Síndrome VEXAS: As novas doenças autoinflamatórias após vacinas e COVID

Os sintomas da síndrome VEXAS, descoberta pela primeira vez em 2020, são altamente variáveis e inespecíficos.

Síndrome VEXAS: As novas doenças autoinflamatórias após vacinas e COVID

Algumas pessoas vacinadas e infectadas com COVID-19 estão sendo diagnosticadas com um novo tipo de doença chamada síndrome VEXAS – uma doença autoinflamatória descoberta em 2020, tem intrigado a comunidade médica. 

Muitas pessoas estão familiarizadas com doenças autoimunes, muitas vezes causadas por disfunção entre as células imunes adaptativas; Problemas dentro do sistema imunológico inato muitas vezes causam doenças autoinflamatórias.

De acordo com The Epoch Times, este distúrbio VEXAS, abreviado de Vacúolos, Enzima E1, Ligada ao X, Autoinflamatória, Síndrome Somática, está vinculado a mutações nas células imunes inatas, especificamente uma mutação somática no gene UBA1 localizado no cromossomo X.

Mutação Somática e VEXAS: Uma Conexão Complexa


A peculiaridade da Síndrome VEXAS reside no fato de que as mutações somáticas, ao contrário das herdadas, são adquiridas ao longo da vida. Essas mutações impactam as células-tronco na medula óssea, que, ao amadurecerem em células imunes especializadas, circulam na corrente sanguínea. 

A presença da mutação UBA1 nessas células imunes resulta em alta inflamação, levando ao desenvolvimento de sintomas característicos. As células imunes portadoras da mutação UBA1 são altamente inflamatórias e, uma vez que um número suficiente delas se acumula, os pacientes começam a desenvolver sintomas.

Relatos Pós-Vacinação: Desencadeadores Potenciais da Síndrome VEXAS


Relatos de diagnósticos de Síndrome VEXAS após a vacinação contra a COVID-19 têm gerado preocupações. Em um caso, um homem de 76 anos desenvolveu inchaços, erupções cutâneas e manchas roxas nos membros três dias após receber a vacina da Pfizer. (Relacionado: Desintoxicação da vacinação COVID: Protocolo proposto pelo Dr. Peter McCullough)

A conexão entre a vacinação e o surgimento rápido dos sintomas levanta questionamentos sobre a possível influência desencadeadora da vacina na síndrome. Problemas de pele são comumente relatados em pacientes com VEXAS. Mais tarde, foi determinado que ele tinha a mutação UBA1.

"A incidência rara da síndrome VEXAS e o curto intervalo de 3 dias entre a vacinação e o início dos sintomas foram muito sugestivos do papel da vacina como gatilho", escreveram os autores do Drôme Nord Hospitals .

Outro diagnóstico de síndrome VEXAS ocorreu em um paciente de 72 anos. Ele desenvolveu febre, fadiga, trombose venosa profunda e tosse após uma infecção por COVID-19. Durante meses, os médicos diagnosticaram-no erroneamente como tendo COVID longo. O paciente acabou sendo diagnosticado com síndrome VEXAS após a detecção da mutação UBA1.

Um estudo italiano relatou o caso de um paciente com síndrome VEXAS que desenvolveu coágulos sanguíneos após uma infecção por COVID-19. Coágulos sanguíneos são comuns na síndrome VEXAS e COVID-19.

Complexidade nos Diagnósticos e Respostas Imunes


Os diagnósticos da Síndrome VEXAS não são diretos, e os sintomas variam significativamente. Pacientes podem apresentar perda de peso, febre, mal-estar, erupções cutâneas e inflamação articular. 

Além disso, a doença afeta a circulação sanguínea, levando a anemia e uma contagem inadequada de células imunes. A produção desordenada de células imunes especializadas na medula óssea contribui para a inflamação generalizada.

Vacinas e Infecções: Desafios para Pacientes com VEXAS


A relação entre infecções e vacinas e a síndrome VEXAS é complexa. Enquanto alguns médicos veem uma possível ligação, outros argumentam que é improvável que a síndrome seja desencadeada diretamente por esses eventos. 

Pacientes mais propensos a desenvolver VEXAS são geralmente homens com mais de 50 anos, e tanto infecções quanto vacinas podem agravar os sintomas nesses indivíduos.

Desafios na Resposta Imune: Uma Perspectiva Futura


O papel das células imunes adaptativas, especificamente as células T e B, na síndrome VEXAS permanece um tópico de discussão. A mutação UBA1 parece impactar principalmente as células imunes inatas, desencadeando uma resposta inflamatória. 

Entretanto, a capacidade dessas células adaptativas de sobreviverem e se especializarem pode ser prejudicada pela mutação, introduzindo um desequilíbrio no sistema imunológico desses pacientes.

Conclusão: Uma Abordagem Cautelosa para Síndrome VEXAS


A Síndrome VEXAS, embora tenha sido identificada recentemente, apresenta desafios substanciais no entendimento de seus gatilhos e respostas imunes relacionadas a vacinas e infecções. 

A comunidade médica continua a explorar essas interconexões complexas para desenvolver estratégias de diagnóstico mais precisas e abordagens terapêuticas eficazes. A vigilância cuidadosa e a pesquisa contínua são essenciais para fornecer insights valiosos sobre essa síndrome emergente.

OBTENHA O SEU JÁ: Ômega 3 da Noruega Ultra Concentrado Certificado IFOS (90 cápsulas) - obtenha o seu hoje! - A saúde do cérebro, dos olhos e do sistema cardiovascular; Reduzir inflamações, coagulação do sangue, colesterol ruim e triglicerídeos; Aumentar o colesterol bom, a disposição, a imunidade e o bem estar; Auxiliar na cognição, na memória, no desenvolvimento muscular e no emagrecimento; Prevenir e reduzir sintomas de doenças crônicas, mentais e cardiovasculares.
OBTENHA aqui o Extrato de Própolis Verde com essa combinação: Vitamina B, E, C, D3, A, Selênio e Zinco. Aumente suas defesas naturais! Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Siga-nos: | | e | Nos Apoie: Doar
Fechar Menu
Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco, Imunidade e Proteção, Fortalvit, 60 Cápsulas

VER

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR