Supera vacinas: Novo estudo comprova que pessoas que tomaram ivermectina contra COVID se recuperaram mais rápido, ou seja, também previne!

Ivermectina no Tratamento da COVID-19: Estudo no Reino Unido Revela Recuperação Mais Rápida e Menos Hospitalizações


Supera vacinas: Novo estudo comprova que pessoas que tomaram ivermectina contra COVID se recuperaram mais rápido, ou seja, também previne!

Para a imensa maioria das pessoas que foram bombardeadas com propagandas falsas de "vacinas salvam vidas", uma cura com alta porcentagem de sucesso, possivelmente mais eficaz que as vacinas experimentais em uso atual, foi intencionalmente suprimida e demonizada, censurada, oprimida e até mesmo chegaram ao ponto de ameaçar carreiras de médicos e especialistas pró-tratamento precoce com a ivermectina.

 A ciência é inegável, mais os subsidiados cheios de conflitos de interesses, comprados pela indústria farmacêutica, negaram a verdade, negaram o tratamento eficaz e barato que poderia ter salvo milhares de inocentes, portanto, agora são responsáveis, culpados de crime contra a humanidade, por matar dezenas de milhares de brasileiros que não precisavam morrer.

Houve milhares de estudos, somente nessa página, mais de 101 estudos científicos sobre a ivermectina que confirmaram o benefício significativo de tomar o medicamento no tratamento da COVID-19 em seus estágios iniciais. (Veja também de como você pode se beneficiar desse medicamento mais seguro que a aspirina: O MILAGRE DA IVERMECTINA: trata inúmeras doenças, desde dengue, zika, HIV, câncer, Doença neurológica, Epilepsia, Asma, Malária e muito mais)

Novo estudo: Os receptores de ivermectina se recuperaram mais rápido do que os outros.


Outro novo estudo comprova que as pessoas que receberam ivermectina estavam muito melhor do que aquelas que não tomaram o medicamento. Um recente estudo no Reino Unido, publicado no Journal of Infection, destaca resultados positivos para aqueles que receberam ivermectina como parte do tratamento para COVID-19.

Pessoas que testaram positivo para COVID-19 e tomaram ivermectina como tratamento se recuperaram mais rápido do que um grupo de comparação, segundo um novo estudo. O tempo para a recuperação autorrelatada foi uma mediana de dois dias mais rápido entre os receptores de ivermectina, de acordo com o grande estudo do Reino Unido.

O período de recuperação mais rápido foi estatisticamente significativo.


As pessoas que receberam ivermectina também tiveram menos probabilidade de serem hospitalizadas ou morrerem, com 1,6% dos receptores de ivermectina sendo hospitalizados ou morrendo contra 4% do grupo de comparação, que recebeu cuidados típicos, que no Reino Unido está amplamente focado no controle dos sintomas.

Resultados do Estudo: 


estudo envolveu 2.157 participantes que receberam ivermectina e 3.256 que seguiram os cuidados típicos. Os resultados indicaram que os receptores de ivermectina experimentaram uma recuperação mais rápida, com uma mediana de dois dias a menos no tempo de recuperação autorrelatada. 

O estudo, que durou de 23 de junho de 2021 a 1º de julho de 2022, utilizou uma abordagem de ensaio aberto e randomização dos participantes. No entanto, algumas críticas foram levantadas, incluindo a administração de apenas uma dose diária durante três dias e a orientação para que os participantes não comessem antes de tomar a ivermectina.

Críticas e Controvérsias: 


Apesar dos resultados positivos, o estudo foi alvo de críticas dos próprios autores do estudo, que alguns, possuem conflitos de interesses. No entanto, proeminente Dr. Pierre Kory, um médico americano que não esteve envolvido no ensaio, que advoga pelo uso da ivermectina no tratamento da COVID-19, acusou os autores de analisar e escrever o estudo de forma negativa, minimizando erroneamente os benefícios do medicamento. Ele mencionou a utilização de "chicana estatística" ou enganação na análise.

"O PRINCIPLE foi um estudo profundamente positivo que, em vez disso, foi analisado e escrito como negativo", escreveu Kory, que há muito promove a ivermectina como tratamento da COVID-19, em um ensaio.

Ele acusou os autores de empreender "chicana estatística" ao criar a razão de risco (HR) pré-especificada, observando que tal nível não foi usado em outras partes do julgamento PRINCIPLE.

"Uma taxa de risco não precisa de um nível pré-especificado. Se o RH está > 1,0, e é estatisticamente significativo, é um achado robusto", disse.

Os resultados positivos também devem ser interpretados no contexto de os receptores receberem apenas uma dose por dia durante três dias e serem orientados a não comer alimentos antes da ivermectina, disse Kory.

Christopher Butler e seus coautores disseram que "nenhum alimento deve ser tomado duas horas antes ou depois da administração", apesar de pesquisas anteriores descobrirem que tomar ivermectina com alimentos aumenta a concentração plasmática, relata o The Epoch Times:

Os participantes também receberam ivermectina uma mediana de cinco dias após o início dos sintomas, um período de tempo considerado por alguns como tarde demais para ter muito impacto. A ivermectina funciona melhor quando aplicada dentro de 24 horas após a manifestação dos sintomas, de acordo com uma meta-regressão de estudos com ivermectina.

Christopher Butler, professor da Universidade de Oxford e investigador-chefe conjunto do ensaio, minimizaram os resultados positivos.


Houve estudos adicionais que descobriram que a ivermectina funcionava contra a COVID-19. O medicamento, comumente usado para fins como o combate à malária, divide os cientistas desde 2020, quando médicos de todo o mundo começaram a usá-lo para tratar a Covid-19.
Algumas outras pesquisas, incluindo um ensaio nos EUA, descobriram que a ivermectina não melhorou o tempo de recuperação.

O Dr. David Boulware, outro médico americano, que ajudou a executar esse ensaio, argumentou no X que a recuperação mais rápida registrada no ensaio no Reino Unido era semelhante à recuperação mais rápida relatada em um ensaio aberto de molnupiravir, um antiviral às vezes usado para tratar COVID-19.

"O molnupiravir também teve uma melhora 2 dias mais rápida nos sintomas em relação ao 'cuidado usual', mas nenhum benefício existiu no ensaio duplo-cego", disse o Dr. Boulware no X. "O efeito placebo influencia os sintomas autorrelatados."

Apesar das divergências, o estudo no Reino Unido adiciona mais dados que corrobora para seu potencial de acabar de vez com a tal COVID, em uso de larga escala - destacando uma possível recuperação mais rápida e menor incidência de hospitalizações e prevenindo a infecção entre aqueles que receberam ivermectina. 

*Título corrigido.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Uma pequena pausa antes de continuar


Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.