Coletividade Evolutiva , Terceira Guerra Mundial: Israel um 'curinga nuclear' em 'caminho perigoso para o Armagedom', diz coronel Douglas Macgregor , Governo , Mundo ,

Terceira Guerra Mundial: Israel um 'curinga nuclear' em 'caminho perigoso para o Armagedom', diz coronel Douglas Macgregor

Douglas Macgregor, juntou-se a Tucker Carlson para discutir a crise em curso no Oriente Médio


Terceira Guerra Mundial: Israel um 'curinga nuclear' em 'caminho perigoso para o Armagedom', diz coronel Douglas Macgregor
Douglas Macgregor, juntou-se a Tucker Carlson para discutir a crise em curso no Oriente Médio

O coronel reformado do Exército dos EUA, Douglas Macgregor, juntou-se a Tucker Carlson para discutir a crise em curso no Oriente Médio e o que isso poderia significar para os Estados Unidos. MacGregor alertou que a guerra com o Irã muito provavelmente levaria à Terceira Guerra Mundial, com a adesão da Rússia à campanha. 

Tucker Carlson sentou-se com o coronel Douglas Macgregor (ret.), que expôs um cenário perturbador em que os Estados Unidos poderiam rapidamente ser arrastados para um conflito direto com Irã, Rússia e China por causa da resposta antecipada de Israel ao ataque do Hamas em 7 de outubro.

Carlson começa destacando Lindsey Graham, que prometeu;

Senador dos EUA Lindsey Graham: Aqui está a minha mensagem: Se o Hezbollah, a força por procuração do Irão, lançar um ataque massivo contra Israel, considerarei isso uma ameaça existencial ao Estado de Israel. Apresentarei uma resolução no Senado dos Estados Unidos que permitiria aos Estados Unidos envolverem-se em acções militares com Israel para expulsar o Irão do negócio petrolífero. Irã, se você intensificar esta guerra, iremos atrás de você.(fonte)

Carlson então pergunta:

"Então, o que significaria a guerra com o Irã? Bem, é difícil saber porque praticamente ninguém que está falando sobre isso em público está operando a partir de um profundo interesse no interesse dos Estados Unidos. Isso é bom para nós ou não é?"
Se, como sugere o senador Graham, começarmos a bombardear infraestruturas críticas no Irã, alerta Macgregor

"a destruição seria por atacado", já que o Irã teria como alvo "todas as bases que temos no Iraque e na Síria - com cerca de 1000.<> americanos - seriam alvo (...) e desta vez com precisão."

Segundo Macgregor,

"O destino escolhido", se continuarmos neste caminho, "é o Armagedom", e as implicações (das quais ninguém parece estar a considerar) para os Estados Unidos, a Europa e o Médio Oriente são graves. Por exemplo, "apenas no lado econômico, cerca de 20% do petróleo mundial passa pelo Estreito de Ormuz todos os meses – provavelmente 25% de gás natural liquefeito, e você está falando sobre o fechamento de 2 a três milhões de barris por dia de petróleo do Irã.

"Você sabe que toda essa região está envolvida na guerra. Este não é um monopólio iraniano por nenhum trecho da imaginação", continuou.


Os dois também discutiram como um dos principais desafios de contemplar uma guerra com o Irã é a natureza imprevisível de tais conflitos. As sanções econômicas, que têm sido a estratégia preferida há anos, não conseguiram paralisar as capacidades militares do Irã. Quando a força militar entra em ação, um novo conjunto de incógnitas surge.

Os militares dos EUA, como estão, podem não estar adequadamente preparados para tal conflito – particularmente se o inimigo tiver novos sistemas de armas e capacidades.

"Tivemos o luxo de sentar em torno de bases operacionais avançadas e atacar oponentes que estavam armados com AK-47, e comandar minas detonadas e ocasionalmente morteiros ou foguetes. Combates de baixíssima intensidade", disse, referindo-se aos tipos de engajamento a que os militares dos EUA se acostumaram.

Curinga nuclear?


Segundo Macgregor,

"Esta é uma guerra convencional de ponta que estamos olhando, com potencial para se tornar nuclear – o que, obviamente, não acho que nós ou os russos queiramos que aconteça, mas temos o curinga em Israel. Eles têm uma capacidade nuclear."

"Não sabemos qual é o fio condutor para eles empregarem essa arma. Nesse ponto, é claro, todas as apostas estão descartadas e acho que a maior parte do mundo se voltaria contra Israel. Neste momento, eles só precisam se preocupar com o mundo muçulmano contra eles", continuou, explicando que, ao focar no Hamas e no Hezbollah como ameaças imediatas, as implicações mais amplas são obscurecidas. Por exemplo, atacar ambientes urbanos como Gaza traz um alto risco de vítimas civis – cujas consequências seriam catastróficas, tanto moral quanto estrategicamente.

"O Hezbollah tem uma operação muito grande no México", diz Macgregor. "Sem dúvida, há muitos, muitos agentes do Hezbollah dentro dos Estados Unidos. Só podemos começar a imaginar o tipo de problema que eles poderiam causar."

Em meio a tudo isso, surge a pergunta: como uma guerra com o Irã afetará a política interna americana? A história mostra que a guerra é frequentemente usada para sufocar a dissidência, mas no mundo conectado de hoje, a censura só pode ir tão longe. A opinião pública, inicialmente a favor da violência contra o Hamas, pode diminuir à medida que o conflito aumenta e as imagens de destruição inundam a mídia.

"Mas o mais importante, eu acho, para os americanos entenderem é, se atacarmos o Irã com base na suposta disposição do Hezbollah de atacar Israel, se Israel entrar em uma verdadeira guerra de tiros com o Hezbollah, eles têm as maiores forças armadas da região."

Relógio:


Obtenha o Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco para melhor Imunidade e Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui


Siga-nos: | | e | Inscreva-se na nossa | Nos Apoie: Doar
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR