países nas últimas décadas. De fato, a Organização Mundial da Saúde (OMS) agora considera o diabetes uma epidemia global que causa milhões de mortes a cada ano. Também alerta que o diabetes é uma das principais causas de cegueira, insuficiência renal, infarto, derrame e amputação de membros inferiores.

A vitamina K, um nutriente lipossolúvel encontrado em uma variedade de alimentos à base de plantas e animais, é conhecida por seu papel como coenzima. As coenzimas são importantes direcionadores de reações bioquímicas devido ao seu papel como catalisadores e ativadores enzimáticos. A vitamina K atua como uma coenzima para a carboxilase, uma enzima envolvida na síntese de proteínas necessárias para a coagulação do sangue (protrombina) e construção óssea (osteocalcina).

Como etapa final na biossíntese proteica, a carboxilase dependente de vitamina K facilita a modificação pós-traducional (y-carboxilação) da osteocalcina, o que leva à sua ativação. Além de regular a maturação mineral óssea, a osteocalcina carboxilada também regula a expressão de genes de insulina e marcadores de proliferação de células beta. Vários estudos têm demonstrado que ter altos níveis de osteocalcina carboxilada melhora a sensibilidade à insulina e reduz o risco de diabetes tipo 2.

A y-carboxilação dependente de vitamina K melhora a produção de insulina nas células beta


Vários relatórios sugerem que a baixa ingestão de vitamina K ou insuficiência de vitamina K em humanos está associada a um risco aumentado de desenvolver síndrome metabólica, um conjunto de condições que aumentam o risco de uma pessoa de doença cardíaca coronariana, acidente vascular cerebral e diabetes tipo 2.

Os pesquisadores também observaram que baixos níveis de vitamina K em pacientes obesos mórbidos se correlacionam positivamente com a presença de diabetes tipo 2, enquanto a suplementação com vitamina K tende a diminuir significativamente seus níveis de glicemia de jejum.

Essas observações sugerem fortemente uma ligação entre a insuficiência de vitamina K e o risco de desenvolver diabetes, mas os mecanismos subjacentes nessa relação permanecem desconhecidos.

Para esclarecer isso, pesquisadores canadenses realizaram vários experimentos com células beta isoladas de camundongos e humanos. Eles descobriram que, sob condições de estresse metabólico, as células beta de camundongos que não tinham carboxilação y devido à insuficiência de vitamina K "não conseguiram adaptar sua secreção de insulina".

Por outro lado, o tratamento com vitamina K apoiou a atividade de y-carboxilação e protegeu as células beta dos efeitos nocivos da glicose elevada e do estresse metabólico. Isso sugere que a y-carboxilação dependente de vitamina K desempenha um papel importante na sobrevivência e função adequada das células beta pancreáticas, especialmente em tempos de coação celular.

A capacidade das células beta de se adaptarem a condições desfavoráveis garante a produção suficiente de insulina quando necessária para o controle do açúcar no sangue.

Em células beta humanas, os pesquisadores observaram uma tendência semelhante, com a carboxilação y dependente de vitamina K sendo positivamente correlacionada com a melhora da secreção de insulina em resposta à glicose.

Eles também identificaram uma proteína no retículo endoplasmático – a organela celular onde ocorre a síntese de proteínas – de células beta chamada EGRP que ajuda a regular a ligação do cálcio às proteínas.

Os pesquisadores descobriram que a y-carboxilação dependente de vitamina K do EGRP protege as células beta do enchimento excessivo de cálcio, enquanto a falta de y-carboxilação faz o oposto e causa hiperinsulinemia (níveis de insulina mais altos do que o normal).

O cálcio intracelular desempenha um papel enorme na liberação de insulina das células beta, razão pela qual sua regulação é importante para o bom funcionamento das células beta pancreáticas. A desregulação do cálcio nas células beta é uma característica comum do diabetes tipo 2.

"Nosso estudo mostra que essa proteína desempenha um papel importante na manutenção dos níveis fisiológicos de cálcio nas células beta, a fim de evitar um distúrbio da secreção de insulina", disse a Dra. Julie Lacombe, uma das autoras do estudo, sobre a EGRP. "A vitamina K através da gama-carboxilação é essencial para que o ERGP desempenhe seu papel."

A vitamina K é um nutriente importante que você pode obter de vários alimentos e suplementos. A vitamina K vem em duas formas, a saber, filoquinona (vitamina K1) e menaquinonas (vitamina K2). A vitamina K1 pode ser encontrada em vegetais de folhas verdes, como couve, espinafre, brócolis e repolho. A vitamina K2, por outro lado, está presente em grandes quantidades na soja fermentada e em menor quantidade na carne, queijo e ovos.

De acordo com um estudo publicado na Diabetes Care, a alta ingestão de vitamina K1 e K2 está associada a um menor risco de desenvolver diabetes tipo 2, embora o efeito seja mais pronunciado com a vitamina K2.

Artigo originalmente em: supplementsreport.com


OBTENHA O SEU JÁ: Ômega 3 da Noruega Ultra Concentrado Certificado IFOS (90 cápsulas) - obtenha o seu hoje! - A saúde do cérebro, dos olhos e do sistema cardiovascular; Reduzir inflamações, coagulação do sangue, colesterol ruim e triglicerídeos; Aumentar o colesterol bom, a disposição, a imunidade e o bem estar; Auxiliar na cognição, na memória, no desenvolvimento muscular e no emagrecimento; Prevenir e reduzir sintomas de doenças crônicas, mentais e cardiovasculares.
OBTENHA aqui o Extrato de Própolis Verde com essa combinação: Vitamina B, E, C, D3, A, Selênio e Zinco. Aumente suas defesas naturais! Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Siga-nos: | | e | Nos Apoie: Doar
Fechar Menu
Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco, Imunidade e Proteção, Fortalvit, 60 Cápsulas

VER

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR