Microplásticos podem chegar aos tecidos humanos e causar danos corporais

Os microplásticos são produzidos durante o processo de fabricação, uso e reciclagem de produtos plásticos.

Coletividade EvolutivaMeio ambienteMicroplásticos podem chegar aos tecidos humanos e causar danos corporais



Microplásticos podem chegar aos tecidos humanos e causar danos corporais
Artigo republicado do Epoch Times

Os microplásticos são produzidos durante o processo de fabricação, uso e reciclagem de produtos plásticos. Uma vez que entram no corpo humano, podem causar vários tipos de doenças. Os microplásticos podem causar problemas respiratórios e digestivos, perturbar o sono, contribuir para a obesidade e aumentar o risco de diabetes tipo 2 e até o câncer.

Microplásticos são fragmentos de plástico na forma de blocos, filamentos ou esferas com menos de 5 mm de diâmetro ou comprimento. Eles geralmente entram no corpo por inalação, ingestão e contato com a pele. Geralmente, microplásticos em forma de fibra e menores são mais tóxicos.

Estudos demonstraram que a ingestão de microplásticos pode causar danos à parede intestinal, levando à inflamação, estresse oxidativo e alterações na microbiota intestinal, que podem levar a doenças autoimunes, câncer e doenças neurodegenerativas. A inalação de microplásticos pode causar irritação e danos ao sistema respiratório e pode levar a doenças respiratórias, como doença pulmonar obstrutiva crônica e asma.

O contato da pele com microplásticos pode causar coceira e inflamação e também causar distúrbios endócrinos e danos ao sistema reprodutivo. Além destes riscos diretos para a saúde, os microplásticos também podem transportar porções concentradas de produtos químicos nocivos e poluentes. De acordo com uma revisão de investigação britânica, os riscos para a saúde decorrentes da exposição a microplásticos constituem uma longa lista, incluindo distúrbios auditivos, má função da tireóide, obesidade, baixa qualidade do sêmen, asma infantil, aumento do risco de diabetes tipo 2 e muitos mais.

Além disso, os microplásticos no ambiente podem perturbar os ritmos circadianos e a secreção de melatonina, levando a distúrbios do sono. Pelo seu efeito sobre a obesidade, alguns estudos sugerem que os microplásticos podem perturbar a regulação hormonal e o metabolismo, levando ao ganho de peso.


Em julho, um estudo publicado na Environmental Science & Technology encontrou microplásticos em amostras de tecido cardíaco e amostras de sangue de pacientes submetidos a cirurgias cardíacas.

Os pesquisadores coletaram tecidos cardíacos de 15 pacientes submetidos à cirurgia e coletaram amostras de sangue dos pacientes antes e depois do procedimento. Para estudar a presença de microplásticos no coração humano e nos tecidos circundantes, os pesquisadores usaram um sistema de imagem infravermelha direta a laser e tecnologia de varredura por microscopia eletrônica. Os resultados mostraram que nove tipos distintos de partículas plásticas foram identificados em cinco tipos diferentes de tecidos, com o maior diâmetro atingindo 469 mícrons. Também foram detectados nove tipos de partículas plásticas em amostras de sangue pré e pós-operatórias com microplásticos de até 184 mícrons de diâmetro.

O estudo também encontrou polimetilmetacrilato (um tipo de plástico) no átrio esquerdo, tecido adiposo epicárdico e tecido adiposo pericárdico das amostras coletadas.

Em 1987, o polimetilmetacrilato foi classificado como um agente cancerígeno do Grupo 3 na lista de agentes cancerígenos publicada pela Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer da Organização Mundial da Saúde.

Numerosos estudos anteriores mostraram que microplásticos foram encontrados no sangue humano, pulmões, fezes e placenta. Em 2022, investigadores da Vrije Universiteit Amsterdam analisaram amostras de doações de sangue de 22 pessoas saudáveis. Verificou-se que 77 por cento dos doadores tinham quantidades quantificáveis de partículas de plástico no sangue, 50 por cento das amostras de sangue continham tereftalato de polietileno (comumente usado em garrafas de plástico), 36 por cento continham partículas de plástico em materiais de embalagem poliestireno (usado em alimentos e outros produtos de embalagem) e 23% continham polietileno (usado em sacolas plásticas).

Outros estudos descobriram que os microplásticos podem aderir à membrana externa dos glóbulos vermelhos e limitar a sua capacidade de transportar oxigênio.

Um estudo publicado na revista Atmospheric Environment em 2022 descobriu que entre 13 amostras de tecido pulmonar humano avaliadas, 39 contagens de microplásticos foram detectadas em 11 amostras, das quais foram identificados 12 tipos de microplásticos, incluindo polipropileno, tereftalato de polietileno e resina, entre outros .


Além disso, partículas microplásticas também foram detectadas em pacientes com rinite alérgica, e em placentas de mulheres grávidas.
Fontes de microplásticos

Os microplásticos estão aparentemente em toda parte e provêm de uma ampla variedade de fontes, desde grandes produtos industriais até dispositivos médicos e utensílios domésticos de uso diário, incluindo têxteis como náilon, acrílico e poliéster; cosméticos e produtos de higiene pessoal, como esfoliantes e cremes dentais; embalagens e recipientes de plástico, tais como garrafas de bebidas, recipientes para alimentos; sacos de plástico; pneus gastos (quando os pneus roçam na estrada, eles liberam pequenos pedaços de borracha contendo microplásticos); e tintas e revestimentos que liberam microplásticos no meio ambiente durante o uso e remoção.

Além disso, os microplásticos também estão presentes no ar. Um estudo do Reino Unido mostrou que as concentrações de microplásticos são muito mais elevadas em ambientes fechados do que em ambientes externos.

Os cientistas apelaram aos governos, às empresas e aos indivíduos para que tomem medidas para reduzir a utilização de produtos plásticos e para eliminar adequadamente os resíduos plásticos, a fim de proteger o ambiente ecológico e a saúde das pessoas .

Infelizmente, parece que muitas pessoas não conseguem mais viver sem plástico. A produção de plástico virgem aumentou de 2 milhões de toneladas por ano em 1950 para 367 milhões de toneladas em 2020. Espera-se que até 2050 a produção anual exceda 1 bilhão de toneladas.

Além disso, atualmente não existe um método para desintegrar completamente os microplásticos. Os materiais plásticos tradicionais são difíceis de desintegrar e podem durar centenas ou até milhares de anos. Apesar das medidas para reduzir o impacto ambiental dos resíduos plásticos, incluindo a reciclagem, a incineração e a deposição em aterros, a poluição plástica continua a ser inevitável. A taxa geral de reciclagem de plástico usado é de apenas 9 a 30 por cento.

Os cientistas propuseram o conceito de uma economia circular do plástico em que os plásticos são reutilizados, remodelados e reciclados durante o maior tempo possível para reduzir a libertação de plásticos poliméricos no ambiente. Em 2022, a Comissão Europeia revisou o projeto de lei para restringir o uso de plásticos poliméricos em cosméticos. Muitos países, como o Canadá e os Estados Unidos, também propuseram ou implementaram proibições para impedir o uso de microplásticos em produtos de higiene pessoal.

Artigo republicado do Epoch Times 
Anúncio
Anúncio
Sugestão de suplemento

Postar um comentário

0 Comentários

Fechar Menu
Fique por dentro do nosso Telegram

SEGUIR

Entre para nosso Canal WhatsApp

Recebar notícias diretamente no WhatsApp

SEGUIR
SUPLEMENTOEvite deficiências nutricionais com Extrato de Própolis Verde, Vitamina B, E, C, D3, A, Selênio e Zinco. Obter já