Estudo liga bactérias específicas ao desenvolvimento de Alzheimer

Equipe de investigadores dos EUA procurou uma relação mais explícita entre o Alzheimer e a mistura de organismos que vivem dentro do sistema digestivo


Estudo liga bactérias específicas ao desenvolvimento de Alzheimer - Artigo republicação do: Catraca Livre
Estudo liga bactérias específicas ao desenvolvimento de Alzheimer - Artigo republicação do: Catraca Livre

As ligações entre o cérebro, o intestino e a composição dos seus habitantes microbianos parecem desempenhar um papel crítico no desenvolvimento de doenças neurodegenerativas, como o Alzheimer.

Embora as evidências que favoreçam uma ligação entre o eixo microbiota-intestino-cérebro (MGBA) e a doença de Alzheimer continuem a crescer, o mecanismo exato por trás da relação ainda é pouco compreendido.

Utilizando o maior estudo de associação genômica da microflora intestinal humana, uma equipe de investigadores dos EUA procurou uma relação mais explícita entre a doença de Alzheimer e a mistura de organismos que vivem dentro do sistema digestivo.

A análise, publicada em março de 2023, descobriu não apenas uma ligação genética entre diferentes gêneros de bactérias intestinais e um diagnóstico de Alzheimer, mas também uma ligação entre os micróbios e um fator de risco genético para a doença neurodegenerativa.

O estudo enfatiza ainda mais a interação de fatores genéticos e da microflora intestinal inflamatória na função cerebral saudável.

Os pequenos habitantes do corpo


No início do nosso desenvolvimento, os nossos corpos são colonizados por uma variedade de bactérias, fungos e vírus que estabelecem uma trégua provisória com o sistema imunitário. Na maior parte, este acordo é mutuamente benéfico. Os micróbios conseguem um lugar para viver e nós temos uma defesa formada por esses pequenos ocupantes.

Isso não quer dizer que o equilíbrio seja sempre harmonioso. Mudanças no nosso sistema imunológico podem dar a algumas espécies uma vantagem sobre outras.

Da mesma forma, alterações na composição dos micróbios – através de mudanças na nossa dieta , por exemplo – podem afetar profundamente o funcionamento do corpo. Para melhor e para pior.

Ligação cérebro e bactérias


Nos últimos anos, os investigadores concentraram-se nesta diplomacia complexa entre a microflora intestinal, o sistema imunitário e o funcionamento neurológico, numa tentativa de compreender porque é que áreas do cérebro degeneram e dão origem aos sintomas de perda de memória e declínio cognitivo que reconhecemos como doença de Alzheimer.

Estudos observacionais revelaram uma redução na diversidade de micróbios intestinais em indivíduos diagnosticados com a doença, enquanto análises laboratoriais mostraram que as bactérias intestinais podem libertar substâncias químicas que poderiam induzir sinais inflamatórios prejudiciais no cérebro.

Para complicar a situação, há um gene envolvido no movimento de gorduras através do sangue, conhecido como apolipoproteína E (APOE).

Das três versões encontradas em humanos, uma variante conhecida como E4 parece ser um risco genético para a doença de Alzheimer.

Não está claro por que isso acontece. Embora haja boas razões para suspeitar que ter pelo menos uma cópia do APOE E4 possa ter alguma influência sobre a composição dos nossos micróbios.

Esta última exploração das conexões entre micróbios, APOE E4 e Alzheimer fornece evidências ainda mais convincentes de um mecanismo em ação no intestino.

Detalhes do estudo


A equipe pesquisou registros detalhados de 119 gêneros bacterianos com base em um estudo envolvendo milhares de participantes.

Uma pesquisa de genes bacterianos que poderiam estar associados ao Alzheimer revelou 20 gêneros suspeitos de desempenhar algum papel no desenvolvimento da doença.

Uma segunda busca através de uma amostra mais restrita produziu 10 gêneros um pouco mais certos. Seis deles eram menos comuns entre os pacientes diagnosticados e os quatro restantes eram mais comuns.

Desses 10 gêneros de bactérias, quatro pareciam ter uma relação com um alelo APOE que se pensa aumentar o risco de doença de Alzheimer.

Um exemplo de gênero é o Actinobacterium Collinsella, que não está associado apenas ao Alzheimer e à variante APOE, mas também à artrite reumatóide, à aterosclerose e ao diabetes tipo 2.

Os investigadores suspeitam que a capacidade da Collinsella de promover a expressão de hormonas mensageiras inflamatórias, juntamente com a sua capacidade de tornar o intestino mais permeável, pode desempenhar um papel nos danos neurológicos.

Estudo liga bactérias específicas ao desenvolvimento de Alzheimer - Artigo republicação do: Catraca Livre

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Fechar Menu