Coletividade Evolutiva , Descoberta relação interessante entre Alzheimer e intestino , Bem-estar , Ciência ,

Descoberta relação interessante entre Alzheimer e intestino

Bactérias alteradas na flora intestinal podem indicar Doença de Alzheimer na fase pré-sintomática, segundo estudo


Artigo original em Catraca Livre

Recentemente, a medicina fez um avanço significativo no estudo da doença de Alzheimer. Pesquisadores descobriram uma correlação entre a microbioma intestinal e a doença. Até então, essa relação não tinha sido totalmente compreendida.

A doença é um dos principais problemas de saúde do século, e sua cura ainda é um dos grandes desafios enfrentados pelos cientistas. Estudos têm mostrado a complexidade da doença de Alzheimer, que afeta a função cognitiva e mental das pessoas, impactando fortemente a qualidade de vida.

Existem duas proteínas ligadas a Alzheimer – beta-amiloide, que forma placas no cérebro, e tau, que em um estágio posterior se acumula dentro das células cerebrais. Níveis elevados dessas proteínas em combinação com comprometimento cognitivo já foram a base para o diagnóstico de Alzheimer. Mas quando é possível perceber os sintomas?

Mudanças ocorrem no cérebro entre dez e vinte anos antes de o paciente apresentar qualquer sintoma claro. É somente quando a tau começa a se espalhar que as células nervosas morrem e a pessoa em questão experimenta os primeiros problemas cognitivos. É por isso que o Alzheimer é tão difícil diagnosticar em seus estágios iniciais.

Descoberta relação interessante entre Alzheimer e intestino


Agora, um estudo liderado pela professora Yvonne Nolan, do Centro de Pesquisa APC Microbiome Ireland, lança luz sobre essa relação que tem chamado a atenção do mundo científico.

Como foi conduzido o estudo?

O estudo reuniu 69 pacientes diagnosticados com Alzheimer e 64 indivíduos saudáveis. De ambos os grupos, foram coletadas amostras de sangue e fezes.

Essas amostras foram então submetidas a um procedimento chamado transplante de microbiota fecal (FMT), que envolveu a transferência do microbioma intestinal dos pacientes para ratos saudáveis.

Quais foram as principais descobertas?


Os pacientes com Alzheimer apresentavam níveis mais elevados de bactérias relacionadas à inflamação em suas amostras de fezes.

Esses níveis apresentaram uma correlação direta com o grau de comprometimento cognitivo dos pacientes.

A pesquisa foi muito além, transferindo o microbioma intestinal dos pacientes para ratos saudáveis, que, após o procedimento, começaram a desenvolver sintomas associados à doença.

Qual é a relação com a neurogênese do hipocampo?


O estudo também revolucionou ao observar a neurogênese do hipocampo, ou seja, o processo de criação de novos neurônios nessa região do cérebro.

Foi constatado que ratos que receberam a bactéria intestinal de paciente com Alzheimer produziram menos células nervosas novas, resultando em problemas de memória.

As descobertas apontam para a necessidade de novas pesquisas sobre a doença de Alzheimer, especificamente relacionadas ao microbioma intestinal e sua possível influência no desenvolvimento da doença.

Essa descoberta promissora abre caminho para o desenvolvimento de tratamentos eficazes que podem contribuir significativamente para a prevenção e o controle da doença. - artigo original em catraca livre

Obtenha o Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco para melhor Imunidade e Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui


Siga-nos: | | e | Inscreva-se na nossa | Nos Apoie: Doar
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR