Hidroxicloroquina reduz mortalidade por COVID-19, conclui estudo

A hidroxicloroquina, amplamente usada contra a malária e a artrite, foi administrada a centenas de pacientes hospitalizados com COVID-19 na Bélgica


Os pesquisadores examinaram registros de 352 adultos hospitalizados no Hospital AZ Groeninge em Kortrijk, Bélgica.

Pessoas que receberam hidroxicloroquina em combinação com outro medicamento enquanto estavam hospitalizadas com COVID-19 tinham menos probabilidade de morrer do que aquelas que não o fizeram, de acordo com um novo estudo.

A hidroxicloroquina, amplamente usada contra a malária e a artrite, foi administrada a centenas de pacientes hospitalizados com COVID-19 na Bélgica. Milhares de outros não receberam o medicamento.

Pesquisadores examinaram os registros de 352 adultos hospitalizados no Hospital AZ Groeninge, em Kortrijk, Bélgica. Todos os pacientes testaram positivo para COVID-19 ou tiveram resultados de tomografias computadorizadas que sugeriram a presença de COVID-19. Os pacientes receberam hidroxicloroquina sozinha ou com azitromicina, um antibiótico. Foram feitos exames antes e depois do tratamento.

Os pesquisadores compararam os resultados da análise dos registros com um grupo de controle de 3.533 pessoas hospitalizadas em toda a Bélgica com COVID-19 de 14 de março de 2020 a 24 de maio de 2020. As pessoas não receberam hidroxicloroquina, mas receberam o padrão de atendimento.

Vinte e oito dias após o diagnóstico de COVID-19, 59 pessoas tratadas com hidroxicloroquina morreram. A porcentagem de mortalidade, ou 16,7%, foi menor do que os 25,9% do grupo de controle.

Os pesquisadores descobriram que os pacientes que receberam hidroxicloroquina tinham mais chances de sobreviver, mesmo após ajustes por idade e outros fatores.

“Nosso estudo sugere que, apesar da controvérsia em torno de seu uso, o tratamento com hidroxicloroquina e azitromicina permanece uma opção viável”, escreveram o Dr. Gert Meeus, nefrologista do Hospital AZ Groeninge, e outros pesquisadores.

O estudo foi publicado na revista New Microbes and New Infections. As limitações incluem a natureza retrospectiva do estudo e as diferenças entre os grupos de tratamento e controle, incluindo a idade média dos primeiros ser mais jovem. Os autores não declararam conflitos de interesse ou financiamento.

A pesquisa contribui para um conjunto misto de dados sobre a hidroxicloroquina contra a COVID-19.


Alguns outros estudos descobriram que os receptores de hidroxicloroquina tinham menos probabilidade de morrer, incluindo um estudo que analisou registros de um sistema de saúde em Michigan. Muitos dos resultados positivos se referiam à hidroxicloroquina em combinação com a azitromicina.

Outros encontraram pouca ou nenhuma evidência de que a hidroxicloroquina afeta a COVID-19, incluindo um estudo financiado pelo governo dos EUA em 34 hospitais.

Vários estudos sobre a hidroxicloroquina e a COVID-19 foram retratados.

A hidroxicloroquina é aprovada pela Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA), mas a agência alerta desde meados de 2020 contra o seu uso para a COVID-19. Os reguladores belgas revogaram a autorização da hidroxicloroquina para a COVID-19 em junho de 2020.

Problema de dosagem?


Os defensores da hidroxicloroquina dizem que a quantidade do medicamento e o momento em que é administrado são essenciais para estudar adequadamente como ela afeta a COVID-19.

O Dr. Meeus e os outros pesquisadores belgas reconheceram ensaios clínicos que não encontraram benefícios para a hidroxicloroquina, assim como alguns estudos observacionais. Outros artigos observacionais sugeriram que a hidroxicloroquina é eficaz.

“Uma explicação possível para a discrepância entre os resultados nos ensaios observacionais e os grandes ensaios randomizados pode ser o uso de uma dose diferente de hidroxicloroquina”, disseram eles.

Os pesquisadores começaram com 400 miligramas, duas vezes ao dia, no primeiro dia. Isso foi seguido por 200 miligramas por dia por cinco dias, de acordo com as diretrizes nacionais.

Nos ensaios clínicos que não encontraram benefício, os pacientes receberam quatro vezes mais hidroxicloroquina.

“Nosso tratamento foi mais baixo e também usou o antibiótico azitromicina. Esse tratamento duplo é uma explicação possível para o motivo pelo qual encontramos efeitos positivos, mas outros estudos não encontraram”, disse o Dr. Meeus ao Doorbraak.

Peter Horby, porta-voz de um dos ensaios, disse ao Epoch Times anteriormente que as quantidades de dosagem foram “cuidadosamente selecionadas” e “projetadas para alcançar as concentrações necessárias para inibir o vírus o mais rapidamente e com segurança possível”.

O Dr. Meeus disse ao Doorbraak que mais pesquisas precisam ser feitas sobre o medicamento, ou HCQ, mas que é muito provável que seja benéfico.

“HCQ não é uma panaceia, e claro, mais pesquisas precisam ser feitas. Afinal, não se pode concluir apenas a partir de um estudo observacional como o nosso se algo funciona ou não”, disse ele. “Mas olhe, seguimos o protocolo conforme originalmente prescrito na Bélgica. Um estudo… também mostrou no início de 2020 que o HCQ levou a uma menor mortalidade. Se os resultados do nosso estudo confirmarem isso novamente, achamos muito plausível que o medicamento tenha ajudado muitos pacientes.”

Artigo original em: Epoch Times
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Fechar Menu