Os próprios cientistas do CDC descobriram que as máscaras são ineficazes para a COVID – mas a agência as recomendou de qualquer maneira

Os próprios cientistas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) conduziram estudos mostrando que máscaras não são mais eficazes...

Os próprios cientistas do CDC descobriram que as máscaras são ineficazes para a COVID – mas a agência as recomendou de qualquer maneira
Este artigo foi originalmente publicado pelo site The Defender — Children's Health Defense's News & Views - republicação.

De acordo com uma investigação do jornalista independente Paul D. Thacker publicada esta semana no The Disinformation Chronicle, funcionários dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças questionaram abertamente as descobertas dos estudos de seus próprios cientistas, contradizendo as mensagens públicas da agência sobre a eficácia das máscaras.

Os próprios cientistas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) conduziram estudos mostrando que máscaras N95 não são mais eficazes em deter vírus do que as máscaras cirúrgicas.

No entanto, a agência emitiu orientações contradizendo esses e outros estudos mostrando que ambos os tipos de máscaras são ineficazes para impedir a propagação da COVID-19, de acordo com uma investigação do jornalista independente Paul D. Thacker.

A investigação, publicada esta semana em duas partes no The Disinformation Chronicle, detalha como a liderança do CDC questionou abertamente as descobertas dos estudos dos cientistas do CDC contradizendo as mensagens públicas da agência sobre a eficácia das máscaras.

Durante a pandemia, os defensores das máscaras "mudaram as balizas e exigiram respiradores N95", disse Thacker, alegando que eles têm um desempenho melhor do que as máscaras cirúrgicas para deter o vírus.

No entanto, Thacker disse que os cientistas do CDC não encontraram diferença entre a N95 e as máscaras cirúrgicas na capacidade de impedir a propagação de vírus respiratórios. As descobertas dos estudos do CDC são consistentes com outros estudos revisados por pares sobre a eficácia das máscaras na prevenção da COVID-19, de acordo com Thacker.

"Mas o CDC respondeu dizendo que as pessoas não podem dizer isso", disse Thacker ao The Defender.

Para encerrar a controvérsia, o CDC, em seu post de 23 de janeiro sobre a prevenção da transmissão de patógenos em ambientes de saúde, alertou os pesquisadores que sugerir que máscaras faciais e respiradores são a mesma coisa "não é cientificamente correto", escreveu Thacker.

CDC ignora estudos próprios que questionam N95, eficácia da máscara


De acordo com Thacker, a orientação do CDC para controlar a propagação de infecções não era atualizada desde 2007. Isso levou o CDC, em 2022, a selecionar "um grupo de especialistas científicos" e pedir que eles "atualizassem as orientações científicas da agência aos hospitais sobre como controlar infecções".

Em novembro de 2023, os especialistas produziram uma revisão sistemática e meta-análise de 80 páginas, examinando se os respiradores N95 eram mais eficazes do que as máscaras cirúrgicas. A revisão descobriu que, embora os respiradores N95 sejam melhores na filtragem de partículas, a descoberta de que eles são mais eficazes em parar os vírus "foi menos conclusiva".

A revisão sistemática também examinou a "eficácia" dos respiradores N95 e máscaras cirúrgicas "sob condições do 'mundo real'" e não encontrou "nenhuma diferença" entre os dois.

A revisão também encontrou inúmeros sintomas relatados por usuários de máscara N95, incluindo: "dificuldade para respirar, dores de cabeça e tonturas; danos na barreira cutânea e coceira; fadiga; e dificuldade para falar."

De acordo com Thacker, o CDC não está satisfeito com essas descobertas, sugerindo em sua recente atualização que seus próprios cientistas estavam errados.

"Embora as máscaras possam fornecer algum nível de filtração, o nível de filtragem não é comparável aos respiradores aprovados pelo NIOSH", disse o CDC.

O post também afirmou: "A pandemia COVID-19 mudou para sempre a abordagem que adotamos em ambientes de saúde para proteger o pessoal de saúde, pacientes e outros da transmissão de infecções respiratórias".

Mais evidências contradizendo a posição pública do CDC vieram em uma reunião do CDC em junho de 2023 em Atlanta, quando Erin Stone, analista de saúde pública do Escritório de Diretrizes e Revisão de Evidências da agência, apresentou os resultados de uma meta-análise sobre a eficácia dos respiradores N95 e máscaras cirúrgicas.

Segundo Stone, os dados "não sugerem diferença" em sua eficácia.

No entanto, em depoimento em novembro de 2023 perante o Comitê de Energia e Comércio da Câmara dos Representantes dos EUA, a diretora do CDC, Mandy Cohen, evitou perguntas sobre a eficácia da máscara e se recusou a negar que restabeleceria os mandatos de máscara para crianças.

De acordo com Thacker, em dezembro de 2023, apenas seis dias após o depoimento de Cohen, a revista The BMJ's Archives of Disease in Childhood publicou um estudo descobrindo que "as recomendações de máscaras para crianças não são apoiadas por evidências científicas".

"Recomendar o uso de máscara infantil não atende à prática aceita de promulgar apenas intervenções médicas onde os benefícios claramente superam os danos", observaram os autores do estudo.

Thacker: orientação do CDC baseada em política, não em ciência


Thacker disse que o CDC contradisse suas próprias descobertas sobre a eficácia da máscara mesmo nos estágios iniciais da pandemia de COVID-19.

"Logo após o início da pandemia, o CDC começou a promover máscaras para impedir a propagação da COVID", escreveu Thacker. "E fez isso apesar de o CDC publicar um estudo de maio de 2020 em sua própria revista, 'Emerging Infectious Diseases', que não encontrou um 'efeito substancial' para as máscaras em parar a transmissão de vírus respiratórios."

No mesmo mês, o CDC começou a promover publicamente os respiradores N95 como um meio mais eficaz de controlar a propagação da COVID-19.

No entanto, em sua página na internet promovendo a superioridade dos respiradores N95, o CDC admitiu que "não há muitas evidências de que os respiradores N95 de fato funcionem melhor do que as máscaras para deter vírus", escreveu Thacker.

"Estudos de laboratório demonstraram que os FFRs [respiradores faciais filtrantes] fornecem maior proteção contra aerossóis em comparação com máscaras cirúrgicas (...) no entanto, os resultados dos estudos clínicos foram inconclusivos", escreveu o CDC, citando um estudo de 2019 no JAMA comparando respiradores N95 a máscaras.

"Entre o pessoal de saúde ambulatorial, respiradores N95 versus máscaras médicas usadas pelos participantes neste ensaio não resultaram em nenhuma diferença significativa na incidência de gripe confirmada em laboratório", observou o estudo JAMA.

De acordo com Thacker, os resultados desses estudos confirmam o consenso científico amplamente aceito pré-COVID-19 sobre a ineficácia de máscaras de qualquer tipo em impedir a propagação de vírus. Thacker citou declarações da Organização Mundial da Saúde feitas em 2019 e a orientação do CDC sobre o controle do vírus.

Em uma aparição em 2020 no programa "60 Minutes", da CBS, o Dr. Anthony Fauci disse que, embora uma máscara possa "bloquear uma gotícula" e "fazer as pessoas se sentirem um pouco melhor", ela não fornece "a proteção perfeita que as pessoas pensam que é".

De acordo com Thacker, "por alguma razão, um movimento político de 'trabalho de máscaras' começou a crescer", apesar das declarações de Fauci e das conclusões desses estudos.

"Não tenho certeza do que aconteceu ou do que faremos a seguir", escreveu Thacker. "Mas algo estranho aconteceu nos Estados Unidos, onde as elites liberais começaram a enviar mensagens entre si 'máscaras funcionam'. Eles então transformaram isso em uma cruzada."

O movimento foi eficaz para que o CDC adotasse a emissão de orientações sobre máscaras, disse Thacker.


Quatro anos após o início da pandemia, o CDC agora torce abertamente pelas máscaras, apesar de pesquisas publicadas pela agência mostrarem que as máscaras realmente não protegem as pessoas de contrair vírus, disse ele.

"E é por isso que os especialistas que aconselham o CDC estão recebendo toda essa rejeição: eles não disseram ao CDC o que o CDC queria ouvir", escreveu Thacker.

Harvey Risch, M.D., Ph.D., professor emérito e cientista de pesquisa sênior em epidemiologia (doenças crônicas) na Escola de Saúde Pública de Yale, disse ao The Disinformation Chronicle que o CDC "sucumbiu a influências políticas".

Risch disse:

Fez políticas de fechamento de escolas para agradar o sindicato dos professores. Sua organização de caridade permite que a farmacêutica alimente centenas de milhões de dólares que seriam ilegais para ir diretamente para a agência, e isso dá à farmacêutica grande influência nas políticas do CDC.

De acordo com Thacker, o CDC continuou a dobrar a orientação que promove a eficácia da máscara. Uma carta de 23 de janeiro que a agência enviou a seus próprios conselheiros parece encorajá-los a adicionar mais orientações sobre máscaras às novas diretrizes da agência para a disseminação de patógenos, com base na conclusão de que os respiradores N95 são eficazes.

"Muita ciência está forçando o CDC a solicitar uma revisão científica", escreveu Thacker, referindo-se ao post do CDC de 23 de janeiro, que afirma que suas novas recomendações não devem "ser mal interpretadas para sugerir equivalência entre máscaras faciais e respiradores aprovados pelo NIOSH, o que não é cientificamente correto nem a intenção da linguagem preliminar".

Thacker disse que sua investigação mostra que "em sua orientação ao CDC, os especialistas recomendam máscaras como parte do que chamam de 'orientação baseada em transmissão', que o CDC define como um segundo nível de controle de infecção". No entanto, a própria orientação do CDC também considera que as máscaras são eficazes apenas para o "controle da fonte" – impedindo que uma pessoa já infectada infecte outras pessoas.

"Mas não é isso que o CDC quer", escreveu Thacker. "Eles querem que os especialistas escrevam diretrizes que recomendem que pessoas saudáveis usem máscaras, embora pesquisas mostrem que as máscaras não impedirão que pessoas saudáveis adoeçam."

"O CDC pegou a onda política de 'trabalho de máscaras' e agora está exigindo que especialistas independentes cumpram seus ditames de máscara preferidos", acrescentou.

Ao fazer isso, o CDC está rejeitando a ciência de que não gosta, incluindo vários outros estudos não-CDC que questionaram a eficácia da máscara.

Um estudo publicado na Annals of Internal Medicine em novembro de 2022 não encontrou diferença entre respiradores N95 e máscaras cirúrgicas para impedir a propagação da COVID-19. Essas descobertas foram espelhadas em uma meta-análise da Cochrane de janeiro de 2023 sobre a eficácia da máscara.

De acordo com o relatório Cochrane, "o uso de respiradores N95/P2 em comparação com máscaras médicas/cirúrgicas provavelmente faz pouca ou nenhuma diferença para o resultado objetivo e mais preciso da infecção por influenza confirmada em laboratório".

Um estudo de maio de 2023 publicado na Ecotoxicology and Environmental Safety sugere que os respiradores N95 podem expor os usuários a níveis perigosos de compostos tóxicos ligados a convulsões e câncer.

Uma meta-análise de setembro de 2023 publicada no Clinical Research Study examinou estudos de máscaras publicados desde 2019 no Relatório Semanal de Morbidade e Mortalidade (MMWR) do CDC.

De acordo com os achados da metanálise:

As publicações do MMWR referentes às máscaras tiraram conclusões positivas sobre a eficácia da máscara >75% das vezes, apesar de apenas 30% testarem máscaras e <15% terem resultados estatisticamente significativos. Nenhum estudo foi randomizado, mas mais da metade tirou conclusões causais.

O nível de evidência gerado foi baixo e as conclusões foram, na maioria das vezes, não apoiadas pelos dados. Nossos achados levantam preocupações sobre a confiabilidade da revista para informar políticas de saúde.


Exemplos do mundo real também questionam narrativas sobre a eficácia da máscara.


A Suécia, por exemplo, não exigiu ou recomendou máscaras para o público em geral durante a primeira onda da pandemia de COVID-19, e só o fez em certas situações nos estágios posteriores da pandemia, de acordo com o The Conversation. No entanto, seu total de mortes em excesso durante os dois primeiros anos da pandemia estava entre os mais baixos da Europa."

Em 2020, o epidemiologista estatal sueco Anders Tegnell disse: "Não vemos sentido em usar uma máscara facial na Suécia, nem mesmo no transporte público", acrescentando que havia "pelo menos três relatórios pesados (...) que todos afirmam que as evidências científicas são fracas".

Uma comissão do governo sueco observou baixos níveis de excesso de mortalidade em 2020 e 2021 e disse que, no máximo, as máscaras deveriam ter sido "recomendadas".

Logo após a divulgação do relatório, um artigo de opinião do Boston Herald de 25 de fevereiro de 2022 afirmou que a Suécia "acertou em cheio".

"Não entendo o que está impulsionando o movimento político 'trabalho de máscaras'", disse Thacker ao The Defender. "Houve muitas histórias escritas apontando que não há muitas evidências científicas de que as máscaras impeçam a propagação do vírus respiratório."

"Talvez as pessoas estivessem apenas com medo e quisessem acreditar que as máscaras fornecem proteção?", disse ele.

Thacker também citou o precedente histórico da epidemia de gripe espanhola em 1918, quando a Cruz Vermelha fez campanha por máscaras em toda a América.

"O conselho estadual de saúde da Califórnia realizou um estudo comparando cidades que tinham mandatos de máscara com aquelas que não tinham. Eles descobriram que não havia diferença e publicaram o estudo no American Journal of Public Health em 1920", disse Thacker.

"Talvez esses ativistas da máscara precisem ler um pouco de história", acrescentou.


Thacker agora está pedindo aos denunciantes dentro do CDC que entrem em contato com ele "para discutir o que está acontecendo dentro da agência".

"Estou conversando com o pessoal do CDC e espero saber o que está acontecendo dentro da agência. Pretendo escrever mais sobre isso", disse Thacker ao The Defender.

"A diretora do CDC, Mandy Cohen, quer restaurar a confiança na agência, mas isso não acontecerá se ela continuar colocando a política à frente das evidências científicas", disse ele.

Este artigo foi originalmente publicado por The Defender – Children's Health Defense's News & Views Website sob licença Creative Commons CC BY-NC-ND 4.0. Por favor, considere se inscrever no The Defender ou doar para a Children's Health Defense.

OBTENHA O SEU JÁ: Ômega 3 da Noruega Ultra Concentrado Certificado IFOS (90 cápsulas) - obtenha o seu hoje! - A saúde do cérebro, dos olhos e do sistema cardiovascular; Reduzir inflamações, coagulação do sangue, colesterol ruim e triglicerídeos; Aumentar o colesterol bom, a disposição, a imunidade e o bem estar; Auxiliar na cognição, na memória, no desenvolvimento muscular e no emagrecimento; Prevenir e reduzir sintomas de doenças crônicas, mentais e cardiovasculares.
OBTENHA aqui o Extrato de Própolis Verde com essa combinação: Vitamina B, E, C, D3, A, Selênio e Zinco. Aumente suas defesas naturais! Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Siga-nos: | | e | Nos Apoie: Doar
Fechar Menu
Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco, Imunidade e Proteção, Fortalvit, 60 Cápsulas

VER

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR