Estudo comprova: vacina de mRNA da Pfizer pode se integrar ao DNA humano

estudo recém-publicado - Presença de proteína spike viral e proteína spike vacinal no soro sanguíneo de pacientes com síndrome de COVID longa


Estudo comprova: vacina de mRNA da Pfizer pode se integrar ao DNA humano
Estudo comprova: vacina de mRNA da Pfizer pode se integrar ao DNA humano - artigo republicação: Report24

Mais uma vez, uma "teoria da conspiração" sobre as injeções genéticas experimentais torna-se um fato verificável. Um novo estudo encontrou genes exclusivos das vacinas de mRNA da Pfizer em células sanguíneas humanas. Tanto que "as vacinas são seguras"...

Repetidas vezes, fabricantes de vacinas, autoridades de saúde, a grande mídia e políticos têm afirmado que as vacinas experimentais de mRNA são seguras e não afetam a estrutura genética das pessoas. 

Mas, como acontece com as mentiras muito óbvias sobre o fato de que as injeções de genes também impediriam infecções e transmissões, havia uma mentira descarada – ou uma possível contaminação do DNA humano pelo mRNA simplesmente não foi sequer investigada.

Por exemplo, um estudo recém-publicado - Presença de proteína spike viral e proteína spike vacinal no soro sanguíneo de pacientes com síndrome de COVID longa - 
(Dhuli et al., Presence of viral spike protein and vaccinal spike protein in the blood serum of patients with long-COVID syndrome), que se baseia na análise do DNA de amostras de sangue de voluntários, comprova a existência de genes da vacina Covid BNT162b2 da Pfizer/BioNTech.

É interessante que os pesquisadores italianos realmente queriam investigar a chamada "Covid longa". No processo, eles se depararam com proteínas spike que exibiam propriedades que na verdade só são encontradas naquelas das vacinas. Estes são além daqueles que vieram de infecções naturais.


Em seguida, os autores do estudo se perguntaram: como é possível a produção a longo prazo de proteínas spike? Será devido a alterações no DNA que transformam as células em fábricas permanentes de proteína spike? Para responder a essa pergunta, eles usaram testes específicos de DNA para detectar a presença do código genético da vacina contra a Covid nos genomas das células dos participantes do estudo, como descrevem em seu suplemento ao estudo.

Os autores observam que seus resultados são consistentes com a "transcrição reversa intracelular" – a vacina torna-se, assim, parte do genoma dos vacinados. Embora esse não seja o caso de todas as pessoas vacinadas, isso acontece.

E ainda não está claro quais tipos celulares são afetados. Seria ruim se, por exemplo, também afetasse espermatozoides e óvulos. Isso também pode ter um impacto nas gerações futuras.

Estudo comprova: vacina de mRNA da Pfizer pode se integrar ao DNA humano - artigo republicação: Report24
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.